Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


dont-be-a-coward-quote-1-picture-quote-1.jpg

 

 

Hoje joga-se o mais interessante e sempre mais desejado jogo da história do futebol português. Juntar Benfica e Sporting no mesmo relvado é mais que unir dois rivais que durante uma centena de anos combateram por vitórias e por jogadores, é assumir que ambos os Clubes representam muito do que é o perfil do cidadão português. Hoje joga-se à mesa de casa, nos balcões de cafés e mesas de restaurantes, nas empresas, nos transportes públicos. Um Sporting x Benfica é o expoente máximo e o mais apetecido encontro de todos.

A noite já foi tremida, o nervo já se sente, as conversas entre vizinhos começaram logo muito cedo e por todo lado o tema é o jogo. E felizmente, e ainda bem, uma grande maioria continua a discutir o desaparecimento do Jonas nos jogos grandes ou os calamitosos erros do Coates nestes encontros. E assim, de forma saudável, o adepto comum, aquele que alimenta este negócio, que paga ordenados a presidentes, que permite que existam jornalistas desportivos e que se tenha evoluído a profissão de “cronista” para “paineleiro” nas televisões, continua a querer falar de fintas e remates, de posicionamento e de qualidade de jogo. O adepto quer e continua a sonhar com um golo à Eusébio ou com uma entrada à Balacov.

 

Infelizmente os últimos tempos não têm sido saudáveis para o nosso futebol. Ambos os grandes de Lisboa foram conquistados por bandos de incompetentes e gente mal formada, e pior que tudo isto, com vontades e missões ocultas que em nada valorizam ou defendem os princípios e valores do desporto.

Bruno Azevedo de Carvalho, o principal incendiário de todo este clima atual, um herói no Facebook, no seu canal de televisão ou rodeado pelos seus peixes comensais, tinha hoje uma grande oportunidade de impor a sua força e revelar a sua fibra. No banco, na central, num camarote ou na tribuna vip da Luz deveria marcar presença. Como é sabido e conhecido por todos, cobarde uma vez, cobarde toda a vida, e lá vai o Azevedo em alegre passeata a tirar selfies com os miúdos até ao Colombo. Vale e Azevedo teve o mesmo comportamento, exatamente pelas mesmas razões. Ladram ladram, mas morder está quieto.

Que hoje seja um grande jogo. Que o árbitro Hugo Miguel deixe somente o nome na ficha de jogo e não tenho interferência no resultado, e claro, que o rapazolas que ninguém percebe como chegou a árbitro de primeira categoria, tenha também uma noite santa no VAR.

Em resumo, um bom ano de 2018 a todos os nossos leitores, e que hoje se afirme a nossa força e que sejam mais três pontos para o tão desejado título de campeão nacional.

 

 



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:39

Bruno tem razão

por Lizardo, em 13.12.17

IMG_0572.jpg

 

 

Bruno Carvalho tem razão na luta contra os fundos e as comissões. Perde a razão quando só pratica negócios com fundos e paga principescas comissões.

Bruno Carvalho tem razão quando afirma que o Sporting é dos Sócios e não da Banca. Perde a razão quando inunda o Clube e a SAD com elementos ligados à Banca, como José Maria Ricciardi.

Bruno Carvalho tem razão quando afirma que o Benfica controla o sistema. Perde a razão quando se alia aos pioneiros e criadores do Sistema, o FCPorto e procura também ter o poder do sistema.

Bruno Carvalho tem razão quando afirma que há que expurgar e expulsar determinados Sócios do Sporting. Perde a razão quando se rodeia de apoios e de gente que usa e abusa dos mesmos comportamentos.

Bruno Carvalho tem razão quando chama “porcos imundos” a quem tenta ameaçar a sua família. Perde a razão quando está constantemente a chamar a sua família para as revistas cor de rosa e para a praça pública.

Bruno Carvalho tem razão quando apresenta relatórios e contas com valores positivos. Perde a razão quando se demonstra que o passivo aumenta e que já adiantou mais de 30 milhões dos contratos de direitos televisivos.

Bruno Carvalho tem razão quando afirma que não devemos ter medo. Perde a razão quando se acobarda e se recusa a afirmar a sua presença nas reuniões da Liga enviando um simplório dirigente com a responsabilidade dos Núcleos.

Bruno Carvalho tem razão de forma sistemática. Raramente tem dúvidas e nunca se engana.

Bruno Carvalho tem tantas virtudes que faz lembrar um mítico “classificado” das páginas do jornal.

Bruno Carvalho tem razão em tudo o que escreve, em tudo o que diz, até quando diz que “Deus não é Deus”.

Bruno Carvalho não comete pecados. Bruno Carvalho é garante da fé. Uma fé que dura há muitos anos, e que continuará a evangelizar quem pouco pensa e quem quer continuar a acreditar na aparência, no superficial, e se recusa a aprofundar e descobrir a realidade.

Processos, tribunais, e-mails, ameaças, difamações, injúrias, vergonhas. O Futebol está-se a consumir no seu interior.

Nunca o futebol português viveu tempos tão negros. E se começa a ser claro que o Benfica domina na sombra e na claridade, não deixa de ser evidente que existe uma guerra Porto vs Sporting para recuperar e controlar esse domínio.

Com tudo isto, não há foco no jogador, não há foco na beleza do jogo, não há espetáculo na bancada. Se cada vez somos menos nos campos e nos estádios, a continuar assim, o futebol português em cinco anos passará a ter um nível equivalente ao do Chipre.

E a culpa será dos de sempre, dos Sócios e dos Adeptos, a tal “falta de militância”.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:06

Quem permite?

por Lizardo, em 20.11.17

Untitled-1.jpg

 


Sejamos rápidos e pragmáticos. É evidente que este Presidente foi empurrado e apoiado, e que continua a ter importantes apoios de gente com poder na sociedade.

Quem o apoia? Quem o defende? A quem interessa este caos que se está a revelar cada vez mais ruinoso no Sporting?

Se avaliarmos a última comissão de honra, das últimas eleições,  o que rapidamente percebemos é o manter de muito “ilustre” que quer continuar a ter uns bilhetes e a ser convidado para comer e beber no camarote.

Por outro lado, há por ali quem tenha outros interesses.

Ora vamos recuar às primeiras aparições de Bruno Carvalho. Os seus principais apoiantes eram Daniel Sampaio, recentemente mandatário da sua candidatura, aos olhos da população uma pessoa inteligente, um Homem sem podres na sua história de vida e irmão de um antigo e muito elogiado Presidente da República, Jorge Sampaio. Dizem que é Maçom.

O outro rosto foi Eduardo Barroso, antes de entregar tanto mediatismo a esta causa, era uma pessoa respeitada. Um médico de renome. Hoje, com toda a certeza, já percebeu que perdeu muito da sua reputação. Quer pelo lado mais saloio da defesa de Bruno Carvalho, quer pelas explosões e textos ridículos que ia tendo nas TV´s e escrevendo nos jornais.

A estes dois, com o tempo, surgem os Homens do dinheiro, Álvaro Sobrinho, José Maria Ricciardi, António Mosquito, entre outros, mas estes, os mais mediáticos e mais comentados na praça publica.


Em cinco anos aconteceu muita coisa, a Maçonaria entrou numa guerra interna, Alvaro Sobrinho teve vários problemas com a Justiça, José Maria Ricciardi viu o BES falir e António Mosquito continua a não ter muito sucesso como empresário, apesar de ter um peso muito importante na comunicação social em Portugal.

O que aqui lanço para apreciação é do conhecimento de todos os que seguem o Sporting diariamente.

Passaram cinco anos, temos mais passivo, continuamos a não comemorar títulos e é evidente que estamos a perder terreno e qualidade onde eramos reis e senhores, nos nossos jogadores da formação e em Alcochete.

A quem interessa este desacreditar e este clima que está a matar a notoriedade do Sporting mas também do futebol português?

A quem interessa manter esta personagem no comando do Sporting, um “Rapazote Deslumbrado” que não tem princípios nem compreende a grandeza e a responsabilidade do cargo que está a ocupar?

Está-se a preparar uma enorme tempestade? Será que depois deste caos irá surgir mais um salvador, mais um “Projeto Roquette”?

Os nomes que defendem e estão a defender esta personagem estão bem identificados.

Não há dúvida que se aguarda na sombra pelo momento certo, o click que vai soltar a guilhotina, o grito que vai soltar os lobos que vão comer o “Rapaz Deslumbrado”.

Da Maçonaria à Finança, das industrias Farmacêuticas à Construção Civil, da Comunicação Social às Conservas… Enfim, tudo se ligará no futuro. Ou não!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:26

E novidades?

por Lizardo, em 17.11.17

Carregueira.jpg

 

 

Há várias semanas que me tenho recusado a escrever neste espaço.

E a recusa é simples de explicar, não há novidade, o Sporting deste Presidente continua na mesma, e tudo em seu redor, com dois dedos de testa e com o mínimo de educação escreve sobre os episódios diários em redor da criatura de Carvalho.

Todos escrevem o mesmo e todos fundamentam o mesmo: o fim deste Presidente está próximo, pobre Sporting o atual e muito triste e fraco ficará depois da saída de toda esta corja que se apoderou do nosso centenário Clube.

 

Mas se não há novidade o que me fez voltar hoje a este espaço? Exatamente a falta de novidade.

 

5 anos de mandato, milhões e milhões em jogadores, uma Taça de Portugal e uma Supertaça, heranças de uma época com Marco Silva.

O passado recente da gestão e liderança de Carvalho é um processo em copy paste: Ora compra muito, caro e quase sempre mal, e ganha sempre “bola”.

 

Posto isto, e avaliando a época atual, parece lógico para a maioria dos Sócios e Adeptos, que temos melhor onze que na época passada, mas temos muito pior plantel. O abuso e excesso de lesões musculares, a falta de alternativas evidentes para certas e determinadas posições, e o mais grave, a falta de qualidade na Equipa B para alimentar e suprir este problema é já sintomático do que poderá estar para acontecer muito em breve.

 

Não será difícil prognosticar, basta olhar para o que foram os últimos quatro anos. Estamos a chegar a dezembro, longe do primeiro lugar, e vamos novamente comprar e tentar reforçar a equipa com jogadores que, ou têm origem fora da europa e precisam de tempo de adaptação, ou vamos atacar jogadores com históricos clínicos assustadores que chegam, jogam, lesionam-se e ficam na marquesa até ao fim da época.

 

Esperamos todos que este ano não seja necessário vender um “Montero” a meio da época. Curiosidades do futebol de Carvalho.

 

O futebol português nunca esteve tão podre como agora. Bruno, Vieira e Pinto da Costa representam a antítese dos valores do desporto. Não são referencias culturais, não transportam pedagogia, são parasitas alapados no mediatismo e no lodaçal financeiro que o futebol oferece e protege.

 

Em resumo, avaliando bem este texto a ausência de novidade é a novidade, quase diária de Bruno Carvalho.

 

Um hipnotizador de massas, que mente, que joga baixo, que passa os limites da educação, que não olha a meios para atingir determinados fins. Gente desta não interessa. Gente desta afasta famílias do desporto, afasta os mais novos do fenómeno desportivo e da sua saudável prática.

 

Os valores, os princípios do desporto que começaram a ser estudados ainda na Grécia Antiga estão guardados, mas revoltados. O fim está próximo. E essa será a grande novidade! Todos dias uma novidade, uma fuga, mais um suposto crime para a PJ investigar.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:50

O Discurso do Bruno

por Lizardo, em 26.06.17

 

 

O filme “Feios, Porcos e Maus” de Ettore Scola é uma obra prima. A vida em tempo real, um quadro pintado com sapiência que explica que tudo na vida tem uma relação de causa-efeito.



Os reles, porcos e nojentos, uma obra insonsa de Bruno de Carvalho é também um quadro da vida real do desporto nacional. E que nos explica que tudo tem também uma consequência, e que todos os atos resultam em factos que nos podem custar muito caro no futuro.



O discurso do Bruno foi mais um episódio deplorável. Não quero acreditar no que disse nem quero acreditar que exista quem tenha a baixeza de criar uma trama para tramar o Presidente envolvendo a sua família e amigos mais próximos. O conteúdo do “word” revelado é demasiado grave.



O Sporting não se pode nem se deve confundir com estes episódios. Se o Presidente se sente atacado deve ter a capacidade e o poder de se defender nos locais próprios, afastando este lixo do Clube, tentando ao máximo não envolver o nome Sporting em episódios deploráveis e discussões de sargeta.

 

Mas Bruno não consegue, Bruno é o ator principal de Feios, Porcos e Maus. Uma personagem que procura a vida fácil, que se entrega aos prazeres da vida, que despreza e não entende que tudo está ligado e que tudo pode trazer consequências para a sua vida, para a vida dos que o rodeiam e acima de tudo, para o Sporting.


Bruno continua a não entender que não pode ofender Sócios, mesmo que o mereçam. Não se trata somente de ter uma imprescindível posição institucional, mas também de compreender que a gestão de comunicação, atualmente, não se resume ao nosso Bairro, à nossa Cidade ou País, hoje, tudo ganha uma projeção mundial em segundos. E Bruno não compreende que utilizar termos como: “Nojentos”, “Reles” e “Porcos” rapidamente se transforma numa generalização a todos os Sportinguistas. É o lado perverso da rapidez da comunicação.


Por tudo isto, o que se passou na passada Assembleia Geral foi grave. Merece ser investigado e não pode passar impune. Não podemos aceitar que se ataque um Presidente desta maneira, mesmo que não concordemos com a sua gestão, nem podemos concordar com este teatro que envolve o nome do Sporting, levando o nosso bom nome para níveis que não se relacionam com a nossa história centenária.



É tempo de pensar muito bem se é isto que queremos para o Sporting. A próxima época começa hoje, as incógnitas são muitas, só peço que a espinha dorsal se mantenha, que continuemos a ser um Clube que valoriza os seus formandos e que aposta nos jogadores portugueses, os que foram campeões da europa e os que num futuro muito próximo muitas alegrias nos podem dar.

 

Peço também que o Sporting saiba gerir da melhor forma a mentira e a batota, por todos sabida e conhecida, que envolve o Benfica. Temos que saber lutar de forma sapiente, estes sim são reles, nojentos e porcos, com todo o respeito que me merecem alguns rivais, os nossos, os Sócios, por mais líricos que sejam e por mais que se sirvam do Clube em vez de o servir, continuarão sempre a ser do Sporting. E este Sporting atual está cheio de lambuças. Cheio.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:23

O Pavilhão do Bruno

por Lizardo, em 22.06.17

Ontem foi a primeira inauguração do Pavilhão, num conjunto de três cerimónias já agendadas. A felicidade de todos os Sócios e Adeptos com a construção de tão nobre e fundamental obra é evidente. O Sporting não podia continuar a viver sem a sua casa para as modalidades. Era totalmente contranatura continuar as romarias para Loures ou Odivelas, Casal Vistoso ou Rio Maior, entre outros Pavilhões espalhados pela região.



Ontem, como bem disse Margarida Rocha, fechou-se o ciclo das grandes obras de modernização do Sporting do século XXI. Um Estádio, uma Academia e agora a casa que imortaliza o já imortal Presidente João Rocha.



O dia de ontem tinha tudo para ser histórico. Um dia desejado por tantos, um dia que deveria ser aberto a todos os Sócios e Adeptos, com um programa pensado para os que há mais de 10 anos fazem quilómetros para ver as modalidades fora de Alvalade. Mas não, uma vez mais, o foco foi o Presidente Bruno de Carvalho.



Para lá do erro da data e da hora, uma quarta-feira, em simultâneo com o jogo da Seleção Nacional e a poucas horas de um importante jogo do Futsal, revela que estratégia e visão, são termos e processos que escasseiam.


Depois o palco e o tempo oferecido a Bruno. Bruno discursou na rua, Bruno leu e releu a sua frase na Estátua do Leão vezes sem conta, Bruno entrou no Pavilhão como uma estrela de rock, Bruno foi o Presidente, Bruno foi o Anfitrião, Bruno foi a imagem de todos os atletas do passado, do presente e do futuro. Bruno foi o foco, o tempo de antena, a voz, Bruno foi o rei das selfies e dos abraços. Sempre com os mesmos, com as mesmas caras, com os mesmos que até já têm palco em programas da Sporting Tv ou que têm um “emprego” no Sporting.

 

Não posso deixar de sublinhar a mentira de Bruno sobre o nome do Pavilhão. Não, não foi o Bruno que sugeriu o nome João Rocha. Não!!. Foi aprovado e deliberado a 30 de Setembro de 2012, numa Assembleia Geral no Multiusos de Alvalade, apresentado pela Direção em funções à data. Felizmente foi rapidamente desmentido pela filha de João Rocha.

 

Mas a mentira não acabou aqui. As palavras oferecidas ao falecido Sócio Vitor Araújo são de um aproveitamento sem sentido. “Amigo”, “Muitos jogos ao seu lado”, “com o meu pai e meus irmão, juntos, vimos muitos jogos”. Quem marcou e marca presença nos Pavilhões sabe que tudo isto é treta. Pura treta. Bruno há dez anos, nem as quotas tinha em dia, quanto mais dedicar-se a assistir a jogos das modalidades. Mas vale tudo!


Bruno tem um evidente complexo de inferioridade. Precisa de palco, precisa de espaço mediático, precisa ser notícia, pois só Ele sabe a dimensão da mentira que nos conta há muitos anos. Precisa de palco pois não temos títulos, não temos saúde financeira, somos cada vez mais irrelevantes no panorama desportivo.



Estes quatro anos têm sido uma mentira constante.



Ontem os Sócios ficaram de fora, os Adeptos não foram convocados, o Pavilhão não estava cheio, foi uma festa para amigos e alinhados, longe dos tempos onde o Sporting era para todos.



O que se assistiu ontem foi um deplorável espetáculo. Salva-se a obra, obrigado a todos os que desde os primeiros momentos lutaram e reuniram com a autarquia lisboeta, a todos os que criaram as fundações e as bases necessárias da obra. Bruno tem o mérito de ter continuado e ter dado vida ao Pavilhão. Sobre isso não há dúvida, mas ficaria muito bem não esquecer que há muitos anos, várias direções já trabalharam e muito para que este sonho fosse possível. A esses nem uma palavra.


Este Sporting que não reconhece o seu passado e que só se valoriza com o seu presente, mesmo sem nada ganhar, mesmo vendo abalar os seus principais ativos, sejam eles funcionários ou atletas, não pode ter grande futuro.

 


Salva-se quem entende e vive realmente os valores do Sporting

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:03

1f9.jpg

 

 

Ontem foi tornada publica uma gravação de uma conversa entre Bruno de Carvalho e um conjunto de jornalistas. Durante três horas o sumo que se retira é uma enorme pipa de banalidades, de ataques, de autoelogios e acima de tudo, de um nível tão raso que não compreende a grandeza do cargo e da Instituição que representa.

 

O que se ouve durante três horas de conversa de balcão, numa qualquer taverna de uma localidade à beira-mar, é assustador e sintomático do carácter (ou falta dele) da pessoa que dirige o Sporting atual.

Chama a Ele a responsabilidade das melhores contratações, nega perentoriamente as que falharam e chuta responsabilidades para outros, apelida os Sócios de “estúpidos” e a cereja no topo do bolo é o desprezo com que encara a Gala, que ele criou, e como tal, se considera dono e senhor da mesma. Nada de novo, sempre confundiu as competências do cargo que ocupa com a forma de gerir um pequeno negócio numa qualquer garagem em Telheiras. Este estilo pato-bravo levou a muitas falências, esperemos para ver o impacto que terá no futuro do nosso Sporting, o lucro aventado hoje, ao contrário do que se festeja, revela que continuamos no mesmo registo que este Presidente combateu, vivemos de lucros de vendas, na sua maioria jogadores formados internamente, projeto esse abandonado de forma clara com a entrada de Jorge Jesus, e pelos vistos, com toda a conivência do Presidente, que acha “estúpidos” todos os que pensam que se ganham títulos com os jogadores de Alcochete. Tem toda a razão, não se ganha só com estes, mas pelos vistos não temos ganho com nenhuns, e o que Alcochete nos tem oferecido nos últimos anos é encaixe financeiro, a relembrar só alguns nomes: Ronaldo, Quaresma, Viana, Nani, João Mário, Cédric, Illori, Bruma, entre tantos outros.

 

Mas como em tudo na vida existem os danos colaterais deste estilo e desta boçalidade. Assistir a “ilustres” que defendem este Presidente, só me leva a pensar que estamos perante um ato de desespero, há fome em Portugal. Pina, Dolbeth, Saraiva, entre outros, na defesa cega deste Presidente não compreendem que se estão a reduzir a um estado de falência intelectual tão grande e tão grave, que no dia que todo este fraco edifício azevediano cair, todos irão seguir o mesmo destino. E quem sabe, e assim espero, para sempre longe e afastados do Sporting. Não o servem, servem-se, e gente desta estirpe faz tanta falta como a fome.

 

Em conclusão, que pouco há a escrever sobre este tema, deixo somente para pensamento o hipotético cenário de uma hecatombe cada vez mais próxima e cada vez mais evidente. Os rivais estão a arrumar a sua casa, nós estamos em clima de guerra declarada, internamente e no panorama externo, contra tudo e contra todos. Vamos ter que vender, vamos voltar a comprar por atacado e em mercados que oferecem jogadores de qualidade duvidosa, e claro, vamos para mais um ano zero onde vamos superar novamente o nosso recorde orçamental.


Admito que muitos Sócios defendam esta direção. São praticamente os mesmos que defenderam Godinho Lopes até à exaustão. É assim, é muito fácil apoiar o poder. É preciso coragem, dignidade, frontalidade e uma espinha dorsal bem definida e hirta para criticar. O futebol é feito cada vez mais de gente sem pinga de valor. E cada vez mais feito de gente que abusa da pinga!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:55

Metalidade

por Lizardo, em 22.05.17

565f8a5eb6fcb4bb6bc6f359a3e291b1.jpg

 

 

 

O Sporting sempre se afirmou como um “Clube diferente”. Para o bem e para o mal, durante muitos anos, e em especial no pesadelo que foi a gestão de Sousa Cintra, este chavão era várias vezes utilizado para capitalizar a forma como se superava desaires. Uma estratégia que tentava revelar que mesmo nos momentos mais complicados, derrota após derrota, lá estavam os quarenta e tal mil habituais no velhinho Alvalade.



Com o tempo essa identidade foi também várias vezes aproveitada, sempre com o intuito de chamar e passar a mão “plo pelo” de Sócios e Adeptos.


Atualmente já não somos diferentes, somos assumidamente retrógrados e completamente desfasados da realidade do que é um Clube Empresa e como funcionam os índices de motivação e valorização de jogadores.


Ontem durante o jogo, com vários recados, uns encomendados, outros que foram uma surpresa para alguns, surgiu uma mensagem para Ruben Semedo. Um jogador com vários anos de Sporting, campeão em vários escalões da nossa formação, internacional, um jogador que deveria ser motivado e acima de tudo, valorizado. Afinal, tem sido este o nosso mealheiro nos últimos anos, as vendas dos jogadores que formamos.



Ontem tudo se fez em sentido contrário. Desmotivamos um jogador que tem qualidade, que é da casa, e mais grave ainda, desvalorizamos um jogador que tem mercado.

 

Não lembra a ninguém com capacidade de gestão e com uma missão única de servir o Sporting ter um comportamento assim.


Nenhum jogador merece este tipo de comportamento, seja o Shickabala ou o Bojinov, o Pongolle ou o Messi da Escócia.

 

Este tipo de mentalidade que se enraizou é altamente lesiva para o Sporting. Ninguém ganha com este tipo de atitudes e comportamentos. Perde o Sporting que desvaloriza jogadores, perde o plantel que encontra no seu balneário focos de desmotivação e descontentamento difíceis de gerir. A Flash Interview de Adrien foi também sintomática do estado de espirito de um plantel que está fraturado e completamente à deriva. Um foco de frustrações e de promessas que nunca se cumprem.


Posto isto, acabou a época da pior forma. Tudo falhou à exceção de Bas Dost. Falharam redondamente todas as contratações, ontem somente jogaram Beto e o Holandês goleador. Revelador de todo o fracasso da época que agora acabou.



As três contratações já realizadas não auguram nada de bom nem de novidade para a época que se está já a preparar.


Vamos ter um verão quente, e depois do espetáculo deplorável que uma grande maioria censurou ontem nas bancadas de alvalade, a divisão entre associados ganha cada vez mais expressão.


Em suma, quatro anos de marasmo, de regressão em relação aos rivais, onde numa das piores épocas do Futebol Clube do Porto, não os conseguimos superar e agora vamos ter que rezar a todos os santinhos que não nos calhe em sorte nenhuma equipa da Albânia ou um Légia no Playoff da Champions.


O tempo tem sido mestre!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:53

O estrume e o escaravelho.

por Lizardo, em 21.04.17

725119.jpg

 

 

Estamos a poucas horas de começar o jogo maior de todos os jogos em Portugal. Um Sporting vs Benfica é o maior e mais apetecido encontro do nosso campeonato, independentemente da classificação e dos objetivos que estejam ainda em luta entre estes dois monstros do nosso futebol nacional.

 

Os últimos tempos não têm sido favoráveis no que toca à saúde do fenómeno desportivo em Portugal. Os dirigentes e os comentadores desportivos, que nos últimos tempos se auto-intitularam estrelas maiores do futebol, minam e envergonham quem defende os valores do desporto.



Os últimos temas são disso exemplo, de e-mails a pedidos de bilhetes, a cânticos brejeiros até à ruína intelectual de Dolbeth, Braz, Pina e Guerra, entre tantos outros, não consigo desenhar na minha opinião, pior cenário e tão raso e boçal estado de coisas como a atualidade.



A esta gente deve-se oferecer o devido desprezo. Vivem frustrações profissionais, procuram os “quinhentinhos” que lhes metem comida na mesa e espaço mediático para continuarem a lograr ambicionar um lugar ao sol quando se pavoneiam pelas ruas do nosso país. São uns tristes, pobres desgraçados, uma vergonha diária que se dissemina pelos telejornais e pelas redes sociais.



Mas estes pobres lambe prepúcios não são mais que o eco de quem os alimenta. Os Clubes e as suas equipas de comunicação são a ração desta raça que vai impondo e evangelizando uma opinião.



Não podemos andar a defender a verdade desportiva e a fazer dessa causa uma grande bandeira, quando no silêncio da noite e no recato de um jantar, se juntam todos à mesa a receber os briefings e os temas que devem e como devem ser comentados. Todos o fazem, se assim não fosse, que necessidade teriam os Clubes em pagar a Diretores de Comunicação e a cada vez maiores equipas desta disciplina?



Em suma, não é portanto surpresa que o futebol português esteja a definhar e a viver uma das mais miserabilistas épocas da sua história. Numa época em que fomos Campeões da Europa, aposta-se cada vez menos no jogador português, a formação é cada vez mais um embuste para boi marrar e lançar areia para os olhos, e claro, os órgão de comunicação social não vendem, pois não há notícias, não há novidade, há sim estratégias e agendas concertadas e bem afinadas que sustentam e proporcionam que estas casas não fechem portas e desapareçam das bancas.



Sábado é importante esquecer tudo isto, é importante olhar para o relvado e ver os nossos Campeões da Europa jogar e honrar a nossa camisola, assistir à capacidade goleadora de Bas Dost, ver um adversário ao nosso nível e uma arbitragem das melhores. E depois de tudo isto, que ganhe o Sporting. Assim, com tanto equilíbrio, dignidade, caráter, verdade, é assim que se saboreiam as grandes vitórias, onde os atletas e o publico devem ser os principais intervenientes.

Depois do jogo veremos se assim poderá ter sido ou como será. Mas adivinha-se mais do mesmo, discursos inflamados, ataques, o “eu qualquer dia digo”, e claro, o baixo nível a que estamos já habituados e que é já definição de “português” por este mundo fora.

Cada vez mais afastado deste futebol. E cada vez mais gente se irá afastar. Os culpados estão à vista de todos. Continuar a alimentar esta espécie e continuar a alimentar um vírus que está a consumir o nosso grande amor, o Sporting e o Futebol Português. 

Todo este clima é a "porcaria" que muito escaravelho junta para se alimentar. Queremos continuar a alimentar esta porcaria?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:59

Se vai mudar? Tenho as minhas dúvidas!.

por Lizardo, em 05.04.17

AAEAAQAAAAAAAAVjAAAAJDVmMTEyODU2LTJjYTYtNDkyYy05NG

 

 

Dado os resultados das últimas eleições, achei por bem e por respeito democrático não dar voz a este espaço até hoje. O plateia leonina demonstrou nas ultimas eleições uma força e uma vitalidade que não é de todo novidade, sempre assim foi, e sempre assim será. Somos grandes, somos um Clube que sempre se conseguiu impor e afirmar grandeza nos momentos mais complicados.

 

Os Sócios decidiram oferecer a Azevedo de Carvalho mais quatro anos. Um novo mandato, um voto de confiança, na minha leitura, na luta contra os poderes instalados e para tentar mudar a realidade do futebol nacional.



Entre muitos amigos que votaram na Lista A, muitos não se revêm na imagem do Presidente, consideravam Pedro Madeira um “curioso” e esperam que, com a experiência do cargo do atual, existisse mudanças.



Recentemente num encontro de grandes leões, na sua maioria votantes de Azevedo de Carvalho, o descontentamento já está de novo presente.


Ou seja, este voto de confiança não foi usado para ganhar força e outros caminhos de ação e atuação, mas sim para afirmar de forma cada vez mais envergonhada uma estratégia de comunicação e de ruído no universo do futebol.



Estes sete processos levantados contra o Benfica são de um lirismo completo. Como foi a entrevista de Bruno Azevedo de Carvalho à TVI. Estrategicamente pensada, sai para a opinião publica o nome Sporting numa fase onde somente Porto e Benfica lutam por títulos, tentando demonstrar uma falsa vitalidade do nosso Clube.

 

Estes primeiros tempos do segundo mandato não revelam qualquer mudança de paradigma. Os erros dos últimos anos que nos tornaram altamente despesitas, com orçamentos faraónicos e sem títulos, parece ser o caminho a seguir. E claro, a comunicação, que de dia para dia bate recordes de estupidez, reduzindo um Clube centenário a discussões com figuras mediáticas das revistas cor-de-rosa.

 

É realmente triste continuar a constatar a evidência, é triste assistir a um aumentar da ferida, é demasiado doloroso assistir ao debate Sporting e ao debate Futebol Português com os nossos comentadores nos mais diversos órgãos de comunicação social de Portugal.

A próxima época será decisiva. Não só para Bruno como para Jorge Jesus. Agora é tempo de lua de mel, tudo está bem, num cenário de guerra de completa destruição, onde vamos vencer zero títulos no futebol, e outros tantos nas modalidades ditas amadoras, onde somente temos esperança e muita no Futsal.

 

De Futsal, com o regresso de Cardinal e do grande Diva cada vez mais certo, a próxima época indica que será um novo “all in” em todas as modalidades. No Andebol espera-se a confirmação de um novo Treinador e no Hóquei, bem, aqui, é lutar com todas as forças para que a modalidade não perca cada vez mais representação no espectro europeu, tão pobre e com tão poucos adeptos como agora.

 

Que acabe rápido esta época, tão pobre, tão vazia, tão desprestigiante em tantos campos, conferências de imprensa, comentários, processos, eliminações precoces e perseguições. Que este novo elenco diretivo, e com o regresso de tantos ilustres ao Conselho Leonino, algo mude, e que mude no sentido de ter um novo posicionamento, um tom diferente, uma estratégia a longo prazo e a capacidade de resolver o presente.


Se vai mudar? Tenho as minhas dúvidas!.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:02


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Sobre

Sobre o Sporting, com verdade, exigência e espírito critico. Sem reverencias nem paciência para seitas!






Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D