Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O Dono da Bola

por Lizardo, em 25.05.18

it-s-my-party-and-i-ll-cry-if-i-want-to.jpg

Quando eramos mais novos, brincávamos na rua com amigos, nesses tempos, onze contra onze e só existia uma bola. O dono da bola tinha vantagem, jogava na posição que queria e muitas eram as vezes que estava livre da baliza, posição tão desprestigiada na infância, pois ali, golos só os que se sofrem. E as miúdas gostam é de quem os marca.

O dono da bola era também quem escolhia a equipa, do outro lado, por vezes, ou o mais velho lá da rua ou o melhor jogador. Mas o dono da redondinha era o primeiro a escolher.

Quando o jogo começava havia logo uma tentativa de ganhar o jogo sozinho. Afinal a bola era dele, e era ele o verdadeiro responsável pela existência de tal jogo.

Mas o futebol, seja no universo profissional ou no plano amador ou lúdico tem a eterna magia de não ser certo. Os favoritos nem sempre ganham.

E era nesse momento que o dono da bola começava o jogo mais duro. Ele podia, pois era também o árbitro do jogo.

 

Quando tudo começava a falhar e não existindo mais alternativas para camuflar o insucesso, rezava várias vezes ao São Pedro para chover ou rematava a bola para as janelas e os carros estacionados, na esperança que os vizinhos se indignassem ou chegasse a polícia, a raiva ia crescendo, a cegueira aumentando e a audição desaparecia.

Chegava a hora de agarrar a bola e ir sozinho para casa, frustrado, com tanto poder e acabar ali, sozinho, a chorar a olhar para o paposeco com tulicreme de marca branca e o leite morno que a mãe obriga religiosamente todos os dias às 16:30h.

O dono da bola é estupido.
O dono da bola é burro.
O dono da bola, que podia agregar, dividia e ficava sozinho.
O dono da bola era o “cromo da bola”.
O dono da bola será para sempre o “anormal”.

Com o tempo, muda-se a bola e passa-se para o computador, as consolas, os livros e os discos, o carro para as boleias até chegar à chefia no trabalho.

Tudo se repete, sem bola, mas eternamente estupido.

O Dono da Bola não verga. O Dono da Bola insiste no seu fracasso.
O dono da bola é a mais fina definição de burro no gíria. Com todo o respeito pelo animal, tão útil no desenvolvimento agropecuário.

E assim, em resumo, o dono da bola continua a ser um ente superior na sua própria e particular realidade. O melhor militar sem nunca ter sido soldado. O melhor jogador sem nunca ter jogado. O melhor amante sem nunca ter amado.

O dono da bola é um faz de conta, que conta muita coisa mas que no fim de contas, não conta para nada!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:12



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Sobre

Sobre o Sporting, com verdade, exigência e espírito critico. Sem reverencias nem paciência para seitas!






Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D