Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O Discurso do Bruno

por Lizardo, em 26.06.17

 

 

O filme “Feios, Porcos e Maus” de Ettore Scola é uma obra prima. A vida em tempo real, um quadro pintado com sapiência que explica que tudo na vida tem uma relação de causa-efeito.



Os reles, porcos e nojentos, uma obra insonsa de Bruno de Carvalho é também um quadro da vida real do desporto nacional. E que nos explica que tudo tem também uma consequência, e que todos os atos resultam em factos que nos podem custar muito caro no futuro.



O discurso do Bruno foi mais um episódio deplorável. Não quero acreditar no que disse nem quero acreditar que exista quem tenha a baixeza de criar uma trama para tramar o Presidente envolvendo a sua família e amigos mais próximos. O conteúdo do “word” revelado é demasiado grave.



O Sporting não se pode nem se deve confundir com estes episódios. Se o Presidente se sente atacado deve ter a capacidade e o poder de se defender nos locais próprios, afastando este lixo do Clube, tentando ao máximo não envolver o nome Sporting em episódios deploráveis e discussões de sargeta.

 

Mas Bruno não consegue, Bruno é o ator principal de Feios, Porcos e Maus. Uma personagem que procura a vida fácil, que se entrega aos prazeres da vida, que despreza e não entende que tudo está ligado e que tudo pode trazer consequências para a sua vida, para a vida dos que o rodeiam e acima de tudo, para o Sporting.


Bruno continua a não entender que não pode ofender Sócios, mesmo que o mereçam. Não se trata somente de ter uma imprescindível posição institucional, mas também de compreender que a gestão de comunicação, atualmente, não se resume ao nosso Bairro, à nossa Cidade ou País, hoje, tudo ganha uma projeção mundial em segundos. E Bruno não compreende que utilizar termos como: “Nojentos”, “Reles” e “Porcos” rapidamente se transforma numa generalização a todos os Sportinguistas. É o lado perverso da rapidez da comunicação.


Por tudo isto, o que se passou na passada Assembleia Geral foi grave. Merece ser investigado e não pode passar impune. Não podemos aceitar que se ataque um Presidente desta maneira, mesmo que não concordemos com a sua gestão, nem podemos concordar com este teatro que envolve o nome do Sporting, levando o nosso bom nome para níveis que não se relacionam com a nossa história centenária.



É tempo de pensar muito bem se é isto que queremos para o Sporting. A próxima época começa hoje, as incógnitas são muitas, só peço que a espinha dorsal se mantenha, que continuemos a ser um Clube que valoriza os seus formandos e que aposta nos jogadores portugueses, os que foram campeões da europa e os que num futuro muito próximo muitas alegrias nos podem dar.

 

Peço também que o Sporting saiba gerir da melhor forma a mentira e a batota, por todos sabida e conhecida, que envolve o Benfica. Temos que saber lutar de forma sapiente, estes sim são reles, nojentos e porcos, com todo o respeito que me merecem alguns rivais, os nossos, os Sócios, por mais líricos que sejam e por mais que se sirvam do Clube em vez de o servir, continuarão sempre a ser do Sporting. E este Sporting atual está cheio de lambuças. Cheio.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:23

1f9.jpg

 

 

Ontem foi tornada publica uma gravação de uma conversa entre Bruno de Carvalho e um conjunto de jornalistas. Durante três horas o sumo que se retira é uma enorme pipa de banalidades, de ataques, de autoelogios e acima de tudo, de um nível tão raso que não compreende a grandeza do cargo e da Instituição que representa.

 

O que se ouve durante três horas de conversa de balcão, numa qualquer taverna de uma localidade à beira-mar, é assustador e sintomático do carácter (ou falta dele) da pessoa que dirige o Sporting atual.

Chama a Ele a responsabilidade das melhores contratações, nega perentoriamente as que falharam e chuta responsabilidades para outros, apelida os Sócios de “estúpidos” e a cereja no topo do bolo é o desprezo com que encara a Gala, que ele criou, e como tal, se considera dono e senhor da mesma. Nada de novo, sempre confundiu as competências do cargo que ocupa com a forma de gerir um pequeno negócio numa qualquer garagem em Telheiras. Este estilo pato-bravo levou a muitas falências, esperemos para ver o impacto que terá no futuro do nosso Sporting, o lucro aventado hoje, ao contrário do que se festeja, revela que continuamos no mesmo registo que este Presidente combateu, vivemos de lucros de vendas, na sua maioria jogadores formados internamente, projeto esse abandonado de forma clara com a entrada de Jorge Jesus, e pelos vistos, com toda a conivência do Presidente, que acha “estúpidos” todos os que pensam que se ganham títulos com os jogadores de Alcochete. Tem toda a razão, não se ganha só com estes, mas pelos vistos não temos ganho com nenhuns, e o que Alcochete nos tem oferecido nos últimos anos é encaixe financeiro, a relembrar só alguns nomes: Ronaldo, Quaresma, Viana, Nani, João Mário, Cédric, Illori, Bruma, entre tantos outros.

 

Mas como em tudo na vida existem os danos colaterais deste estilo e desta boçalidade. Assistir a “ilustres” que defendem este Presidente, só me leva a pensar que estamos perante um ato de desespero, há fome em Portugal. Pina, Dolbeth, Saraiva, entre outros, na defesa cega deste Presidente não compreendem que se estão a reduzir a um estado de falência intelectual tão grande e tão grave, que no dia que todo este fraco edifício azevediano cair, todos irão seguir o mesmo destino. E quem sabe, e assim espero, para sempre longe e afastados do Sporting. Não o servem, servem-se, e gente desta estirpe faz tanta falta como a fome.

 

Em conclusão, que pouco há a escrever sobre este tema, deixo somente para pensamento o hipotético cenário de uma hecatombe cada vez mais próxima e cada vez mais evidente. Os rivais estão a arrumar a sua casa, nós estamos em clima de guerra declarada, internamente e no panorama externo, contra tudo e contra todos. Vamos ter que vender, vamos voltar a comprar por atacado e em mercados que oferecem jogadores de qualidade duvidosa, e claro, vamos para mais um ano zero onde vamos superar novamente o nosso recorde orçamental.


Admito que muitos Sócios defendam esta direção. São praticamente os mesmos que defenderam Godinho Lopes até à exaustão. É assim, é muito fácil apoiar o poder. É preciso coragem, dignidade, frontalidade e uma espinha dorsal bem definida e hirta para criticar. O futebol é feito cada vez mais de gente sem pinga de valor. E cada vez mais feito de gente que abusa da pinga!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:55

A contestação

por Trinco, em 23.05.17

18670917_1481956181856686_2167108026141817580_n.jpg

 

Aparentemente, a critica incomoda.

 

A exigência solicitada aos primeiros dias do primeiro mandato e apenas surgida verdadeiramente aos primeiros meses do segundo era apenas retórica e demagogia, e quando as coisas aquecem, "foge-se" do facebook e "armam-se" fantoches em alter egos. O que de si já seria condenável, mas que piora quando se escolhe um funcionário pago pelo Clube para desempenhar tal papel.

 

Tal fantoche, toma as dores, escreve pela mão e torna-se a voz do dono na critica à critica, indignando-se perante a mesma, considerando o seu mestre como uma entidade superior e imaculada, acima de toda e qualquer apreciação ou julgamento.

 

Só que não é. E a história mostra exactamente o que a faixa (mandada retirar pelo Clube) afirma, na foto que acompanha o post.

 

João Rocha, depois tudo o que fez pelo Sporting e após 4 anos sem ganhar, foi severamente criticado, acabando por sair em 1986.

 

Jorge Gonçalves, vindo do nada, ganha com 62.7% as eleições de 1988, garante investimento de foguetório e é "corrido" 1 ano depois em 1989.

 

José Sousa Cintra, após 5 anos de avultados investimentos, sem conquistas assinaláveis, é forçado a sair em 1995.

 

José Roquette, assume a presidência em 1996, e apesar da conquista de um campeonato, sai 5 anos depois, em 2000.

 

António Dias da Cunha, assume a presidência em 2000, conquista um campeonato em 2002 e , em clima de contestação, sai 5 anos depois, em 2005.

 

Filipe Soares Franco é cooptado em 2005, eleito em 2006, a bem ou mal realiza várias reestruturações financeiras e sai 4 anos depois, em 2009.

 

José Eduardo Bettencourt é eleito com 90% dos votos e é obrigado a abandonar 2 anos depois, em 2011.

 

Luiz Godinho Lopes, é eleito em 2011 e "destituído" em dois anos depois, em 2011.

 

Bruno Azevedo de Carvalho é eleito em 2013 e começa a ser questionado 4 anos depois, em 2017.

 

Todos foram aprovados pelos sócios, todos foram criticados e forçados a abandonar pelos mesmos.

 

Todos!

 

De comum, as vitórias nas "amadoras" e o falhanço percepcionado (que em alguns casos a contabilidade contraria) no futebol.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:15

Metalidade

por Lizardo, em 22.05.17

565f8a5eb6fcb4bb6bc6f359a3e291b1.jpg

 

 

 

O Sporting sempre se afirmou como um “Clube diferente”. Para o bem e para o mal, durante muitos anos, e em especial no pesadelo que foi a gestão de Sousa Cintra, este chavão era várias vezes utilizado para capitalizar a forma como se superava desaires. Uma estratégia que tentava revelar que mesmo nos momentos mais complicados, derrota após derrota, lá estavam os quarenta e tal mil habituais no velhinho Alvalade.



Com o tempo essa identidade foi também várias vezes aproveitada, sempre com o intuito de chamar e passar a mão “plo pelo” de Sócios e Adeptos.


Atualmente já não somos diferentes, somos assumidamente retrógrados e completamente desfasados da realidade do que é um Clube Empresa e como funcionam os índices de motivação e valorização de jogadores.


Ontem durante o jogo, com vários recados, uns encomendados, outros que foram uma surpresa para alguns, surgiu uma mensagem para Ruben Semedo. Um jogador com vários anos de Sporting, campeão em vários escalões da nossa formação, internacional, um jogador que deveria ser motivado e acima de tudo, valorizado. Afinal, tem sido este o nosso mealheiro nos últimos anos, as vendas dos jogadores que formamos.



Ontem tudo se fez em sentido contrário. Desmotivamos um jogador que tem qualidade, que é da casa, e mais grave ainda, desvalorizamos um jogador que tem mercado.

 

Não lembra a ninguém com capacidade de gestão e com uma missão única de servir o Sporting ter um comportamento assim.


Nenhum jogador merece este tipo de comportamento, seja o Shickabala ou o Bojinov, o Pongolle ou o Messi da Escócia.

 

Este tipo de mentalidade que se enraizou é altamente lesiva para o Sporting. Ninguém ganha com este tipo de atitudes e comportamentos. Perde o Sporting que desvaloriza jogadores, perde o plantel que encontra no seu balneário focos de desmotivação e descontentamento difíceis de gerir. A Flash Interview de Adrien foi também sintomática do estado de espirito de um plantel que está fraturado e completamente à deriva. Um foco de frustrações e de promessas que nunca se cumprem.


Posto isto, acabou a época da pior forma. Tudo falhou à exceção de Bas Dost. Falharam redondamente todas as contratações, ontem somente jogaram Beto e o Holandês goleador. Revelador de todo o fracasso da época que agora acabou.



As três contratações já realizadas não auguram nada de bom nem de novidade para a época que se está já a preparar.


Vamos ter um verão quente, e depois do espetáculo deplorável que uma grande maioria censurou ontem nas bancadas de alvalade, a divisão entre associados ganha cada vez mais expressão.


Em suma, quatro anos de marasmo, de regressão em relação aos rivais, onde numa das piores épocas do Futebol Clube do Porto, não os conseguimos superar e agora vamos ter que rezar a todos os santinhos que não nos calhe em sorte nenhuma equipa da Albânia ou um Légia no Playoff da Champions.


O tempo tem sido mestre!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:53

Se vai mudar? Tenho as minhas dúvidas!.

por Lizardo, em 05.04.17

AAEAAQAAAAAAAAVjAAAAJDVmMTEyODU2LTJjYTYtNDkyYy05NG

 

 

Dado os resultados das últimas eleições, achei por bem e por respeito democrático não dar voz a este espaço até hoje. O plateia leonina demonstrou nas ultimas eleições uma força e uma vitalidade que não é de todo novidade, sempre assim foi, e sempre assim será. Somos grandes, somos um Clube que sempre se conseguiu impor e afirmar grandeza nos momentos mais complicados.

 

Os Sócios decidiram oferecer a Azevedo de Carvalho mais quatro anos. Um novo mandato, um voto de confiança, na minha leitura, na luta contra os poderes instalados e para tentar mudar a realidade do futebol nacional.



Entre muitos amigos que votaram na Lista A, muitos não se revêm na imagem do Presidente, consideravam Pedro Madeira um “curioso” e esperam que, com a experiência do cargo do atual, existisse mudanças.



Recentemente num encontro de grandes leões, na sua maioria votantes de Azevedo de Carvalho, o descontentamento já está de novo presente.


Ou seja, este voto de confiança não foi usado para ganhar força e outros caminhos de ação e atuação, mas sim para afirmar de forma cada vez mais envergonhada uma estratégia de comunicação e de ruído no universo do futebol.



Estes sete processos levantados contra o Benfica são de um lirismo completo. Como foi a entrevista de Bruno Azevedo de Carvalho à TVI. Estrategicamente pensada, sai para a opinião publica o nome Sporting numa fase onde somente Porto e Benfica lutam por títulos, tentando demonstrar uma falsa vitalidade do nosso Clube.

 

Estes primeiros tempos do segundo mandato não revelam qualquer mudança de paradigma. Os erros dos últimos anos que nos tornaram altamente despesitas, com orçamentos faraónicos e sem títulos, parece ser o caminho a seguir. E claro, a comunicação, que de dia para dia bate recordes de estupidez, reduzindo um Clube centenário a discussões com figuras mediáticas das revistas cor-de-rosa.

 

É realmente triste continuar a constatar a evidência, é triste assistir a um aumentar da ferida, é demasiado doloroso assistir ao debate Sporting e ao debate Futebol Português com os nossos comentadores nos mais diversos órgãos de comunicação social de Portugal.

A próxima época será decisiva. Não só para Bruno como para Jorge Jesus. Agora é tempo de lua de mel, tudo está bem, num cenário de guerra de completa destruição, onde vamos vencer zero títulos no futebol, e outros tantos nas modalidades ditas amadoras, onde somente temos esperança e muita no Futsal.

 

De Futsal, com o regresso de Cardinal e do grande Diva cada vez mais certo, a próxima época indica que será um novo “all in” em todas as modalidades. No Andebol espera-se a confirmação de um novo Treinador e no Hóquei, bem, aqui, é lutar com todas as forças para que a modalidade não perca cada vez mais representação no espectro europeu, tão pobre e com tão poucos adeptos como agora.

 

Que acabe rápido esta época, tão pobre, tão vazia, tão desprestigiante em tantos campos, conferências de imprensa, comentários, processos, eliminações precoces e perseguições. Que este novo elenco diretivo, e com o regresso de tantos ilustres ao Conselho Leonino, algo mude, e que mude no sentido de ter um novo posicionamento, um tom diferente, uma estratégia a longo prazo e a capacidade de resolver o presente.


Se vai mudar? Tenho as minhas dúvidas!.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:02

As eleições 2021 e as VMOCs

por Trinco, em 16.03.17

11173691-Different-euro-banknotes-and-coins-Stock-

 

Pelo começo...

Ontem Azevedo de Carvalho foi empossado no seu 2º mandato que se estenderá até Março de 2021. No discurso de investidura, além das promessas de campeonatos

...o mais importante é sermos campeões nacionais e não apenas uma só vez nos próximos quatro anos...


algumas pós-verdades

...os títulos conquistados nos últimos quatro anos, que superam a média dos últimos 50...

 

e realidades paralelas

...vamos manter e reforçar a aposta na formação...

 

 

falando sobre a problemática das VMOCs, afirmou desde já a sua recandidatura

...vamos reforçar a nossa conta reserva para que seja possível no próximo mandato - repito, no próximo mandato, é que eu já estou neste - recuperar as VMOCS necessárias para garantir a manutenção desta maioria de capital...

 

Assim, que fique bem claro quem deu o tiro de partida para um a disputa eleitoral a 4 anos de distancia e que ninguém se queixe que eventuais alternativas se comecem a preparar e que não fiquem silenciosas.

 

Mas sobre as VMOCs, algo que veio à baila na ultima semana de campanha das passadas eleições o qual eu, por manifesta falta de tempo, não abordei convém registar alguns comentários.

 

Com a publicação do R&C semestral, foi sabido e plantado na Comunicação Social a existência de contas reserva para o efeito, afirmando-se de maneira criativa na escrita que até Junho seria possível esta ter €10M, necessários para comprar 32% das VMOCs (afirmados como necessários para garantir o Capital da SAD - na realidade seriam 32% do lote de VMOCs necessários para garantir o mesmo capital), falando depois de um prazo de 8 anos para comprar o restante (os tais 68% do mesmo lote)

 

Acontece que, estas contas, que rondam neste momento os €3.1M, em 6 meses cresceram €0.7M, sendo que é suposto acreditar que nos 6 meses seguintes crescerão cerca de €7M. Mesmo com os desfasamentos dos fluxos de caixa, é algo demasiado optimista.

 

Por extrapolação de valores, ficou-se também a saber que o valor considerado para a manutenção da maioria do capital da SAD é de €31.25M (considerando o valor das acções para o calculo que é de aproximadamente €0.63), sendo importante no entanto perceber e lembrar a contingência deste valor (que pode ser artificialmente volatilizado) para o calculo de algo que pode ser na realidade de €44M.

 

Outro facto interessante é o de estas reservas estarem nas contas da SAD, sendo que quem tem o opção sobre as VMOCs é o Clube.

 

Mas há mais nas VMOCs. É que existem as VMOCs A, no valor de €55M, que vencem no mesmo prazo (após o seu prolongamento) que as VMOCs B e que podem obrigar até à sua compra total (são desconhecidos os termos do eventual direito de preferência) ou no melhor cenário €27M. Ou seja, em 2026, poderá ser necessário o Clube (e friso o Clube, pois não é factor sem importância ser este a deter o direito de preferência) ter perto de €60M para garantir a maioria do capital da SAD.

 

E existe a possibilidade da emissão de novo lote de VMOCs, conforme previsto na reestruturação para absorver as A, sendo no entanto de assinalar que a sua autorização foi dada em determinados pressupostos que pessoalmente me parecem ultrapassados, sendo necessária nova aprovação caso se enverede por esta via para não falar da data limite do seu lançamento a Janeiro de 2016.

 

Caso ainda assim, os sócios (e posteriormente os accionistas) aprovem nova emissão de VMOCs, as VMOCs C para absorver as A em 2026, estaremos mais 10 anos (o prazo previsível) com a espada das VMOCs na cabeça pelo seu prazo de validade, sendo que, tal como agora acontece, todos os Dezembros, só o cumprimento de outras obrigações paralelas, como a cativação de percentagens de algumas receitas e a definição de valores mínimos a disponibilizar para o pagamento da divida (e a pouca vontade da banca entrar no capital social da SAD) evitará a "decapitação" antecipada.

 

Ou seja, nem os pressupostos das contas reservas são suficientes, nem muito provavelmente deixaremos de estar, daqui a 9 anos, nas mãos da banca e dos credores. O que mudou mesmo?...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:41

Colinho

por O 6º Violino, em 06.03.17

16806941_1604437512907442_1454097090307704589_n.jp

 No rescaldo eleitoral, apenas quero deixar algumas notas sobre o mesmo.

1- Foi bonito ver a excelente participação dos associados do Sporting. As longas filas de espera mostram o amadorismo com que se trabalha naquela casa. Não havia possibilidade de mais mesas para acreditação e uma forma moderna de consulta aos cadernos aquando da mesma?

2- A participação foi superior à eleição de Jorge Gonçalves. Números incomparáveis, porque o voto por correspondência, à altura, não existia. Mas um pouco de propaganda faz sempre bem.

3- De um universo de 154.000 sócios, votaram cerca de 18.700.

4- Azevedo de Carvalho registou números parecidos com Jorge Gonçalves, Sousa Cintra e JEB, qual deles o mais populista e com os resultados conhecidos. Os mesmos associados que votaram nestas 3 figuras, deram um voto de confiança ao figurão.

5- Os sócios escolheram, há que respeitar, em nome da democracia.

6- Há cerca de uma semana escrevi que PMR era uma fraca alternativa, e assim se confirmou. Fica a lição.

7- Estes resultados também são culpa de uma série de pessoas que se julga "sebastianista" e reserva moral, mas que nada têm feito pelo Clube. Esconderam-se à espera que a carne "Azevediana" apodreça. Volto a enfatizar a coragem de PMR.

8- O discurso de vitória de Azevedo de Carvalho é uma lição para aqueles que ainda sonham que a sua postura alguma vez irá mudar. De conteúdo zero. Repete a mesma lengalenga das 24 sobre 24 horas (fora o facebook), juras de amor, como se isso não fosse comum a qualquer Sportinguista, entre a ordinarice habitual, a juntar às nádegas,às bufas,aos pontapés no traseiro de um árbitro, só para não ir mais longe.

9- Azevedo ainda não percebeu que não é o Sporting, e pelos vistos muitos associados também não.

10- Azevedo de Carvalho continua a envergonhar os sócios que ainda têm vergonha na cara, e não se revêm nestes discursos patéticos e estapafúrdios.

11- Como disse um dia Nani, "quem não sabe ganhar, não sabe perder".

SL

Nota: a foto de ilustração foi retirada da página pessoal de Isabel Dias Gomes, e serve para mostrar a volatilidade do associativismo.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:11

Bardamerda

por Trinco, em 05.03.17

socios2.jpg

 

Está decidido!

 

Os sócios mobilizaram-se na maior votação de sempre e manifestaram-se de forma inequívoca e expressiva.

 

Escolheram o rumo e o timoneiro. São, somos, todos soberanos e responsáveis pela escolha. E com ela teremos que viver, para o bem e para o mal. Todos!

 

Não se espere no entanto, estados de graça, margens de manobra, cheques em branco e períodos de paz podre. A exigência será a mesma. Tem que ser, porque (ainda) somos o Sporting Clube de Portugal.

 

E ao "Bardamerda para todos aqueles que não são do Sporting Clube de Portugal" ontem proferido, acrescento convictamente o Bardamerda para todos os que não sabem o que é ser e representar o Sporting Clube de Portugal! Válido para todos também!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:09

Merdas

por Lizardo, em 02.03.17

688924-7.jpg

 

 

Pois é, tenho feito um esforço para que neste período eleitoral o ruído fosse o menor possível e que existisse o maior dos focos no que realmente interessa: O Sporting, o seu presente e o seu futuro.

Infelizmente, não se debateu rigorosamente nada sobre qualquer assunto pertinente e fraturante. Seja qual dos candidatos o vencedor no próximo dia quatro, o Sporting já perdeu.

Mas se o nível baixo e até o ridículo não é de todo surpresa, afinal, foi esse o nível dos últimos quatro anos, não posso deixar de assumir a minha surpresa em relação à forma como a plateia leonina reagiu, catalogou, apontou e caluniou os seus pares, Adeptos e Sócios do Sporting Clube de Portugal.

E é sobre essa surpresa, sobre factos, atos, comportamentos e vários episódios que nasce o texto de hoje e a necessidade de o escrever a poucas horas das eleições.


Ora vejamos, quem presta no Sporting?

O Presidente é uma merda, dizem os opositores. Com a merda do atual Presidente existe uma pocilga de gente que chafurda diariamente, desde rapazes e outros yes mans que por lá ganham uns tostões para meter comida na mesa. Curioso que desta merda de gente há quem tenha moral desmedida nas redes sociais a defender esta merda de presente, mas depois de tornados públicos os Cadernos Eleitorais, pufff, que merda, a grande maioria desta merda de gente ou não existe ou não é Sócio. E um dia aqui faremos essa análise sobre essa merdice.

Por outro lado há os merdas do Pedro Madeira. Pedro Madeira é uma merda. Impreparado, aventureiro, com uma campanha pior que as maiores merdas de sempre, com uma lista plena de merdas que foram merdas bem próximas do Presidente de merda atual. O Mandatário da campanha é uma merda sem explicação, o seu Programa uma merda sem sentido e para cúmulo das merdas todas que já aconteceram, Pedro Madeira, o merdas, foi buscar um Boloni que é uma valente merda e um treinador que foi uma merda por todo o lado onde passou. Não há merda que se aproveite, a começar no apoio do Severino e a acabar na merda de debate que fez na Sporting TV.

Sporting TV essa que é uma merda sem precedentes. Nunca se viu merda tão amadora e tão dominada pela merda do sistema do Carvalho. Um só debate, que foi uma merda, com um conteúdo de merda, uma moderação merdosa e sem retorno algum. Mas a maior merda de todas foi o constante tempo de antena oferecido ao atual Presidente de merda, todos os seus discursos mereceram um direto, já o merdas do Madeira nem vê-lo ou ouvi-lo. Uma merda isto tudo.

 

Entre tanta merda, a merda do vídeo do Ricciardi e do Sikander, dois merdas que estão na merdosa Comissão de Honra do Presidente de merda e nas Listas para a merda do Conselho Leonino, um ninho de merdosos croquetes que voltam à merda de ontem sempre quiseram estar apesar de andarem constantemente a cuspir no prato/croquete que comeram.

 

Entre tanta merda de gente e de episódios não é de estranhar a nossa classificação de merda, não é de estranhar que existam muitas dúbias e complicadas dúvidas nas nossas contas, que a merda das despesas subiu para valores de gritar “que merda é esta?”.

Éisto, na merda, estamos na merda. Por muito que nos custe a assumir, é este o nosso estado atual. Fui, Sou e Sempre serei do Grande Sporting Clube de Portugal. Já superámos tantas tempestades, não serão uns merdas e mais uns episódios de merda que nos vão diminuir. Estamos doentes, feridos com gravidade, hipnotizados, crentes nas impossibilidades que se prometem.

Com tanta merda extra-Sporting nas nossas vidas, são as merdas do Sporting que nos custam mais. Porque o Sporting é nosso, pelo menos enquanto o verdadeiro Governo Sombra não conseguir levar avante a golpada que tem desenhada para o nosso grande amor.

Merda pá!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:31

Quatro substantivos

por Trinco, em 01.03.17

0e5582366_1477946107_words-have-power.jpg

 

...que definem estas eleições (cronologicamente até):
(todas as definições a partir do Dicio: Dicionário Online de Português)

 

Sincretismo

s.m.
Junção ou mistura de cultos ou de doutrinas religiosas distintas, atribuindo um novo sentido aos seus elementos: sincretismo religioso.
Fusão de filosofias, de ideologias, de sistemas sociais ou de elementos culturais diverso: sincretismo social.
Síntese de elementos diferentes que possuem sua origem em pontos de vista, teorias filosóficas ou visões de mundo distintas.
Semelhança morfológica entre duas unidades linguísticas de funções diferentes.

Sinónimos de Sincretismo: ecletismo, fusão, junção, mistura

 

Mediocridade

s.f.
Característica, particularidade ou estado do que é medíocre; mediocrismo.
Circunstância compreendida entre a abundância e a pobreza; modéstia.
Que não possui valor; desprovido de mérito; pequenez: mediocridade de ideias; a mediocridade daquele texto mal escrito.
Indivíduo ou várias pessoas que não possuem talento; medíocres: algumas pessoas famosas apresentam mediocridade.

Sinónimos de Mediocridade: Mediocridade é sinonimo de: exiguidade, mediania, mediocrismo, pequenez, modéstia

 

Vacuidade

s.f.
Estado ou qualidade de vazio.
Vaidade, presunção.

Sinónimos de Vacuidade: fatuidade, inanidade, vaidade

 

Desesperança

s.f.
Ausência ou falta de esperança; descrença ou desilusão.
Circunstância de quem está ou se encontra em desespero (sem esperança).

Sinónimos de Desesperança: desanimo, descrença, desespero, desengano, desilusão

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:13


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Sobre

Sobre o Sporting, com verdade, exigência e espírito critico. Sem reverencias nem paciência para seitas!






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D