Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A explicação é simples

por Trinco, em 12.10.18

abc-928383_960_720.jpg

 

Há muito que não escrevo! Há muito que reservo as minhas opiniões para um circulo extremamente restrito de pessoas. Há muito que me venho afastando duma vertente mais activa de participação na vida do Clube.

 

Na realidade, desde as eleições de 2017 e consequentes meses, que me venho afastando por começar a ter dificuldades de encontrar no Clube os identificadores em que me revia.

 

Não votei. Também não escolheria o candidato Varandas como presidente. Foi eleito, é o presidente!

 

No entanto o silencio e o afastamento não impede que, de vez em quando, me "caírem no colo" algumas teorias conspirativas de um passado recente, alimentadas em revanchismos. Umas, admito, conseguem ter um fluxo de racionalidade e linha de possibilidade, outras são um espernear absurdo dos que perderam o seu confortável chão.

 

E com essas, algumas, que outras de tão disparatadas são imediatamente arquivadas no lixo, tenho alguma dificuldade em deixá-las sem resposta. Mesmo que me faça vir esclarecer e "defender" uma MAG que me deixou muito mal impressionado com a sua ineptidão de 5 anos.

 

É o caso duma teoria de golpada nos estatutos, trazidas à luz por um ex-comentador da Sporting TV num blog que me inibo de nomear e que tem vindo a ser reproduzido em partilhas por muitos dos le(t)ais com o alarmante "Os sócios precisam de explicações!".

 

Ora segundo este ex-comentador da Sporting TV, teria havido uma alteração estatutária martelada, que exigiria explicação da anterior MAG, sobre os prorrogação de prazos. Alega ele que houve alteração da redacção do artigo 66º de modo a "auxiliar" o novo Conselho Directivo.

 

Dá como exemplo o que foi apresentado aos sócios na AG de 17 de Fevereiro para informar que afinal alteraram a referencia dos artigos mencionados, para outros mais convenientes (é esta a expressão utilizada), documentando profusamente a teoria, o que leva aos incautos a assumirem-na como real.

art67.png

 Acontece que, a própria proposta incorria no erro na menção dos ditos artigos. A redacção que constava nos estatutos em vigor à data da AG para alteração dos mesmos era:

Imagem 001 (1).png

Número 1 do artigo 31º e número 1 do artigo 34º.

 

E o que consta actualmente dos estatutos? Isto:

 

Imagem 002.png

Mas porque é que menciona então artigos diferentes? Porque houve a introdução do artigo 25º - Prémios e galardões Honoris Sporting que obrigou ao óbvio acerto na consolidação dos estatutos. Simples e nada conspirativo nem a necessitar de alarmante justificação. Convém é saber do que se fala!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:01

Mau perder

por LexLeonne, em 10.10.18

9b18fc2e-4559-4410-a18c-733b1618fbc9.jpg

 

Quando vivemos um momento em que os verdadeiros Sportinguistas estamos, compreensivelmente, tristes com o mais recente resultado da equipa de futebol profissional, uma derrota totalmente inesperada perante um adversário teoricamente mais fraco, fico mais triste ainda por perceber que o mau perder assola quem não perdeu no domingo, mas sim há um mês.

 

Desde a realização das eleições no Clube, e à exceção de comentários sem qualquer relevância por parte de alguns (poucos e cada vez menos) que já demonstraram não ter qualquer pingo de Sportinguismo, temos vivido um clima de paz, sem criticismos exacerbados, apoiando ou, pelo menos, deixando trabalhar com serenidade a nova direção democrática e expressivamente eleita, dando-lhe o espaço e o tempo imprescindíveis a apreender a real situação do Clube e à procura das soluções de curto e médio prazo que sejam necessárias à sua reabilitação.

 

Para minha satisfação e esperança na união no nosso Clube, a frase que mais se tem ouvido é “Varandas é o meu Presidente”, mesmo por quem assume que nele não votou.

 

Eis senão quando aparece alguém, a quem, de facto, ainda nada de similar se havia ouvido, alguém a quem não parece agradar essa pacificação, e por isso trata de disparar tiros, e se assume como oposição.

 

Estou a referir-me à recente intervenção pública de José Maria Ricciardi, candidato derrotado (e muito derrotado) nas últimas eleições. Não que me tenha surpreendido, ou dececionado, porque nunca estive iludido quanto aos seus objetivos ou quanto ao seu caráter. Seria mesmo expectável que nalgum momento, não conseguindo ser nem presidente real, nem o presidente sombra que sempre se habituou a ser, encontrasse outra forma de voltar às luzes da ribalta.

 

Mas, José Maria, um mês depois?! Oposição, um mês depois?! Lembre-se do resultado eleitoral que obteve, que os menos de 15% que votaram em si, já se esqueceram seguramente. Se tem tantos meios e capacidades como diz, mas não quer ajudar o Sporting, então ao menos não desajude. Dedique-se à sua vida de empresário, banqueiro ou lá o que seja, e guarde para si e para quem o rodeia e tenha mesmo que o aturar, essas suas atitudes arrogantes de paladino da verdade absoluta, em que deixa cair todo o seu suposto charme de senhor de cabelos brancos, e parte com facilidade para o insulto gratuito contra tudo e todos aqueles que se atreveram a de si discordar.

 

Essa é uma atitude, dito de forma simples, de mau perder.

Mau perder é do pior que há no desporto e na vida em geral. E quem não souber, na vida, perder com dignidade, jamais poderá ter a pretensão de ter qualquer cargo no mundo do desporto. José Maria, se é Sportinguista, perceba isso e deixe o Sporting em paz!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:44

Peseiro Anti-Herói

por Lizardo, em 25.09.18

mw-860.jpg

O futebol português necessita urgente mudar a forma de envolvimento com os seus adeptos. Vivemos cada vez mais um clima de guerrilha e desconfiança permanente, os portugueses têm cada vez menos relacionamento com o jogo jogado. Se o valor dos bilhetes é cada vez mais proibitivo, a somar a um conjunto de regras completamente terceiro mundistas, com o surgir de Canais pagos, como a Sporttv ou a Eleven Sports, em canal aberto sobra para os adeptos o que de mais feio e sujo o futebol português tem para oferecer. Debates vazios, sem substância, onde o jogo jogado fica para terceiro plano e o foco é a mentira, a devassa, a injuria e uma falsa batalha contra a corrupção e a verdade desportiva. Os quatro Canais que temos são um autentico maná de manipulação de opinião. E todos os três grandes têm muita culpa neste clima.

Mas a razão deste texto prende-se pela primeira derrota do Sporting de José Peseiro em Braga. Fiquei triste com a derrota mas altamente dececionado com certas atitudes de alguns Sportinguistas.

Peseiro é o elo mais fraco. E também é o menos culpado da derrota. Não podemos esquecer que nos últimos três anos tivemos um dos mais bem pagos treinadores da europa, com planteis de milhões e hoje continuamos a competir na Liga Europa e a assistir aos rivais a celebrar os títulos nacionais.

Peseiro deve ser acarinhado. É o eterno anti-heroi do Sporting. Chegou a uma final europeia. Deveria ser celebrada essa meta. Critica-se, é mais fácil, ficou conhecido como o treinador que a perdeu, com uma equipa que o tempo tratou de revelar não ser assim tão competitiva e tão rica como se vendia na época.

Peseiro foi o treinador, talvez e depois de Mirko Jozic e de alguns grandes momentos de Boloni, o Mister que melhor futebol apresentou aos Sócios e Adeptos do Sporting. Não sejamos ingratos, pois se há mérito que Peseiro merece é que as suas equipas valorizam o jogo e não o que se joga nos corredores.

Peseiro era apontado de ser “louco”, de não defender, de não ter contenção, entre outros chavões. Teve a coragem de aceitar o cargo depois de tantos o terem rejeitado, tomou as rédeas a um enorme problema, com jogadores a chegarem a conta-gotas, outros novos, várias saídas de jogadores chave, como William, Rui Patrício e Gelson, começámos a época com várias lesões de jogadores muito importantes como Bas Dost.

Peseiro perante tudo isto vai contra os seus princípios de jogo. Aposta numa estratégia mais compacta, menos tentadora e de olhos constantes na baliza, soube ler a qualidade e a falta dela que existe no plantel. Hoje, ao contrário de ontem, é apontado porque não arrisca, porque tem demasiada contenção e que aposta demasiado num sistema defensivo.

Peseiro é, facto, o anti-herói do futebol nacional. Por todos, pelo menos os que estudam o jogo, valorizado, por todos os que o consomem, criticado.

Mas não podemos esquecer este estado bicéfalo, ora se chorou sangue quando foi anunciado e poucos dias, quando um candidato apresenta um Ranieri, a grande maioria o apoiou. A bipolaridade sempre na luta e sempre presente neste nosso Sporting.

Em conclusão, Peseiro merece um grande aplauso. Não só pela coragem. Pelo mérito de estar a unir um grupo destroçado e completamente desequilibrado. E acima de tudo, pela forma como tem defendido o Sporting, com elevação, saber estar e muito profissionalismo.

Que esta derrota sirva para unir o que cada dia está mais coeso. Que é o Sporting, sobre os outros, os que surgiram do submundo do lodo para lançar as primeiras pedras, em relação a esses, desprezo e o escárnio que merecem. Não são dignos de resposta.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:45

Limpa Ferrão

por O 6º Violino, em 21.09.18

19553896_10154973580313439_2663119117848086998_n.j

 Menos de duas semanas após o acto eleitoral , e já com alguma da necessária limpeza feita dentro do Clube , existe ainda , e em vários sectores pessoas que urge sacudir rapidamente para fora do Clube , sob pena de continuarem a ser os olhos e os ouvidos do historicamente destituído.

Um dos casos que me faz imensa confusão por ainda pertencer aos quadros do Clube é Luis Ferrão.

Quem é Luis Ferrão?

Luis Ferrão foi o último sobrevivente da penúltima "empresa" falida (a última foi a Fundação Aragão Pinto) de Azevedo de Carvalho. De 2011 a 2013 era o moço de recados de Azevedo de Carvalho para todos os assuntos, particulares e profissionais. Uma espécie de Pedro Batista e/ou João Capitão, mas remunerado. Uma espécie de Saraiva, mas com tacão alto, que consegue trocar lâmpadas.

Ferrão entra para o Sporting em 2013 pela mão de Carvalho, para a área responsável pelo Estádio.

Ferrão, André Cashball Geraldes, Pedro Batista, João Capitão e o seu irmão anafado, faziam parte da trupe que se entretinha a espiolhar sócios que manifestamente estavam contra a gestão "Azevedista", sendo Beto Severo uma das vitimas de então, ele que agora é Team Manager do Clube.

Frederico Varandas não pode perder tempo a dar confiança a esta gente que tanto mal fez ao Clube e seus associados. Não pode correr o risco de ter à sua volta estes bufos do Carvalho.

Tem de cortar a direito com esta linhagem de putos atrasados mentais que sujaram o nome do Clube. O tempo é escasso, e esta gente não pode ser merecedora de confiança.

É mais do que tempo de limpar esta corja de amigos do João Duarte da YN.

É tempo de limpar de vez, nem que seja à força.

Tempo de ter um Sporting limpo, de novo.

SL

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:54

Acabou. Começou.

por Lizardo, em 11.09.18

fv.jpg

 

Podemos dizer que acabou. Acabou de vez no passado dia 8 de setembro.
Acabou um passado que durou cinco anos e que muito nos ensinou e explicou sobre as fraquezas do Clube, a falta de carácter de muitos Sócios e a facilidade e simplicidade com que manipula e manobra a opinião de Sócios e Adeptos.

Não devemos agora exigir o que sempre foi uma das principais criticas da anterior gestão. Não se exigem purgas ou um sanear meramente ideológico e de enfraquecimento de opositores. Exige-se sim que o Sporting, para se unir novamente, saiba reorganizar-se e excluir os seus ativos tóxicos, onde se incluem vários funcionários do Clube, bem como, avançar para a inevitável expulsão de todos os que se vergaram à vergonha de acompanhar o Presidente destituído nos últimos e penosos meses antes de escolhermos o nosso novo Presidente.

Frederico Varandas tem essa missão e acredito que a levará a bom porto. Não pode vacilar, não pode viver só da emoção ou só da razão. Tem que compreender que são os bons que nos levam ao melhor e o Sporting está repleto de gente sem capacidade e altamente negativa no que se compreende serem os seus processos diários, gestão e ambições futuras.

Posto isto, não haverá paz enquanto não se acabar esta guerra. E a guerra acaba com a rendição de todos os que foram coniventes com o anterior regime, seja por cegueira ou por interesses pessoais.

Frederico Varandas é hoje o meu Presidente. Ele e a sua equipa os Homens e Mulheres a quem exijo esforço e dedicação diária para modernizar o Sporting. Compreender o nosso espetro social e, acima de tudo, inovar, voltar a colocar o Sporting não só como Clube vencedor e portador de bons princípios e valores, mas também como Clube pioneiro e referência mundial.

O Sporting tem essa capacidade de per Si. Não deve cair no erro do populismo, não deve confundir o desporto com a política, os Partidos e as suas juventudes partidárias, deve lutar contra o granjear fama e poder através dos órgão de comunicação social, sejam para os titulares de pastas como para os seus familiares. Em resumo, a feira de vaidades que há muito é apanágio do nosso Sporting tem que finalizar.

Temos também o esforço de avançar para uma maior profissionalização de processos, mais rendimento, mais estudo, mais ciências humanas e desenvolvimento de atletas/homens/mulheres que são bandeiras dos bons valores, princípios e uma bandeira do lema leonino.

Em suma, voltamos hoje a este espaço, que será atualizado com mais periodicidade, na esperança de escrevermos mais sobre as vitórias nos campos, pavilhões, pistas e piscinas, que polémicas que nos diminuem, atos pessoais que nos envergonham ou ações de gestão pouco transparentes.

Não se invente a roda, não se crie uma nova doença. Frederico Varandas tem esta grande missão, ser a voz positiva e criadora de esperança a um universo de milhões de Sportinguistas. Saiba Ele e a sua equipa gerir as vitórias para capitalizar a mudança e as derrotas para instituir o respeito perdido.

A todos, Saudações Leoninas. Agora sim, o Sporting está de volta!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:23

Monta Russa Vip

por O 6º Violino, em 05.08.18

images.jpg

Informo desde já que o titulo não tem nada a ver com os famosos investidores russos que o deposto presidente prometeu em 2013.

O titulo tem a ver com as suas atitudes, ideias, estados de espírito e prosas.

O deposto e agora suspenso consócio não para de surpreender os mais incautos e distraídos sócios do Sporting.

Desde a famosa Assembleia Geral que o tirou do lugar que diz ter sonhado desde os 6 anos (pobre infância a dele), o deposto tem feito da sua vida uma autêntica montanha russa. Relembro que antes da realização da mesma (que garantia não existir), o mesmo afirmou que não voltaria ao seu posto de trabalho se o resultado lhe fosse desfavorável, mas mesmo com a valente coça que levou não perdeu a vergonha na cara.

Chegou ao ponto de afirmar, em recentes entrevistas que até queria ter perdido a Assembleia de Fevereiro. Ao que chega uma mente doente, meus senhores e minhas senhoras.

Tem transformado a pré-campanha eleitoral num circo, de onde quem sai chamuscado é o Clube. Mas o que é que isso lhe interessa, se os seus interesses pessoais foram sempre mais importantes do que os interesses  do Clube?

O deposto não aceitava a realização da AG mas os tribunais assim o obrigaram a fazer. O deposto afirmava não ir à AG e entrou pela porta do cavalo sem ter sido credenciado e votou. O deposto meteu (diz ele, vale o que vale) uma série de providências cautelares que não ganhou uma.

Há poucos dias, depois de suspenso, disse que não aceitava a decisão, que era ilegal, e que ia a votos (só não disse a que eleições). 

Parece que agora vai arranjar um testa de ferro para poder levar a sua equipa de cuspidores de fogo, para não ofender a profissão de palhaço.

Já se percebeu quem paga as salas de apresentação de candidatura e vãos de escada de antigos cinemas. Era fácil lá chegar. Um teso em 2013 não tinha como pagar aquela sala. Hoje já se pode dar a esses luxos, com o que amealhou das comissões das transferências de jogadores, maioritariamente pernas-de-pau.

Há pessoas que não entendem que o seu tempo já lá vai. Sonhavam ter ali um emprego para si e seus familiares para toda a vida, mas a realidade dos clubes não é assim. Ainda há quem tenha o poder decisório nas suas mãos, neste caso, os sócios.

Que esconderá o deposto? Porque não colocou um familiar como candidato? Que interesses esconde? Que movimentos de capitais esconde? Que tipo de relação com as claques quer esconder? 

Todas estas questões serão certamente esclarecidas em breve, de uma ou de outra forma. Para mal dos seus pecados.

Por hoje chega de falar do deposto.

Para os reais candidatos: Tenham juízo e não façam como o outro, metam os interesses do Clube à frente das vossas vaidades pessoais. Isto é à vontade, mas não é à vontadinha. Não deitem fora o que se ganhou em 23 de Junho, por respeito aos sócios e ao Clube.

Ao José Maria Ricciardi, que tenha juízo, ele e o Zé dos tachos. Não vos queremos, da mesma forma que não quisemos o deposto.

Nesta Montanha Russa Vip só embarca quem tiver os olhos tapados.

SL

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 23:22

Tenham coragem

por Lizardo, em 02.08.18

download.jpg

 

 

Tinha pensado escrever só no dia 9 de agosto, depois de entregues as candidaturas e fazer uma avaliação pessoal a cada uma delas. Mas dadas as circunstâncias e o constante desenvolver de novidades, achei por bem deixar aqui as minhas inquietações.

Ao dia de hoje, 2 de agosto, o Sporting tem mais que uma mão cheia de candidaturas. Quantidade mas pouca qualidade.

Todos falamos entre pares, Sócios e Adeptos, e até rivais, e há uma unanimidade nas opiniões, as candidaturas não oferecem a força e a vitalidade que o Sporting necessita para enfrentar os desafios futuros, e acima de tudo, para resolver o pesadelo e curar as feridas que estes últimos cinco anos deixaram expostas e que muito prejudicaram, prejudicam e irão continuar a fustigar o nosso Clube.

Não vou fazer para já uma avaliação individual a cada lista, mas vou deixar algumas linhas sobre o que realmente se destaca nas que me parecem ser as três grandes candidaturas,

Frederico Varandas teve a coragem de aparecer num momento decisivo. Depois da mais negra página escrita sobre tão bela história centenária leonina, Varandas abdica de tudo, dá a cara, enfrenta os ainda tubarões no poder e afirma-se como candidato. Teve o meu apoio e a minha solidariedade, como penso que a ganhou de muitos Sócios. Dia após dia foi ganhando apoiantes, uns mais fortes outros somente para numero populista. A sua lista é uma receita plena de ingredientes que não têm por hábito viver juntos. Um autêntico saco de gatos ao exemplo do que foram as listas apresentadas por Godinho Lopes nas suas últimas candidaturas. Varandas, vem perdendo fulgor e apoiantes, e com o surgir da candidatura de José Maria Ricciardi, Varandas tem que trabalhar muito mais para continuar a alimentar a esperança de ser o próximo Presidente do Sporting Clube de Portugal.

José Maria Ricciardi é a surpresa. Depois de ameaçar e de estar presente nos últimos anos de gestão, eis que assume a dianteira do pelotão. Está decidido a vestir a amarela e ser ele o timoneiro. Na minha opinião ter na sua equipa José Eduardo é um massivo tiro no pé. O Futebol evoluiu, José Eduardo é um demagogo que durante anos tem vindo a trabalhar a sua imagem, com graves incongruências e até lesando o Sporting como foi o triste episódio Marco Silva e a sua defesa cega e até incompreensível a Bruno de Carvalho. Os restantes nomes apresentados nesta candidatura só me merecem respeito, gente com mérito e provas dadas na sociedade civil e no universo profissional. E sim, o Sporting precisa de uma gestão capaz e de gente com poder, mas falta gente que tenha o essencial conhecimento da realidade desportiva, e sinceramente, esta lista ainda não apresentou essas pessoas. Que bem era que tudo fosse um mar de rosas, que todos se bem relacionassem e que o know-how financeiro de Ricciardi se relacionasse com o grande Know-how desportivo de Benedito, Pedro Miguel Moura e Ricardo Andorinho.

Benedito apresenta-se com uma lista de gente do Desporto, com muito passado no Sporting.  Benedito dispensa apresentações pelo seu passado no Clube, Pedro Miguel Moura é dos atletas mais vencedores de sempre do Sporting e com um trabalho extraordinário na Federação de Ténis de Mesa e Ricardo Andorinho é também ele um ícone do Sporting, um Homem com sapiência me gestão desportiva. Mas falta a finança, é o ponto fraco desta candidatura. As opiniões sobre esta candidatura na generalidade apontam esta fraqueza. Gente boa, gente séria, gente que respira Sporting mas gente que não se lhes conhece a capacidade de gerir um Clube e uma SAD com milhares de funcionários e desafios financeiros diários, onde cada vez é mais complicado chegar a patamares mais altos sem os devidos “empurrões” e conhecimentos. Como já o referi acima, esta sim, seria a melhor solução para o Sporting, alguém com as qualidades para lidar e gerir a finança como José Maria Ricciardi aliado à capacidade emocional e gestão desportiva destes três grandes símbolos do nosso Sporting.

Posto isto, não consigo ao dia de hoje fazer um prognóstico. Se Varandas teve e ainda goza da vantagem do pioneiro, é também verdade que todos os dias perde apoios. Até dia 8 de setembro tem que trabalhar muito mais e melhor para passar uma mensagem que não esteja plena de lugares comuns e sem alcance mediático. Ricciardi continuará com a sua máquina de propaganda, muito bem montada, a alimentar a opinião. Veja-se que comentadores têm estado nas televisões, os que estão neste momento e vamos aguardar pelos que vão chegar. É assim que, de forma inteligente, se manipula muita decisão. Em todos os Canais temos gente que critica a bem criticar as candidaturas, que as aponta como fracas, que diz por outras palavras e em contextos diferentes exatamente o conteúdo da comunicação de José Maria Ricciardi: O Sporting não está para aventureiros. É preciso gente com experiência e com capacidade de gestão. Não basta querer é necessário saber. Deixo para as últimas linhas a candidatura de Benedito, que tão mal tem tratado da sua comunicação. Excesso de foco na imagem do Candidato que já pouco ou nenhum assunto tem para oferecer, falta dar força a Pedro Miguel e Ricardo Andorinho, todos sairão a ganhar com esta estratégia. E claro, falta alguma agressividade positiva, um discurso mais claro e menos encenado, perder o medo e agarrar com unhas e dentes esta oportunidade que têm, pois é possível vencer estas eleições.

Em suma, não posso negar que a candidatura de Frederico Varandas me desiludiu, uma injustiça, pois não é Varandas o ponto fraco mais sim quem o acompanha. Ricciardi está para vencer e tudo irá fazer para vencer, e sabemos que o poder ganha poder. Benedito tem que acordar para a vida, estas eleições não podem ser geridas “by the book”, o tempo é nulo, as eleições são “amanhã”, e o tempo que se perde em ações menores são votos que não se conquistam.

O Sporting merece melhor. Tenham coragem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:24

Quem vota seus males espanta

por Lizardo, em 02.07.18

vote-w-your-brain.jpg

 

 

 

Votar é mais que um direito, um dever, é a maior arma que os Sócios têm. É a voz secreta que decide e tem criado e também destruído o Sporting nestes últimos 112 anos.

É evidente que nem sempre optámos pelas melhores soluções. É esta a magia da escolha, mas por mais enganos e arrependimentos que todos tenhamos, uma coisa é certa, a grande maioria dos Associados votou sempre em consciência e com a certeza que escolhiam o melhor para o Clube.

Os últimos anos foram um autêntico pesadelo. Aguardemos pelos próximos tempos e o que se augura é a revelação de uma SAD caótica e falida, onde muitas verbas foram já adiantadas hipotecando o futuro próximo da nossa saúde e boa gestão desportiva.

Os tempos não são de facto de grandes expectativas de sucessos imediatos. Mas não é também impossível que depois destas enormes tempestades chegue a bonança e a celebração maior, ser campeão no futebol.

Para isso vamos todos no próximo dia oito de setembro escolher entre vários candidatos o futuro imediato no nosso Sporting.

Até ao momento e seguindo a comunicação social, teremos várias candidaturas:

Frederico Varandas já se apresentou.
João Benedito disse que iria apresentar.
Fernando Tavares Pereira é candidato.
Paulo Lopo diz que avança.
Dias Ferreira ameaça com nova candidatura.
Pedro Madeira Rodrigues irá voltar à carga.
Os jornais falam em Figo e Tomás Froes

Feitas as contas, temos seis candidaturas que tudo têm feito nos últimos tempos para ganhar terreno e se afirmar, e depois temos a hipotética hipótese de Figo e Froes que mais parece uma vontade de alguns Associados e não uma vontade dos citados candidatos a candidatos.

Posto isto, e sendo o Sporting um Clube que se considera democrático, não me preocupa o número de candidaturas. Preocupa-me sim o problema de se criar um ruído de tal forma sujo que desvie as atenções do essencial. Os projetos!

O Sporting chegou a um ponto fulcral. Mais que escolher uma personalidade, é necessário escolher uma equipa. Um projeto que seja diferenciador, que não viva nos clichés habituais onde “aposta na formação”, “compra de jogadores só para lugares essenciais”, “continuar eclético”, “manter a maioria da SAD”. Meus caros, isso é conversa simples e para isso não era necessário votar. É preciso é romper com a normalidade. Exige-se visão.

Frederico Varandas foi o primeiro a avançar. Na minha opinião mal. Muito mal. A sua equipa não aqueceu nem arrefeceu os Associados. E o que não empolgou, facto, foi o erro de apresentar já uma Comissão de Honra onde podemos encontrar nomes como Eduardo Barroso, Sampaio ou Paulo Abreu, e a seu tempo, José Maria Ricciardi. Os Sócios que votaram massivamente na passada AG de dia 23 de Junho votaram também no afastamento destas personalidades. O seu tempo passou. Não ajudaram. Falharam.

De Frederico Varandas exige-se rápido um projeto para que consiga recuperar algum do eleitorado que perdeu nestes dias.

Como é lógico, os que ainda estão com o suspenso Presidente não irão votar Varandas. E aqui entra na equação Benedito.

Benedito terá muito do eleitorado do destituído Presidente. Uma lista de campeões com grandes vitórias nas modalidades, terá com toda a certeza também um campeão na gestão do futebol. Que se apresentem e que revelem o seu projeto. Na minha opinião são a candidatura que, HOJE, mais hipóteses tem de vencer as eleições depois dos erros de Frederico Varandas.

Dias Ferreira ameaça a candidatura, e parece-me lógico que entra para jogar. Da mesma forma que o fez da última vez, penalizando Godinho Lopes. Agora penalizará todas as restantes candidaturas favorecendo a de Frederico Varandas. Mais do mesmo.

Pedro Madeira Rodrigues, goste-se ou não, teve a coragem de praticamente sozinho ter dado o peito às balas na fase de maior hipnotismo da gestão passada. A derrota não era só evidente como era claro como a água que iria sujar a sua imagem pessoal. Pedro Madeira foi a jogo, foi humilhado nas urnas, humilhado na rua, humilhado nas redes sociais. Agora, se procura um bom resultado tem que perceber que o Sporting precisa de união, que não vive de aventureirismos e que, acima de tudo, tem que trabalhar a sua imagem pessoal. Mostrar ao eleitorado leonino o que é como pessoa, os seus méritos profissionais, os seus apoios. E claro, evitar cair na enorme asneira de trazer algumas das pessoas que o acompanharam na sua ultima jornada, como ficou bem claro, a grupeta de Severino e outros Associados que declaradamente gostam muito do Clube mas que não acrescentam nem valorizam o que se pretende do Clube para o Futuro.

De Fernando Pereira e Paulo Lopo pouco sei. E acho que os Associados também não vão querer saber muito mais do que sabem agora. Nitidamente candidaturas para ganhar expressão mediática. O pensar no Eu em detrimento do Nós e do que realmente interessa que é o Sporting Clube e a sua SAD.

Por último a hipótese Figo e Froes. Se avançarem serão sérios candidatos. É verdade que Figo tem muitos anticorpos, mas não deixa de ser verdade que também tem muitos que o veneram e lhe reconhecem educação e capacidade de gestão. Em relação a Tomás Froes, é um exemplo de uma geração vencedora, com empresas de topo e com sucessos nos mais diversos espaços por onde passou. Mas, e há sempre um mas, não chegam os nomes, se avançarem, se conseguirem apresentar um projeto diferenciador, terão todas as hipóteses.


Em conclusão, estas eleições têm que:

Unir os associados. Deixar claro que o passado recente foi o maior erro da História do Sporting, e claro, saber discutir o Clube. Apresentar ideias, partilhar, ouvir. O tempo é curto, dia 8 é amanhã, e é agora, agora que o Clube precisa de ajuda, agora que o Sporting está de rastos que os verdadeiros se apresentam e dizem presente.

Quem continua eternamente na sombra, quem procura o momento ideal, ficará nesse estado ad aeternum, pois esse momento não existe nem coloca o Sporting em primeiro lugar.

O meu apelo é simples, respeito, tolerância, compreensão e elevação. Eis o Sporting em eleição!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:21

Governance

por Trinco, em 27.06.18

Governance.png

 

 

Governance, termo inglês sem tradução suficientemente precisa para português, quando aplicado a uma organização, é o quadro estruturante de pressupostos, regras e práticas pelos quais os seus quadros de direcção se obrigam a reger, assegurando responsabilização, coerência, imparcialidade, justeza e transparência nas relações com todas as partes interessadas. Sejam elas investidores, parceiros, colaboradores ou comunidade.

 

Um plano de Governance serve para estabelecer práticas, pressupostos e políticas bem como formas de monitorização continua da sua implementação pelos membros da organização, incluindo mecanismos de equilíbrio de poderes dos seus membros, com a respectiva responsabilização e definição do seu papel dentro da organização e na sua valorização, com o objectivo de aumentar a sua a viabilidade.

 

Um plano de Governance é assim um contrato implícito e explicito entre a organização e os diferentes intervenientes na vida da mesma, para distribuição de responsabilidades, direitos, deveres e recompensas, onde se definem procedimentos de reconciliação de conflitos de acordo com as suas obrigações, privilégios e papéis e pressupostos de supervisão, controle e fluxo de informação que sirvam de sistema-guia de funcionamento, aferição e valoração da organização.

 

Mais que um programa, importa que os candidatos futuros tenham (e apresentem, mesmo que sumariamente) um plano ou modelo de Governance que evite o desnorte vivido nos últimos anos em que ninguém era responsável (ou responsabilizado), em que não haviam mecanismos reais de verificação da implementação das linhas programáticas, onde o parecer bastava e sobrepunha-se ao ser e onde tudo girava apoiado no pivot das vontades, muitas vezes derivadas da necessidade estratégicas pessoais, de apenas um.

 

P.S. Conscientemente abstive-me de comentar ou elaborar sobre os terríveis dias vividos, por entender que já existia ebulição a mais. Estive sempre certo das minhas convicções formais e subjectivas, como estive do que se ia passar (resultado do escrutínio à parte, como é óbvio). O passado recente, seguramente atormentar-nos-á durante bastante tempo, mas, não recusando voltar a ele caso veja necessidade, prefiro focar-me no futuro próximo.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:16

5ABD3120-0612-45E0-9D3B-79F40ED84D86.jpeg

 

 

E pronto, estamos nos episódios finais de um drama sempre aqui anunciado, com a penosa agravante do prognóstico se ter revelado menor em dimensão da real tragédia que vivemos realmente há vários meses.

 

Bruno de Carvalho é de facto um charlatão. Afinal de contas, como bem nos canta as iniciais do seu nome, BdC, lemos facilmente “Banha da Cobra”. 

 

E tem sido isso que tem feito desde 2011 e de forma efectiva desde 2013. Bruno é “camelo”, um “merdas”, “parasita”, “vigarista”, “criminoso” entre outros adjetivos que se vão ouvindo e lendo, alto e bem redigidos pelas televisões, jornais, manifestações e redes sociais.

 

Como é óbvio, e típico do bom charlatão, BdC, apresenta-se calmo, confiante, igual ao BdC que sempre conhecemos, invencível, dono da verdade, capaz de percorrer o mundo pelo Clube, o tal que trabalha 24 horas. 

 

A realidade todos a conhecemos, vitórias nem no campo nem nos tribunais, e o trabalhar 24 horas obriga a um consumo de muita cafeína ou umas coca colas como bebeu o saudoso Sanches do Boavista.

 

Posto isto, o drama, o ódio e a frustração estão instalados entre Sócios e Adeptos.

 

Bruno, BdC, mexeu com as emoções de todos. E agora, que nem namorada que nos chifra, cria aquele ódio que pode levar às maiores loucuras. 

 

Sempre se matou por amor, sempre se matará por ódio. 

 

Quem o amou loucamente ao ponto de ameaçar e até perseguir quem contestava Bruno, agora chora, agora grita, é a raiva que se instalou, é a frustração de ter acreditado numa criatura que brincou com todos, que nem o parceiro ou parceira que nos engana no namoro, desde o primeiro dia. 

 

Meus amigos, que chorem, que gritem, que lavem a alma, mas que lavem profundamente e sem deixar resíduos dos coliformes fecais que ainda estão instalados no Clube e que nos levam às lágrimas todos os dias dadas as sucessivas vergonhas e faltas de respeito.

 

Como escreveu Vassili Rozanov, um grande escritor e filósofo russo “Das grandes traições iniciam-se grandes renovações”, e é o que todos esperamos o mais rapidamente possível.

 

Este romance entre Sócios e Bruno está a chegar ao fim. Já não há amor, há ódio, raiva, a evidente mentira revelou-se e o Clube, o nosso Sporting sofre e fica mais pobre a cada minuto que passa.

 

Sportinguistas uni-vos, não em torno de candidatos a candidatos, não em torno de messias ou outros charlatões que certamente irão surgir.

 

Sportinguistas uni-vos em torno do que realmente interessa agora, limpar o Sporting desta gente, para sempre, e preparar o presente e o futuro que realmente todos merecemos. 

 

O Sporting é nosso! Sem dúvida. É preciso é ter coragem e dar a cara! 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:17


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Sobre

Sobre o Sporting, com verdade, exigência e espírito critico. Sem reverencias nem paciência para seitas!






Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D