Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O Discurso do Bruno

por Lizardo, em 26.06.17

 

 

O filme “Feios, Porcos e Maus” de Ettore Scola é uma obra prima. A vida em tempo real, um quadro pintado com sapiência que explica que tudo na vida tem uma relação de causa-efeito.



Os reles, porcos e nojentos, uma obra insonsa de Bruno de Carvalho é também um quadro da vida real do desporto nacional. E que nos explica que tudo tem também uma consequência, e que todos os atos resultam em factos que nos podem custar muito caro no futuro.



O discurso do Bruno foi mais um episódio deplorável. Não quero acreditar no que disse nem quero acreditar que exista quem tenha a baixeza de criar uma trama para tramar o Presidente envolvendo a sua família e amigos mais próximos. O conteúdo do “word” revelado é demasiado grave.



O Sporting não se pode nem se deve confundir com estes episódios. Se o Presidente se sente atacado deve ter a capacidade e o poder de se defender nos locais próprios, afastando este lixo do Clube, tentando ao máximo não envolver o nome Sporting em episódios deploráveis e discussões de sargeta.

 

Mas Bruno não consegue, Bruno é o ator principal de Feios, Porcos e Maus. Uma personagem que procura a vida fácil, que se entrega aos prazeres da vida, que despreza e não entende que tudo está ligado e que tudo pode trazer consequências para a sua vida, para a vida dos que o rodeiam e acima de tudo, para o Sporting.


Bruno continua a não entender que não pode ofender Sócios, mesmo que o mereçam. Não se trata somente de ter uma imprescindível posição institucional, mas também de compreender que a gestão de comunicação, atualmente, não se resume ao nosso Bairro, à nossa Cidade ou País, hoje, tudo ganha uma projeção mundial em segundos. E Bruno não compreende que utilizar termos como: “Nojentos”, “Reles” e “Porcos” rapidamente se transforma numa generalização a todos os Sportinguistas. É o lado perverso da rapidez da comunicação.


Por tudo isto, o que se passou na passada Assembleia Geral foi grave. Merece ser investigado e não pode passar impune. Não podemos aceitar que se ataque um Presidente desta maneira, mesmo que não concordemos com a sua gestão, nem podemos concordar com este teatro que envolve o nome do Sporting, levando o nosso bom nome para níveis que não se relacionam com a nossa história centenária.



É tempo de pensar muito bem se é isto que queremos para o Sporting. A próxima época começa hoje, as incógnitas são muitas, só peço que a espinha dorsal se mantenha, que continuemos a ser um Clube que valoriza os seus formandos e que aposta nos jogadores portugueses, os que foram campeões da europa e os que num futuro muito próximo muitas alegrias nos podem dar.

 

Peço também que o Sporting saiba gerir da melhor forma a mentira e a batota, por todos sabida e conhecida, que envolve o Benfica. Temos que saber lutar de forma sapiente, estes sim são reles, nojentos e porcos, com todo o respeito que me merecem alguns rivais, os nossos, os Sócios, por mais líricos que sejam e por mais que se sirvam do Clube em vez de o servir, continuarão sempre a ser do Sporting. E este Sporting atual está cheio de lambuças. Cheio.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:23

O Pavilhão do Bruno

por Lizardo, em 22.06.17

Ontem foi a primeira inauguração do Pavilhão, num conjunto de três cerimónias já agendadas. A felicidade de todos os Sócios e Adeptos com a construção de tão nobre e fundamental obra é evidente. O Sporting não podia continuar a viver sem a sua casa para as modalidades. Era totalmente contranatura continuar as romarias para Loures ou Odivelas, Casal Vistoso ou Rio Maior, entre outros Pavilhões espalhados pela região.



Ontem, como bem disse Margarida Rocha, fechou-se o ciclo das grandes obras de modernização do Sporting do século XXI. Um Estádio, uma Academia e agora a casa que imortaliza o já imortal Presidente João Rocha.



O dia de ontem tinha tudo para ser histórico. Um dia desejado por tantos, um dia que deveria ser aberto a todos os Sócios e Adeptos, com um programa pensado para os que há mais de 10 anos fazem quilómetros para ver as modalidades fora de Alvalade. Mas não, uma vez mais, o foco foi o Presidente Bruno de Carvalho.



Para lá do erro da data e da hora, uma quarta-feira, em simultâneo com o jogo da Seleção Nacional e a poucas horas de um importante jogo do Futsal, revela que estratégia e visão, são termos e processos que escasseiam.


Depois o palco e o tempo oferecido a Bruno. Bruno discursou na rua, Bruno leu e releu a sua frase na Estátua do Leão vezes sem conta, Bruno entrou no Pavilhão como uma estrela de rock, Bruno foi o Presidente, Bruno foi o Anfitrião, Bruno foi a imagem de todos os atletas do passado, do presente e do futuro. Bruno foi o foco, o tempo de antena, a voz, Bruno foi o rei das selfies e dos abraços. Sempre com os mesmos, com as mesmas caras, com os mesmos que até já têm palco em programas da Sporting Tv ou que têm um “emprego” no Sporting.

 

Não posso deixar de sublinhar a mentira de Bruno sobre o nome do Pavilhão. Não, não foi o Bruno que sugeriu o nome João Rocha. Não!!. Foi aprovado e deliberado a 30 de Setembro de 2012, numa Assembleia Geral no Multiusos de Alvalade, apresentado pela Direção em funções à data. Felizmente foi rapidamente desmentido pela filha de João Rocha.

 

Mas a mentira não acabou aqui. As palavras oferecidas ao falecido Sócio Vitor Araújo são de um aproveitamento sem sentido. “Amigo”, “Muitos jogos ao seu lado”, “com o meu pai e meus irmão, juntos, vimos muitos jogos”. Quem marcou e marca presença nos Pavilhões sabe que tudo isto é treta. Pura treta. Bruno há dez anos, nem as quotas tinha em dia, quanto mais dedicar-se a assistir a jogos das modalidades. Mas vale tudo!


Bruno tem um evidente complexo de inferioridade. Precisa de palco, precisa de espaço mediático, precisa ser notícia, pois só Ele sabe a dimensão da mentira que nos conta há muitos anos. Precisa de palco pois não temos títulos, não temos saúde financeira, somos cada vez mais irrelevantes no panorama desportivo.



Estes quatro anos têm sido uma mentira constante.



Ontem os Sócios ficaram de fora, os Adeptos não foram convocados, o Pavilhão não estava cheio, foi uma festa para amigos e alinhados, longe dos tempos onde o Sporting era para todos.



O que se assistiu ontem foi um deplorável espetáculo. Salva-se a obra, obrigado a todos os que desde os primeiros momentos lutaram e reuniram com a autarquia lisboeta, a todos os que criaram as fundações e as bases necessárias da obra. Bruno tem o mérito de ter continuado e ter dado vida ao Pavilhão. Sobre isso não há dúvida, mas ficaria muito bem não esquecer que há muitos anos, várias direções já trabalharam e muito para que este sonho fosse possível. A esses nem uma palavra.


Este Sporting que não reconhece o seu passado e que só se valoriza com o seu presente, mesmo sem nada ganhar, mesmo vendo abalar os seus principais ativos, sejam eles funcionários ou atletas, não pode ter grande futuro.

 


Salva-se quem entende e vive realmente os valores do Sporting

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:03

Em jeito de novela gráfica e sem grandes comentários.

 

Sobre a responsabilidade no Futebol

 

Imagem 004.pngPrograma de candidatura de Azevedo de Carvalho em 2013

 

Imagem 005.png

Programa de candidatura de Azevedo de Carvalho em 2017

 

Sobre a campanha "carrega no JJ"

 

Imagem 012.pngBlog avençado a 24/02/2017

 

Sobre Futsal

Imagem 008.pngwikiSporting

Sobre o Nuno Dias

Imagem 007.png

wikiSporting

 

Sobre o Pavilhão

Imagem 010.pngAnexo presente na carta da FICOPE a 7/05/2015

Imagem 011.png

 

Noticia no Record a 14/08/2016

Imagem 009.png

 

 

Noticia no Record a 22/02/2017

18199508_1829103994076072_820105536085759003_n.jpg

 

Foto a circular nas redes sociais de 06/05/2017

Sobre o Pavilhão e Gala (cujos convites já foram enviados e alguns recebidos com o Coliseu dos Recreios como local)

Imagem 013.png

Noticia no Record a 16/01/2017

 

Sobre a data Gala que celebra o aniversário do Clube (cujos convites já foram enviados e alguns recebidos com data do evento para 30 de Junho)

Imagem 006.png

Estatutos do Sporting Clube de Portugal

Sobre o casamento de Azevedo de Carvalho

Imagem 015.png
Noticia na TvMais a 21/03/2017

 

Enquanto isso...

600.13409395.jpg

Troféu de vencedor da Liga

Há um clube, objecto principal do foco do Clube que vai receber o 4º troféu em outros tantos anos, coincidentes com ainda outros tantos anos de presidência de Azevedo de Carvalho

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:19

O Pavilhão...Carlos Lopes

por Trinco, em 18.02.17

img_770x433$2016_09_29_19_56_23_1163363.jpgFoto: João Miguel Rodrigues/Record

 

 

A 11 de Março de 2013, a menos de 15 dias da data das eleições, é anunciada que a A Fundação de Solidariedade Social Aragão Pinto, presidida por Azevedo de Carvalho, iria reabilitar e explorar o Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa, com resultado de um concurso público internacional de concessão. Nessa altura, essa vitória foi usada como, mais que promessa, trunfo eleitoral, sendo usada à náusea pela máquina de propaganda essa relação potencial com o Clube, por mais que os pressupostos do concurso fossem outros.

 

A 14 de Março de 2013, a autarquia decide adiar a decisão relativa à concessão da exploração por dúvidas levantadas por um conjunto de vereadores, relativamente à capacidade financeira da fundação atrás referida. Esta noticia foi desvalorizada como sendo a CML a evitar tomar partidos nas eleições de um Clube, continuando a máquina a cavalgar na ideia do Pavilhão ser utilizado pelo Clube.

 

A 10 de Julho de 2013, a CML votava a exclusão da proposta apresentada pela Fundação Aragão Pinto por esta ter falhado a justificação da sua capacidade financeira com a apresentação uma garantia idónea para a reabilitação do espaço, numa obra estimada em cerca de €7M.

 

A 24 de Junho de 2015, a CML constitui um direito de superfície a favor da Associação de Turismo de Lisboa por 50 anos que assim ficou encarregue de o reabilitar para eventos de cultura, artísticos e desportivos com obras de reabilitação, que custariam €8,5M, com prazo de 2 a 3 anos.

 

A 29 de Setembro de 2016 a Associação de Turismo de Lisboa prevê que as obras estejam concluídas na data de celebração dos 70 anos do atleta que dá nome ao equipamento

 

Carlos Lopes faz hoje 70 anos (muitos parabéns Campeão) e o Pavilhão Carlos Lopes é também hoje reaberto.

 

Apenas mais um exemplo do conceito peculiar de rigor e transparência! E já agora dos fins justificarem os meios. Ou até das diferenças entre o parecer e o fazer e até das pós-verdades que eram conceito não existente à época mas habilmente utilizado por Azevedo de Carvalho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:51

Champions da (indi)gestão

por Lizardo, em 31.01.17

Vitória - Gauld.png

 

 

Estamos a poucas horas do fecho do mercado e Ryan Gauld e Geraldes, nossos jogadores, que estavam emprestados ao Vitória de Setúbal e que por simples birra e capricho foram chamados à sua procedência.

 

Passaram por Chaves, mas por lá não ficaram, malvadas leis estas que existem, redigidas e aprovadas pela generalidade dos Clubes.

Hoje, a poucas horas do fecho de mercado, Gauld e Geraldes correm o sério risco de não poder desempenhar a sua profissão até ao final da época.

Como bem explica este artigo, a situação ultrapassa todos os limites do desnorte e da falta de capacidade de gestão desportiva.

Mas se sobre esse assunto já muitos se debruçaram, faço deste texto uma avaliação deste episódio em comparação com a figura que nos preside.

Só alguém que não defende nem entende o lado humano pode avançar para uma medida desta dimensão. A vida, o profissionalismo dos jogadores, as suas carreiras foram completamente encostadas num plano secundário, colocando em primazia o devaneio histérico e sem sentido de Azevedo de Carvalho.

Pobres e angustiantes horas devem passar Geraldes e Gauld. Os únicos inocentes neste processo, e muito provavelmente os que vão arcar com todas as consequências.

E todo este “filme” é a história da vida de Bruno Azevedo de Carvalho, o seu “eu” sempre em primeiro lugar, com decisões por impulso, renegando e desprezando os danos colaterais, que neste caso são muitos, não só para o Clube, para a sua imagem, para a defesa dos seus valores, e claro, para a carreira dos jogadores.

Que mensagem passa este Presidente com estas atitudes? Que vontade terá um jovem num futuro próximo de assinar por um Clube que os despreza e os avalia como números e meros exercícios contabilísticos. Exercícios esses que muito têm custado ao Sporting, seja no ponto financeiro, seja na vertente de Clube formador.  

 

Bruno Azevedo de Carvalho não tem propósito. Navega à deriva na procura de um farol que lhe vá indicando um caminho. Todos os anos, um novo ano zero, todos os dias uma nova guerra, um novo combate, e claro, derrotas e mais derrotas que são reflexo de vitórias e mais vitórias dos nossos rivais.


Pobres Gauld e Geraldes, que não querem nem merecem este ambiente. Pobre Sporting que não merece este Presidente. Pobres os adeptos, tanto os que andam enganados como os que sofrem com todas estas tramas.


Isto é o Presidente Bruno Azevedo de Carvalho. O que pede expurgas de sócios, que os apelida de ratos e híbridos, que contorna problemas e escreve longos textos na sua conta do Facebook plenos de lugares comuns e sem conteúdo algum.


O que Bruno Azevedo de Carvalho não tinha, começa agora a ter, e de forma forte e cada vez mais assumida, uma oposição dividida em várias vozes, de Severino a Mário Patrício, de Benedito a Pedro Madeira Rodrigues. A juntar a todos estes os Lesados do Carvalho, os que com ele privaram e se aperceberam estar envolvidos numa das suas maiores asneiras de vida, e claro, os Sócios, que felizmente a cada dia que passa são cada vez mais a rebelar-se contra o "novo Sporting".


Faltam poucas horas, e Gauld, o novo Messi, e Geraldes, o futuro lateral da nossa Seleção, estão sem Clube.


Eis a Champions da Gestão, seja do ponto de vista desportivo, financeiro e acima de tudo, a gestão humana e de imagem de um Clube com mais de cem anos.

Basta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:56

O Tempo foi mestre!

por Lizardo, em 19.12.16

slide_8.jpg

 

 

Comemorar um golo é um momento cultural. E leia-se cultural por tudo o que envolve.  A paixão pelo jogo, pelo jogador, pela arte de tratar a bola, pelo espírito de equipa, pela simpatia que se sente entre os abraçados.

O Golo é o expoente máximo do futebol, é a catarse de todas as emoções, que todos desejamos que acabe em alegria e nunca em tragédia.

Infelizmente, nos últimos anos temos vibrado pouco com o nosso Sporting. Muitos foram os que perderam a vontade de abraçar, de estar em família ou com amigos no nosso templo do Campo Grande.

Desde 2011, e mais afirmativamente desde 2013, Bruno Azevedo de Carvalho impôs um estilo e um tom no Sporting que não se enquadra com os valores e a forma de estar no desporto.

Ontem, mais uma derrota, a segunda consecutiva para o campeonato, em casa contra um Braga debilitado, que teve ainda o condão de transportar um Karma interessante. Abel e Wilson Eduardo, dois antigos ativos do Clube que saíram de forma pouca digna do Sporting.

Bruno Azevedo de Carvalho, o mestre da gestão que continua a colocar o passivo em valores recorde, não deu a cara, publicou no seu Facebook a vitória categórica da Natação, esquecendo uma vez mais de parabenizar todos os que no passado promoveram e permitiram que hoje se comemore vitórias com tamanha dignidade e capacidade nessa modalidade.

 

O Sporting chegou a um ponto sem retorno. Outra vez. E isso tem sido o problema deste Clube. Todos podem e devem ambicionar ser Presidentes, mas nem todos podem ser Presidentes de tão grande Clube.

É urgente alterar este paradigma, é necessário sangue novo, gente de uma nova vaga, bem formada, com passado meritório, conhecedora da realidade do Clube, com apoios nas mais diversas disciplinas da gestão e do desporto, um Homem que defenda o Clube nos locais próprios e não em folclores boçais nas televisões ou em comunicados nas redes sociais.

É urgente uma antítese do presente. Um Homem com cultura, conhecedor das realidades do mundo, bem identificado pela universo empresarial e instituições financeiras.

É urgente um Homem que tenha presente o que é o Sporting e que esteja disposto a servi-lo e não a servir-se, um Homem sem necessidade de revistas cor de rosa, onde habitam festas de aniversário, divórcios, e outros boatos infundados ou fundados em factos que em nada abonam a favor de uma identidade que é a máxima, a identidade que possa presidir um Clube centenário.

 

É tempo de entender que o Sporting está pior. Que no futebol temos o mais caro plantel de sempre, onde temos um onze deficitário de algumas posições e não há alternativas no banco para as posições chave. Bas Dost vive sozinho, William, Adrien, Ruiz, todos sem alternativa.

 

É tempo de entender que no Andebol e no Hóquei não são os orçamentos que vencem, estamos piores, curiosamente, depois de termos corrido com a prata da casa e termos contratado milionários jogadores de outras paragens. Os nossos antigos brilham nos rivais.

É tempo de entender que vencer internamente as competições em Futsal é mais que uma obrigação, é continuar o trabalho de muitos e muitos anos. E este ano já perdemos uma competição interna para o rival Benfica.

É tempo de entender que a Formação foi a nossa salvação financeira nos últimos anos, com vendas de jogadores como Hugo Viana, Custódio, Nani, Quaresma, Ronaldo, Dier, Bruma, Cédric, entre tantos outros. Atualmente, não temos valores que possam ter muita esperança em despontar na primeira equipa, quanto mais almejar dar o salto para os grandes tubarões europeus.

O Sporting de hoje é um infantário. Pleno de cérebros menores, sem muita capacidade, e o mais grave, é que muitos destes “iluminados” têm trabalho no Clube e na SAD.

 

Até Março muita água vai correr. Mas uma coisa é já uma certeza, este projeto, que nunca soubemos qual era, pois não existiram Fundos, não se cumpriu com o investimento na Formação, não se avançou para um projeto desportivo a longo prazo, falhou em toda a linha.

 

É tempo de entender que não é aos gritos, ao estilo Valentim, que o Sporting mete medo ou amedronta os rivais. E sempre soubemos que Cão que ladra não morde. E o Sporting está cheio de Chihuahuas.

 

PS: Paiva dos Santos é o primeiro nome a surgir.

 

Agora de manhã surgiu Pedro Madeira Rodrigues, Secretário-Geral da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa, um nome, que na minha opinião, muito me agrada, sangue novo, gente com mérito. Há esperança! 

O que se procura é uma alternativa, mais que um nome, uma equipa, uma antítese do panorama atual.

Queremos voltar aos abraços em Alvalade, e queremos voltar a sentir aquele Clube como nosso.

Viva o Sporting.
O tempo foi mestre!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:35

A evidência do surreal

por Lizardo, em 24.10.16

b5c26f9b444a6805027e2f8cc18fd59d.jpg

 

Mais uma jornada mais uns episódios de circo e de tristeza. Não sendo suficiente a péssima exibição, mais uma, e o péssimo resultado, mais um, com o Tondela, tivemos direito a um número de circo, bem ao exemplo e à dimensão da palhaçada que é este Sporting desde 2013.

A apresentação de Nelson Évora representa tudo o que está de errado neste “novo Sporting”.

 

Que falta faz este atleta ao Clube? Que ambições poderá ter daqui a quatro anos nos próximos Jogos Olímpicos? Estará em condições nos próximos anos de vencer alguma prova europeia? Muitas dúvidas, e mais dúvidas ainda se instalaram quando se começou a especular sobre o seu vencimento, especulações que começaram rapidamente a circular com origem em diretores e outros envolvidos no universo do Atletismo do Sporting e do Benfica.

O ambiente em Alvalade no Sábado foi um recordar de épocas não muito recentes. Muito descontentamento. Muitas famílias a abandonar o Estádio a faltar quinze minutos para o apito final, muita gente, em especial, Sócios com mais antiguidade, a colocar em causa a estratégia e gestão, ou ausência delas. Bruno de Carvalho e Jorge Jesus foram os principais visados de tudo o que começa a ser evidente vir acontecer nos próximos tempos. Rutura!

Um fim anunciado desde 2013, que só enganou os líricos e os românticos. Os menos letrados e os desconhecedores do fenómeno desportivo. O Fanático gosta deste estilo, tem argumentos para atacar, esquece que dentro de campo continua a sofrer e ter resultados piores ou iguais ao que temos vivido nas últimas décadas.


É impossível separar Jorge Jesus de Bruno de Carvalho. E o principal culpado é mesmo Bruno de Carvalho. Não posso criticar Jorge Jesus por não apostar na formação. Não posso porque é essa a sua imagem de marca. Já o sabíamos em 2015 quando chegou, por isso, quem apostou em Jorge Jesus deixou de apostar na formação e no critério que vínhamos escolhendo, e que tanto tem salvo o Sporting com vendas e encaixes financeiros que são autênticas bombas de oxigénio.

Bruno de Carvalho esgotou os ataques, primeiro foram os antigos dirigentes, caiu por terra o ataque, depois os associados, caiu por terra mais essa guerra, agora o Benfica, que curiosamente, quanto mais atacado é, mais vai vencendo dentro de campo e nas modalidades, e até o seu Professor de Educação Física supera o nosso Cérebro em encontros da UEFA e concursos para melhor treinador europeu.


Se algo de positivo pode existir deste fracasso em toda a linha que estamos a viver, é o abrir de olhos de tantos Sócios que começam a constatar o óbvio. Bruno Azevedo de Carvalho é um aventureiro sem estratégia e sem critério. Um Homem que vive para Si mesmo, que coloca a sua vida, a sua figura, os seus interesses em primeiro lugar. É um grande Sportinguista? Não tenho dúvidas que o é! Mas não chega ser um grande leão para se ser Presidente do maior Clube de Portugal e um dos maiores do Mundo.

A hora de Bruno de Carvalho está a chegar ao fim, sem nada nem ninguém para atacar, começa a não ter capacidade para continuar a criar diversões que tapem os problemas internos.

 

Sábado foi o principio de uma grande tempestade. Os Sócios começam a querer questionar o que têm evitado questionar. Queriam acreditar que agora seria diferente. Deram tempo a um jovem irreverente, que deu esperança aos Associados.

Passados três anos, temos zero títulos, muitos milhões investidos, uma formação em pé de guerra e um folclore mediático nas modalidades amadoras, que recebem como profissionais.

Que tudo comece a estabilizar já sexta-feira na Choupana, pois perder pontos nesta jornada, depois ir a Dortmund e voltar a Portugal com a hipótese de deixar o rival Benfica, Porto e Braga a depender só de si, e a mais de cinco pontos, é um estado que não faz muito sentido em Outubro!! É que nem chegamos a ver as decorações de Natal esta época.


Presidente Bruno Azevedo de Carvalho, quando deveria falar, esconde-se, quando deveria dar a cara, recolhe-se, quando deveria defender o Treinador, lança os soldadinhos nas redes sociais a espalhar o ódio e a questionar decisões, contratações e sistemas de jogo de Jorge Jesus, como se nada nem nenhum dos muitos problemas que vivemos atualmente fosse da sua responsabilidade. Exatamente o contrário. O grande e único responsável é o Bruno Azevedo de Carvalho.

Qual é a sua ideia? Acha que com a saída de Jorge Jesus, não o deixam cair?

Desengane-se, está por horas a continuidade de boa vida. E não vamos esquecer de pedir também retroativos pela sua gestão! A auditoria e o revolver destes últimos anos devem ser auditados até ao último cêntimo e decisões de gestão.

Não se brinca com o Sporting. O Sporting somos nós, quer goste ou não, vai ter que saber viver com esta oposição que não belisca mas que mói. Que vai ganhando adeptos, que vai vendo e assistindo a muita mudança de barricada.

É o preço a pagar de quem divide para reinar e nunca conseguiu ou pretendeu ter um Clube unido.

Chegou a hora, não queremos mais um Godinho Lopes, e Bruno, és pior!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:55

Canibalismo Mediático

por Lizardo, em 12.10.16

louva-a-deus - fecundação.jpg

Muito se tem comentado a comunicação dos Clubes nestes últimos dias. E muito se tem comentado, como é hábito neste país, em repetição porque a repetição faz-se valer quando o conteúdo é pobre e polémico, sem substância e sem qualquer real interesse para o fenómeno desportivo ou para as querelas diárias e saudáveis entre adeptos.

 

Os últimos dias têm revelado o que vamos afirmando há muito. Com o aproximar de eleições instala-se a ideia que vale tudo, que tudo é permitido, desde a devassa de uns até aos impropérios a outros. Quem perde é o futebol, com a agravante, que este lixo é proferido por gente, na sua maioria, que nunca praticou desporto ou foi dirigente desportivo.

A tudo isto temos que somar as pobres estratégias de comunicação. Há uma confusão evidente entre a imagem do Clube e a imagem do Presidente. Em especial, o Benfica e o Sporting estão a viver essa confusão, protegendo a figura do diretor esquecendo as modalidades e os artistas desportivos. Sobre esses, sobre os golos, sobre a magia, sobre a capacidade de virar resultados ou transportar uma equipa às costas, pouco ou nada se fala.

A criação das SAD´s abriu a porta a um conjunto de teóricos que de futebol ou outras modalidades percebem “bola”. Falam o que lhes é pedido, defendem com unhas e dentes o que não tem defesa, e os papalvos, os Sócios papam tudo com a vontade e o acreditar de uma homília papal em pleno Vaticano.

Os Clubes, focando nos três grandes, estão mais fracos, a sua formação mais fraca, a sua capacidade de jogar de igual para igual na europa mais reduzida. Meses depois de vencer um Campeonato Europeu, começamos a avaliar o futuro e a constatar que se perde demasiado tempo a defender a geração de dirigentes e a esquecer as novas gerações de jogadores. O Futuro do atleta português não está bem definido, e tivemos um grande soco no estômago já nos passados Jogos Olímpicos.

O Sporting está nitidamente a viver um processo de afirmação, fazendo lembrar aquele adolescente que até já tem uma penugem no buço mas que ainda precisa de ajuda para atar os sapatos. Quer-se afirmar, fazer-se ouvir, marcar uma posição. E faz muito bem pensar assim. Mas está a fazer tudo muito mal. Criar guerras saloias com saloios soldados só pode originar este clima. Do outro lado da barricada, a saloiice impera, e as respostas, por mais preparadas que possam aparentar, na sua substância estão também ao mesmo nível.

Quem perde com tudo isto são os adeptos, o jogo, o fenómeno desportivo, tudo isto afasta sponsors de grande dimensão, afasta gente com dois neurónios do espectro do futebol, tudo o que existe cheira a uma guerra financeira e não a uma competição desportiva.

E se nesta guerra financeira, com os três grandes falidos, com gente com pouca capacidade gestora, com mudanças sucessivas de estratégias, sem planos definidos, somente pensando no agora e na vitória do presente, o futuro do nosso futebol irá seguir o futuro deste formato de comunicação, vai ser descredibilizado, vai ser banalizado, vai ficar isolado.


Ainda é tempo de mudar, pena que para mudar é necessário humildade, capacidade intelectual e acima de tudo uma estratégia bem definida. Algo que nenhum dos três grandes aparenta ter, aprisionados a Bancos, Fundos e outros Investidores que injetam fortunas originárias de locais obscuros.

O Futebol está podre. Cheio de gente podre. Amanhã é outro dia, e se a bola não rolar, outra polémica se irá criar, sem fundamento, sem interesse, que passará em repetição em todos os canais de Tv, rádios e espaços online. O que interessa é ter tempo de antena, mesmo que do fenómeno pouco se entenda. O Futebol é hoje uma montra, não para os atletas, mas para um conjunto de parasitas que no mundo social nunca se conseguiram impor com sucesso, nem na vida pessoal nem na vida profissional. O Futebol, o desporto, pobre como nunca o vimos, hoje existe em Portugal. Com tanta gente a aplaudir e a oferecer tempo de antena a esta gente, não podemos ter muita esperança.

PS: Curioso a insistência em afirmar que este Blog tem o condão de estar ao serviço de uma oposição ou que tenha uma agenda própria. A bem da verdade, na sua grande maioria, grande parte dos “escribas” deste Blog nem se conhecem pessoalmente. Nasceu da troca de impressões em Fóruns e outros espaços online onde a temática é e era o Sporting. Continuar a insinuar o acima citado é revelador que estamos a chegar a cada vez a mais leitores. Para que conste, este blog teve nos últimos 12 meses uma média superior a 78.000 visualizações.

A todos os que continuam fieis e que com educação e elevação continuam a partilhar e a discutir connosco, que continuem, pois é a discutir que a obra nasce.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:27

Obrigação

por Trinco, em 20.09.16

Futsal-7.jpg

 

Este ano, por condicionantes várias, ainda não pude assistir a nenhum jogo ao vivo nas nossas modalidades de pavilhão mais representativas: Andebol, Futsal e Hóquei.

 

Problemas pessoais e o estranho eclipse do troféu Francisco Stromp contribuíram em larga medida para que até ao momento apenas a TV me tenha servido como ponto de referencia e avaliação das reais perspectivas das equipas.

 

Mas, se há algo que será possível afirmar facilmente, olhando para o volume de investimento que acarreta um orçamento que aumenta mais de 70% o valor de honorários, é que mais que ser um objectivo, ganhar as competições nacionais é, mesmo, uma obrigação. De facto, com €6.5M para encargos directos em honorários com as estruturas competitivas, em que se pode extrapolar que estas 3, facilmente consumirão mais de 2/3, não poderá ser de outra maneira.

 

Resta perceber se as apostas feitas, poderão aproximar-nos dessas conquistas. E do que vi acho que sim. Não da maneira que eu acho que devam ser feitas, com planeamento a médio prazo e integração real da formação, mas sim.

 

No Andebol, esta será de longe a equipa mais completa e competitiva dos últimos anos, com a saída de 11 jogadores e a entrada de 7 de valor claramente de topo, alguns até no panorama até europeu, mantendo-se no entanto aquele que considero ter sido o elo mais fraco na passada temporada que foi o treinador. Dirão que sem ele estes jogadores de topo não estariam cá, direi que se ele falha (como várias vezes já falhou) poderemos ter um problema. Esta aposta faz no entanto esmorecer o crescimento e subida de alguns valores da formação no que é conflituosa com aquele que se diz ser o paradigma do Clube. Ainda assim, considero que temos equipa para fazer uma temporada feliz. E ser feliz passa, obviamente, por ser Campeão. Na Europa, considero que temos a obrigação de nos assumirmos como principais favoritos à competição que iremos disputar.

 

No Hóquei, outra revolução com 4 saídas e 5 entradas, e até com o luxo de contratar um campeão europeu para o ceder a uma equipa espanhola. Aqui, as entradas também parecem ser de valor ainda que envelheçam ainda mais a equipa. Um treinador mais treinador e menos adepto poderá ser factor diferenciador positivo, como positivo é a formação da equipa B, que permitirá a continuidade de alguns formandos na sua transição para sénior. Assim estes encontrem lugar, pelo seu valor, na equipa A nos anos seguintes. Considero que, também aqui, teremos obrigação de ser Campeões, mesmo que anteveja maior dificuldade. Na Europa, teremos condições para fazer uma carreira positiva.

 

No Futsal, uma aposta fortíssima a uma já de si forte equipa, faz entrar 5 jogadores, 2 deles de nível mundial, para colmatar 3 saídas, mantendo a estrutura fundamental e o seu treinador, no que será, para mim, o melhor reforço nesta modalidade. Perdemos para um adversário directo, um valor emergente e dois juniores já em transição para sénior (um para já, outro que deverá ficar parado uma época), todos formados localmente e tidos como os melhores da nossa formação. A equipa no campeonato debater-se-á sempre com a impossibilidade de utilizar 3 não formados localmente por jogo, o que até poderá ser usado a favor permitindo ter equipas mais frescas e intensas. Assim haja capacidade de gerir o grupo. A obrigação aqui passa por ganhar tudo (como até já se começou), e com nota artística, sendo que na Europa concedo poderem haver condicionantes de momento que possam tornar essa conquista difícil. A presença na F4 é no entanto também uma obrigação.

 

Disto tudo resulta que, tendo em conta o orçamento, o investimento e as escolhas, temos obrigação de ganhar, sendo liminarmente descartáveis à partida as desculpas da sorte ou da arbitragem.

 

Será uma época de responsabilidades! De assumir essas responsabilidades. À responsabilidade da camisola e da história que representam, acresce a responsabilidade de terem porventura o maior orçamento de sempre no Clube. E se orçamentos não ganham jogos e títulos, são usualmente as desculpas para os perder. Este ano não poderá ser o caso.

 

Será uma aposta, para o imediato, para ganhar já, em ano de eleições e pavilhão. A sustentabilidade deste tipo de orçamento com o tipo de receitas que o Clube faz, será assunto a verificar, sendo que será inaceitável fazê-lo depender apenas e só da participação de sócios e novos sócios quando se tem um orçamento com 1000€ de resultado liquido estimado.

 

P.S. Estranhamente, mesmo com esta aposta, nem uma noticia sobre a GB Modalidades...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:12

Somos os maiores na formação...

por Trinco, em 14.07.16

SimpleImageHandler.jpg

 Muito gostamos de dizer isto. Seja no futebol, seja Futsal, seja onde for.

 

Até acabamos com uma equipa sénior de basquete feminino que servia de ancora e onde tínhamos algumas responsabilidades assumidas, no pressuposto da focalização da acção da secção da modalidade passar a ser apenas a formação, em crescendo etário até ser possível fazer equipas de seniores para competir, sendo que estas, daqui a dois ou três anos, voltarão a jogar no escalão mais baixo e num contexto competitivo mais desfavorável e porventura frustrante.

 

Exactamente o mesmo se fez do Rugby. Curiosamente, duas modalidades que vinham de antes de 2013, sendo que qualquer uma delas apresentou resultados que foram festejados por este Conselho Directivo.

 

Exactamente ao contrário fez-se no Hóquei, passando apenas os seniores para o Clube em 2014, mantendo a formação na secção autónoma, sendo que neste momento, nem se percebe ao certo quem é quem no contexto do hóquei. Agora, contratam-se 3 S17, 6 S15 e 3 S13, fala-se de uma equipa B e continuam-se a contratar jogadores "experientes" de idade avançada para os seniores. Isto não é fazer formação. É tentar comprar o sucesso imediato.

 

Idem no Ciclismo, que mais não é que uma parceria de sponsoring ou no recém criado Futebol Feminino, que de formação tem zero!

 

Já no Andebol, depois de uma época transversalmente devastadora, o que se verifica é a contratação de 7 jogadores estrangeiros, de valia inquestionável, mas que dificilmente se enquadrará num paradigma afirmado de formação. Enquanto isso, continuarão as famílias dos atletas da formação a suportar parte assinalável dos custos do seu funcionamento?

 

No Futsal, problemas regulamentares à parte, enquanto se contratam jogadores de 27, 29 e 33 anos e renovam com jogadores com mais de 30 anos, perdem-se atletas formados (já sei, a culpa é deles, os ingratos) para o rival ou dão-se a uma equipa em ascensão que já nos morde os calcanhares. O último foi Afonso Jesus, que até há pouco era considerado o mais talentoso futsalista na formação, com várias presenças este ano na equipa principal. E se calhar o próximo será o Ludgero Lopes, apenas e só o mais promissor pivot da sua geração (e arrisco, de muitas outras...)

 

A politica desportiva (?) imposta a partir de cima, obriga ao sucesso imediato. E ao sucesso europeu, numa megalomania donde se quer retirar dividendos imediatos, mas que terá consequencias a prazo. E este sucesso imediato, implica "torrar" dinheiro. Fazer aquilo que há pouco mais de dois anos acusávamos os rivais de fazer, criticando-os. E este "torrar" é substancial. São €6.5M, mais 71% que no orçamento anterior, num documento que prevê um resultado liquido de 1000€ (o do ano passado previa €1.1M) o que só por si demonstra o risco que se corre.

 

Entendo que os treinadores fiquem entusiasmados com essa possibilidade. Entendo que o Nuno Dias fique encantado com a possibilidade de ser Campeão Europeu, ou que Zupo (que exemplo de meritocracia...) também o fique com a possibilidade de ganhar a Challange e limpar, finalmente, as competições nacionais. Como entendo que eles considerem que dificilmente isso possa acontecer num contexto da presença da formação nas suas equipas. Já não entendo que quem tem obrigação de ver e planear a médio prazo e zelar pela sustentabilidade das modalidades o aceite de bom grado. E afirmo já: Eventuais falhanços desportivos serão muito perto de inaceitáveis e ainda mais difíceis de explicar...nem com factores externos como a acção dos árbitros ou outros.

 

Não critico, ainda assim, o incremento orçamental. Critico fortemente a maneira como se gasta este dinheiro e o risco que este desperdício (sim, mantendo-se esta linha é isto que eu considero que se está a fazer) poderá acarretar nos orçamentos sequentes e no futuro sustentado (palavra que até há pouco fazia parte intrínseca da narrativa oficial e que aparentemente desapareceu) do Clube e das suas modalidades.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:30


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Sobre

Sobre o Sporting, com verdade, exigência e espírito critico. Sem reverencias nem paciência para seitas!






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D