Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O histerismo

por O 6º Violino, em 31.01.19

untitled.png

Os últimos dias do futebol português têm sido caracterizados por várias demonstrações de histerismo, colectivos e individuais.

Comecemos pelas meias-finais da Taça da Liga:

Foram histéricos o Abel, o Salvador e o Vieira. Abel e Salvador porque demonstraram aquilo que realmente são, capachos do Benfica. Vieira,o histérico-mor, porque conseguiu atacar e afastar um árbitro que defendeu nos famosos mails. Todos os pormenores que resultaram no histerismo destas três personagens já são sobejamente conhecidas e fartamente discutidas.

Na final da dita competição surgiram mais dois histéricos. O histérico Diamantino, elemento da equipa técnica do Porto e Sérgio Conceição, histérico e mentiroso.

Conceição e a sua equipa não foram cuspidos. O Porto quando subiu à tribuna para receber as medalhas, foi aplaudido pela maioria dos Sportinguistas naquela bancada, já os seus adeptos estavam nos carros e autocarros para regressarem à invicta. Depois de receberem as medalhas, jogadores e restante staff portista ficaram  no relvado junto ao seu banco de suplentes. Uma boca aqui e outra ali, foram o suficiente para Conceição enviar a sua medalha para a bancada e ordenar a retirada dos seus jogadores. Nada mais do que isto. Pura azia por ter perdido uma competição que "ninguém queria" e que foi vencida pelo "patinho feio" dos finalistas. É lidar.

A este tipo de histerismo, o meu desprezo a partir de agora.

Vamos ao mais importante histerismo, o leonino. Importante porque o prejudicado é sempre o mesmo, o Sporting.

O adepto histérico é aquele que no sábado abriu uma garrafa de espumante e depois do jogo em Setúbal "bateu" em tudo, nos jogadores, no Presidente, no mau tempo, no árbitro (aqui compreendo a histeria), na falta de profissionalismo,etc....

O histérico ainda não viu as limitações do plantel, do seu desequilibro e da pouca qualidade futebolística de muitos dos jogadores.

O histérico é aquele adepto que não tem a noção daquilo que esta equipa não pode dar. Ainda não viu que a equipa está presa por arames.

O histérico é aquele que está a esfregar as mãos pelos maus resultados para poder atacar uma direcção eleita democraticamente nas eleições mais concorridas de sempre. Histérico e nada Sportinguista.

O histérico assobia um grupo de jogadores que tem mostrado compromisso e luta, mesmo não tendo a qualidade necessária.

Apesar de tudo, a equipa tem sido muito melhor que o histérico.

Mudando de agulha, uma nota para Frederico Varandas: não caia no erro histérico de fazer do nosso rival o alvo dos seus discursos. Isso não resultou com o deposto, não voltará a resultar. Isso é bom apenas para agradar a uma franja de putos "tuiteiros", que maioritariamente não vai aos estádios nem as Assembleias Gerais. Foque-se no Sporting e já terá com que se entreter. Não precisa de resvalar para o populismo, se não for pedir muito.

SL

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 16:14

Está tudo errado

por Lizardo, em 31.01.19

f61abc8aaf778ab43033b970ed51-are-people-getting-mo


O Futebol português não se reinventa. Vive uma estabilidade dolorosa, não evolui, não se reinventa, não se enquadra nem se oferece ao respeito, e por consequência não transmite os valores que o desporto deve transmitir a todos os estratos e gerações de quem o vive de forma apaixonada.

Tudo está errado. Esta jornada tivemos três clássicos do nosso futebol. Seis equipas com longas e eternas histórias, que muito já ofereceram ao futebol português. O que assistimos? A um Benfica x Boavista a uma terça-feira chuvoso e de noite fria, a um Vitória x Sporting e a um Porto x Belenenses numa quarta e fria noite. Os estádios às moscas, clima adverso, final do sempre comprido mês de janeiro e horários escolhidos completamente patéticos.

A juntar a tudo isto a promoção do jogo, da beleza que deveríamos debater, o lance, o drible, a finta e o golo, o passe e a tática, mal finalizam os jogos a Sporttv coloca-nos dentro de uma carrinha a avaliar as arbitragens e os lances polémicos. Para todos os outros portugueses, os que não podem ou não querem assumir a despesa do Pay Per View, sobra-lhes os ignorantes e até ignóbeis comentadores, que com as suas cartilhas vomitam e destilam ódios, cavam trincheiras e não promovem o desporto e o fenómeno futebol. Não precisamos ir muito longe para perceber que tudo isto é errado, basta olhar para o resto da europa.

A todos estes erros juntam-se os erros de comunicação, neste caso concreto, do Sporting. Muito me tinha agradado o silêncio assumido até à data. Finalmente no Sporting não temos um Presidente de uma Assembleia Geral, um Vice ou outro qualquer Dirigente com espaço mediático para se auto-promover e debitar asneiras e mais asneiras. Frederico Varandas, o Presidente, falou quando tinha que falar e quando falou, falou sempre bem, de forma educada e sempre na defesa dos reais interesses do Sporting Clube de Portugal. Errou, opinião pessoal, com este editorial de hoje, onde aponta vários e conhecidos comportamentos do rival Benfica. Mau timing, péssima leitura de oportunidade e acima de tudo, o que mais me frustra, a galopante cagança, ou ego, se preferirem, de ganhar peito para atacar depois de vencer uma competição menor em Braga contra o FC Porto. Varandas perdeu uma oportunidade de estar calado. O tempo tem-nos ensinado que atacar o Benfica é uma péssima estratégia. Bem sabemos que há toda uma franja de tontinhos que rejubila com este comportamento, mas na verdade dos factos, as causas não provocam nunca o efeito desejado.

Posto isto, com tantos erros, tão evidentes, temos que juntar a vergonha que é a arbitragem atualmente. Uma classe sem prestígio nem qualidade, completamente fraturada e numa guerrilha para a manutenção de avenças, prémios e ordenados, onde vale tudo e tudo vale porque a impunidade é a lei que impera no caos que é a arbitragem em Portugal.

Por fim, uma palavra para os Adeptos, também nós caímos constantemente no erro. Vamos do céu ao inferno em poucas horas, não compreendemos decisões que se tomam na gestão do plantel por parte dos Treinadores, não percebemos compras e vendas, não temos matéria para avaliar decisões algumas. E na ausência de substância, instala-se a emoção, e com a emoção chegam os aplausos e os assobios, os lenços brancos e os pedidos de eleições. Assim temos vivido nas últimas décadas.

Está tudo mal e pior que estar tudo mal é sabermos à priori que tudo assim vai continuar. O futebol português não pode continuar a viver desta forma. Sem estratégia, sem valores, sem gente com mérito e sem transparência e comunicação essencial para que todos possam opinar com razão de causa e menos emoção. Pois a emoção vive na bancada, no golo, nas vitórias, nas derrotas e nos episódios que engradecem as nossas instituições como a ajuda do nosso Presidente a um adepto.

O Futebol precisa de educação. E essa educação só se instala com gente educada. Assim, como está, com estes párias sociais, caciques e outros gestores de poderes, o futebol caminha para deixar de ser um fenómeno com a expressão que ainda tem. Pois as novas gerações, muitos, desprezam já este imundo mundo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:36

Tempo...

por O 6º Violino, em 17.01.19

tempo_.jpg

Passaram quatro meses desde o acto eleitoral de Setembro, em que algumas coisas já foram feitas e muitas mais estarão por fazer, como é natural.

O escasso tempo que passou já deu para perceber pelo menos da diferença comunicacional em comparação com o passado nos anteriores cinco anos. Já se percebeu que o Sporting já não é capa dos jornais pelos motivos mais ridículos e pela sobreposição do "eu" ao "nós".

O Sporting terá um longo e penoso caminho a percorrer para se livrar das amarras de uma gestão penosa em que o Clube sofreu profundas alterações no seu ADN. Ainda existe uma franja de poucos miúdos com acne que mais não fazem do que barulho, mas um barulho de baixo nivel, em que colocam o Clube sob gozo. Mais cedo do que tarde vão desaparecer em troca de uma novidade qualquer. 

No que toca a assuntos sérios e que alguns tardam em ser clarificados, temos:

Quando estará pronta a Auditoria Forense, e quando serão informados os sócios do resultado da mesma?

Em que pé estão os processos disciplinares a membros do anterior Conselho Directivo, nos quais foram propostas expulsões dos vários elementos?

Os actuais Órgãos Sociais já tiveram o tempo suficiente para perceber que "união" não pode ser contemplar este tipo de letargia, não pode contemplar esta gente que constantemente mina o Clube, porque muitos dos seus mais acérrimos defensores ainda estão dentro das quatro paredes do Clube. Não podem continuar a ter esqueletos nos armários. O passado recente, de tão traumatizante que foi, tem de ser rapidamente arrumado. Sem contemplações nem falsas uniões. O Sporting precisa de paz para vencer o presente e o futuro, o mais rapidamente possivel.

Não pode haver receio de quem venceu as eleições mais participadas da história. 

O Sporting tem de reerguer-se o mais depressa possível, mesmo que interesses particulares de alguns elementos derrotados nas últimas eleições, também, fiquem em causa, por muito bom nome que tenham.

Nota final: A Direcção já devia ter vindo a público esclarecer os sócios sobre o pagamento (ou não) de uma tranche relativa à transferência de Marcos Acuña. 

Falem a verdade aos sócios!

SL

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 16:52


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Sobre

Sobre o Sporting, com verdade, exigência e espírito critico. Sem reverencias nem paciência para seitas!






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D