Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Modalidades caviar

por Trinco, em 01.09.17

ikra-stavki-na-krasnuyu-i-chernuyu.jpg

 

 

Pessoalmente, cada vez menos me interessa o circo das plataformas rotatórias de jogadores em que se transformaram os clubes de futebol, com negócios e gestões nada claras e seguramente pouco transparentes e rigorosas.

 

Disso mesmo são exemplo as considerações de "custo zero com compra obrigatória" (temos 2, Doumbia e Ristovsky, €3M e €2.5M respectivamente) ou a inclusão de artifícios de linguagem para declarar uma venda mais alta do que ela realmente é (Schelotto, jogador renovado em Janeiro deste ano com clausula de €45M, com o seu "até €3M€" - que no limite podem ser €0 - é o nosso exemplo acabado).

 

Acontece que no meio deste ruído todo, o Clube achou por bem informar os preços da nova Gamebox Modalidades. Assim ao jeito de "deixa ver se passa e se não fazem barulho".

 

€250 é o valor para as 4 modalidades.

 

Não tardaram muitos avençados a tocar o samba do "até não é caro...". Que "€3.12 por jogo é um bom preço". Só que, assumindo o preço de €4 pelo bilhete avulso para sócio (e há preços máximos tabelados) basta falhar 5 jogos em cada modalidade (o que em 80 jogos, com calendarizações tão diferenciadas nem é nada de estranho) para esse "lucro" se esfumar.

 

Mas o pior é para quem compare com os preços praticados em 16/17. Nessa época, cada Gamebox individual (sim, havia-as, ao contrário de agora) custava €30 e a conjunta €75.

 

Comparando o comparável, a Gamebox conjunta, esta aumenta de €25 para €62.5 por modalidade (particionando os valores globais). Um aumento de 150%. Coisa pouca!

 

E mais. Aplicando esse valor, €62.5 (que a existir seria seguramente mais alto), numa hipotética separação avulsa por modalidade e tomando por exemplo o Futsal, cada jogo (18) ficaria a €3.47, deixando de compensar ao falhar os tais 5 jogos.

 

E vantagens para os anteriores detentores deste bilhete de época? Só para os que compraram a 1ª em 10/11 e apenas para a pagarem ao mesmo preço durante 3 dias antes da venda geral.

 

E os participantes na Missão Pavilhão, conforme chegou a ser promovido? Nada!

 

O Sporting é "nosso"!

 

E se as coisas falharem a culpa é dos sócios que não colaboram.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:03

A verdadeira inauguração

por Trinco, em 09.08.17

img_FanaticaBig$2017_06_21_22_13_44_1280121.jpg

49 dias após a pomposa "inauguração" do pavilhão, em que o mais relevante, além do incómodo discurso da Maggy Rocha, foi a pouca relevância dada aos atletas e adeptos, em contraponto ao "one-man-show", autentico buraco negro das atenções na sua tradicional maneira egoísta do "eu acima e antes do nós", está-se ainda por saber quando se dará a verdadeira inauguração do espaço.

 

Sim, porque a inauguração de um espaço desportivo não se faz com o corte de uma fita ou com uma festarola catita para entreter distraídos, adormecidos e hipnotizados, amplamente matraqueada e propagandeada pelos amigos da Comunicação Social. Mesmo aqueles que se quer fazer crer sejam uns malandros. A inauguração de um espaço desportivo faz-se com um evento desportivo. Ainda há poucos dias, fez 14 anos, foi assim com o Estádio José Alvalade.

 

Acontece que a menos de um mês das competições de seniores começarem ainda nem um treino foi feito no novo pavilhão. Muitas visitas, muitas festas, muita areia, mas desporto que é bom, nada!

 

O que nos poderá fazer questionar não só a extemporaneidade daquela inauguração (que mais não foi que um momento na agenda estratégica do interessado) mas o porquê de passado este tempo tudo permaneça na mesma.

 

Seguramente não será falta de dinheiro para pagar €700k ou €800k que faltem pagar ao empreiteiro e que estejam a protelar a entrega da obra por parte deste.

 

Num Clube que aumenta o seu orçamento para as modalidades 120% em dois anos, que contrata uma equipa nova de Voleibol contrariando aquilo que foi justificado para acabar com o Basquetebol, que contrata com salários "leoninos", ao que se sabe, futsalistas, andebolistas e mesa-tenistas e até paga clausulas de rescisão "à Neymar" (à escala, entenda-se) a hoquistas, seguramente esse não será o problema.

 

Ou será?

 

P.S. Ou será que se está a tentar carregar na boa vontade e tamanho do bolso dos Sportinguistas no calculo da tabela de preços das Gameboxes Modalidades, numa tentativa encapotada de "missão paga o que falta"?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:44

O orçamento do Bruno

por Trinco, em 24.06.17

PedirorC3A7amentogrC3A1tis.jpg

 

 

Ontem, perante 120 sócios, um numero que não preencheria metade do auditório Artur Agostinho (algo que nunca vi em anos de AG's realizadas lá) e em que desses 120, mais de 15% seriam dos órgãos sociais (até 10 seriam do CD, 5 da MAG e 7 do CFeD), e isto sem contar os Conselheiros Leoninos, no meio de algum secretismo, opacidade e muita falta de informação foram apresentados as contas (consolidadas) e o orçamento para a época 2017/2018.

 

Falta de informação que se mantém hoje, sem que, quer o orçamento (que tradicionalmente era publicado como proposta do CD à AG, aliás, como ainda no ano passado aconteceu) ou as contas (consolidadas) estejam disponíveis para os sócios.

 

Depois da habitual homilia, a saraivar para todo o lado, dada em directo na TV da coutada ao estilo sul-americano da "Hora do Presidente", quer contas (consolidadas), quer orçamento foram aprovadas quase dogmaticamente em estilo norte-coreano com 99.1% dos votos e sem grande discussão.

 

No orçamento aprovado, alguns dados ressaltam.

 

O aumento da quotização para €9M, assim mesmo, número certinho a passar a mensagem de número alvitrado sem grande trabalho de calculo. E nem coloco em causa a execução do mesmo. Felizmente neste âmbito, os orçamentos têm sido executados.

 

Uma estranha redução dos rendimentos com as inscrições nas modalidades (menos 7.4%), parcela sempre crescente e ancora dos orçamentos do Clube

 

Um assustador aumento de 401.3% nos ganhos com Bilheteira e bilhetes de época. E é assustador pois é um esforço que recairá totalmente nos sócios e adeptos. Assuma-se 4 modalidades seniores (aquelas onde se cobra bilhética), Andebol, Futsal, Hóquei e o reactivado Voleibol, Admitam-se que cada uma faça 24 jogos em casa, Cobrando um valor de 4€, em linha com o que é habitual aos sócios e valor que não vejo contexto para aumentar, teríamos que ter assistências consistentes de perto de 2.000 pessoas (2/3 do novo Pavilhão), algo que me parece difícil, mesmo nas novas circunstancias. Principalmente quando verificamos assistências regulares que não chegam aos 1.000 (e sim, estou a ser extremamente benévolo)

 

Mais um estrondoso aumento no valor de honorários (mais 29%) atingindo agora uns surpreendentes €8.389M que significa um aumento de 400% relativamente ao 1º proposto por este CD, aprovado no pressuposto do rigor e sustentabilidade financeira e na certeza que os rivais fariam o mesmo. Aliás. esta proposta é quase 300% acima do ultimo orçamento aprovado pelo anterior CD, que foi apontado como despesista e irrealista pelo então proto-candidato. Ainda assim, mesmo considerando exagerado, não consigo discordar em teoria deste tipo de aposta. Aplicar recursos na vertente desportiva coloca o Clube mais próximo da vitória e por consequência do crescimento. O problema é mesmo a aplicação do dinheiro, sem qualquer planeamento e política desportiva a prazo. O projecto passa apenas e só por ganhar já.

 

Para isto tudo, já foram preventivamente responsabilizados os sócios pela desgraça que recairá sobre o Clube caso os valores não se cumpram.

 

Mesmo que no meio, os gastos com pessoal (não, não é o que se paga a jogadores mas o que está essencialmente apontado às estruturas comuns) aumente 55.9% para uns €1.08M de antigamente e os gastos com rendas e alugueres, mesmo com o novo Pavilhão aumentam 146.1% para €541k.

 

Antes do fim da AG, o presidente do CD declara que "A família precisa de mim", levanta-se e sai.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:18

O Pavilhão do Bruno

por Lizardo, em 22.06.17

Ontem foi a primeira inauguração do Pavilhão, num conjunto de três cerimónias já agendadas. A felicidade de todos os Sócios e Adeptos com a construção de tão nobre e fundamental obra é evidente. O Sporting não podia continuar a viver sem a sua casa para as modalidades. Era totalmente contranatura continuar as romarias para Loures ou Odivelas, Casal Vistoso ou Rio Maior, entre outros Pavilhões espalhados pela região.



Ontem, como bem disse Margarida Rocha, fechou-se o ciclo das grandes obras de modernização do Sporting do século XXI. Um Estádio, uma Academia e agora a casa que imortaliza o já imortal Presidente João Rocha.



O dia de ontem tinha tudo para ser histórico. Um dia desejado por tantos, um dia que deveria ser aberto a todos os Sócios e Adeptos, com um programa pensado para os que há mais de 10 anos fazem quilómetros para ver as modalidades fora de Alvalade. Mas não, uma vez mais, o foco foi o Presidente Bruno de Carvalho.



Para lá do erro da data e da hora, uma quarta-feira, em simultâneo com o jogo da Seleção Nacional e a poucas horas de um importante jogo do Futsal, revela que estratégia e visão, são termos e processos que escasseiam.


Depois o palco e o tempo oferecido a Bruno. Bruno discursou na rua, Bruno leu e releu a sua frase na Estátua do Leão vezes sem conta, Bruno entrou no Pavilhão como uma estrela de rock, Bruno foi o Presidente, Bruno foi o Anfitrião, Bruno foi a imagem de todos os atletas do passado, do presente e do futuro. Bruno foi o foco, o tempo de antena, a voz, Bruno foi o rei das selfies e dos abraços. Sempre com os mesmos, com as mesmas caras, com os mesmos que até já têm palco em programas da Sporting Tv ou que têm um “emprego” no Sporting.

 

Não posso deixar de sublinhar a mentira de Bruno sobre o nome do Pavilhão. Não, não foi o Bruno que sugeriu o nome João Rocha. Não!!. Foi aprovado e deliberado a 30 de Setembro de 2012, numa Assembleia Geral no Multiusos de Alvalade, apresentado pela Direção em funções à data. Felizmente foi rapidamente desmentido pela filha de João Rocha.

 

Mas a mentira não acabou aqui. As palavras oferecidas ao falecido Sócio Vitor Araújo são de um aproveitamento sem sentido. “Amigo”, “Muitos jogos ao seu lado”, “com o meu pai e meus irmão, juntos, vimos muitos jogos”. Quem marcou e marca presença nos Pavilhões sabe que tudo isto é treta. Pura treta. Bruno há dez anos, nem as quotas tinha em dia, quanto mais dedicar-se a assistir a jogos das modalidades. Mas vale tudo!


Bruno tem um evidente complexo de inferioridade. Precisa de palco, precisa de espaço mediático, precisa ser notícia, pois só Ele sabe a dimensão da mentira que nos conta há muitos anos. Precisa de palco pois não temos títulos, não temos saúde financeira, somos cada vez mais irrelevantes no panorama desportivo.



Estes quatro anos têm sido uma mentira constante.



Ontem os Sócios ficaram de fora, os Adeptos não foram convocados, o Pavilhão não estava cheio, foi uma festa para amigos e alinhados, longe dos tempos onde o Sporting era para todos.



O que se assistiu ontem foi um deplorável espetáculo. Salva-se a obra, obrigado a todos os que desde os primeiros momentos lutaram e reuniram com a autarquia lisboeta, a todos os que criaram as fundações e as bases necessárias da obra. Bruno tem o mérito de ter continuado e ter dado vida ao Pavilhão. Sobre isso não há dúvida, mas ficaria muito bem não esquecer que há muitos anos, várias direções já trabalharam e muito para que este sonho fosse possível. A esses nem uma palavra.


Este Sporting que não reconhece o seu passado e que só se valoriza com o seu presente, mesmo sem nada ganhar, mesmo vendo abalar os seus principais ativos, sejam eles funcionários ou atletas, não pode ter grande futuro.

 


Salva-se quem entende e vive realmente os valores do Sporting

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:03

O futsal do Carvalho

por Trinco, em 24.05.17

20405321_TCy1L.jpeg

 

Azevedo de Carvalho, 3 meses certos depois de chegado à presidência, festejou efusivamente em pleno pavilhão do estádio da Luz a conquista do 11º campeonato, reclamando-a arrogantemente como sua.

 

Nessa época, 2012/2013, as modalidades contaram com um orçamento de €2.9M para honorários (os salários de técnicos e atletas) a caber ao Futsal cerca de 31% do mesmo (€900k). O plantel desse ano, já comandado por Nuno Dias, contava com 12 formados localmente (à luz da leitura contemporânea desse estatuto), em que 3 eram S20, e 4 estrangeiros, conquistando a Taça de Portugal e Campeonato Nacional, estabelecendo um novo máximo de pontos e de diferença para o 2º, na 1ª fase e sofrendo nos playoffs apenas uma derrota por desempate por grandes penalidades. Ao todo foram conquistados 3 títulos de âmbito nacional pela secção de Futsal.

 

Em 2013/2014, as modalidades contaram com um orçamento de €2.1M para honorários deixando de se saber por ter deixado de ser discriminado, a parcela a caber ao Futsal (admitindo 30%, seriam  cerca de €630k). O plantel desse ano, contava com 12 formados localmente, em que 2 eram S20, e 4 estrangeiros, conquistando a Supertaça de Portugal e Campeonato Nacional. Ao todo foram conquistados 4 títulos de âmbito nacional pela secção de Futsal.

 

Em 2014/2015, as modalidades contaram com um orçamento de €2.7M para honorários (extrapolando uma redução, para acomodar a entrada do Hóquei nos orçamentos, para 25%, seriam  cerca de €675k). O plantel desse ano, contava com 13 formados localmente, em que 7 eram S20 e 5 estrangeiros, conquistando a Supertaça de Portugal. Ao todo foram conquistados 3 títulos de âmbito nacional pela secção de Futsal.

 

Em 2015/2016, as modalidades contaram com um orçamento de €3.8M para honorários (extrapolando para os anteriormente referidos 25%, seriam  cerca de €950k). O plantel desse ano, contava com 16 formados localmente, em que 7 eram S20, e 6 estrangeiros, conquistando a Supertaça de Portugal, a Taça de Portugal, a Taça da Liga e o Campeonato. Ao todo foram conquistados 5 títulos de âmbito nacional pela secção de Futsal, com mais uma prova disputada.

 

Em 2016/2017, as modalidades contam com um orçamento de €6.5M para honorários (extrapolando os anteriores 25%, seriam  cerca de €1.62M). No plantel deste ano, contamos com 9 formados localmente, em que nenhum é S20, e 8 estrangeiros, conquistando para já apenas a Taça da Liga, estando ainda a disputar o Campeonato. Ao todo foi conquistado 1 titulo de âmbito nacional pela secção de Futsal, podendo ascender a 2 nos seniores, e outros 2 na formação (ainda que improváveis atendendo aos resultados das fases de apuramento).

 

Neste período e da formação aproveitámos 1 jogador. Perdemos 2 dos mais promissores directamente para o rival, pusemos 1, igualmente promissor na prateleira. Os restantes espalharam-se por planteis de 1ª divisão sendo na sua maioria jogadores importantes nas suas equipas.

 

Passamos de 8 convocados regulares para a selecção A, para 2 e de 4 estrangeiros para 8 (podendo apenas inscrever 5 a cada ficha de jogo, atente-se), verificando-se complementarmente a ascensão do rival na formação e na aquisição precoce dos valores nacionais, no que é uma estratégia de médio prazo que já foi a por nós preconizada.

 

Ganhávamos 2 títulos em seniores com €900k em 2012/2013 e, com mais uma prova em disputa, poderemos ganhar os mesmos 2, com €1.62M em 2016/2017.

 

No meio disto tudo, do que se vai sabendo, o ambiente deteriora-se com as birras de Azevedo de Carvalho, desesperado com mais um falhanço na sua aposta arriscada de do or die (a explosão no balneário após a derrota na final da UEFA Futsal Cup perante uma equipa que terá um orçamento 3 vezes superior terá deixado marcas), falando-se de vários abandonos, fartos de lidar com os dislates de quem percebe quase nada de desporto.

 

Enquanto isso o rival reforça-se com bons valores nacionais naquela que provavelmente será a melhor escola de formação do país (no estrito ponto de vista do aproveitamento da transição para sénior) que é o Braga/AAUM em que até atletas que por coração poderiam preferir o Sporting, desgostosos com a forma de abordagem e com as estratégias e opções do Clube para o seu Futsal, optam por engolir em seco e assinar no outro lado.

 

Seguramente, caso a equipa ganhe o campeonato (e eu tenho a firme convicção que somos melhores, pese o recente historial de resultados com o previsível adversário que transporta um incompreensível bloqueio), veremos Azevedo de Carvalho aos pulos na quadra a assumir magnanimamente a vitória. Caso perca...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:59

Em jeito de novela gráfica e sem grandes comentários.

 

Sobre a responsabilidade no Futebol

 

Imagem 004.pngPrograma de candidatura de Azevedo de Carvalho em 2013

 

Imagem 005.png

Programa de candidatura de Azevedo de Carvalho em 2017

 

Sobre a campanha "carrega no JJ"

 

Imagem 012.pngBlog avençado a 24/02/2017

 

Sobre Futsal

Imagem 008.pngwikiSporting

Sobre o Nuno Dias

Imagem 007.png

wikiSporting

 

Sobre o Pavilhão

Imagem 010.pngAnexo presente na carta da FICOPE a 7/05/2015

Imagem 011.png

 

Noticia no Record a 14/08/2016

Imagem 009.png

 

 

Noticia no Record a 22/02/2017

18199508_1829103994076072_820105536085759003_n.jpg

 

Foto a circular nas redes sociais de 06/05/2017

Sobre o Pavilhão e Gala (cujos convites já foram enviados e alguns recebidos com o Coliseu dos Recreios como local)

Imagem 013.png

Noticia no Record a 16/01/2017

 

Sobre a data Gala que celebra o aniversário do Clube (cujos convites já foram enviados e alguns recebidos com data do evento para 30 de Junho)

Imagem 006.png

Estatutos do Sporting Clube de Portugal

Sobre o casamento de Azevedo de Carvalho

Imagem 015.png
Noticia na TvMais a 21/03/2017

 

Enquanto isso...

600.13409395.jpg

Troféu de vencedor da Liga

Há um clube, objecto principal do foco do Clube que vai receber o 4º troféu em outros tantos anos, coincidentes com ainda outros tantos anos de presidência de Azevedo de Carvalho

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:19

Se vai mudar? Tenho as minhas dúvidas!.

por Lizardo, em 05.04.17

AAEAAQAAAAAAAAVjAAAAJDVmMTEyODU2LTJjYTYtNDkyYy05NG

 

 

Dado os resultados das últimas eleições, achei por bem e por respeito democrático não dar voz a este espaço até hoje. O plateia leonina demonstrou nas ultimas eleições uma força e uma vitalidade que não é de todo novidade, sempre assim foi, e sempre assim será. Somos grandes, somos um Clube que sempre se conseguiu impor e afirmar grandeza nos momentos mais complicados.

 

Os Sócios decidiram oferecer a Azevedo de Carvalho mais quatro anos. Um novo mandato, um voto de confiança, na minha leitura, na luta contra os poderes instalados e para tentar mudar a realidade do futebol nacional.



Entre muitos amigos que votaram na Lista A, muitos não se revêm na imagem do Presidente, consideravam Pedro Madeira um “curioso” e esperam que, com a experiência do cargo do atual, existisse mudanças.



Recentemente num encontro de grandes leões, na sua maioria votantes de Azevedo de Carvalho, o descontentamento já está de novo presente.


Ou seja, este voto de confiança não foi usado para ganhar força e outros caminhos de ação e atuação, mas sim para afirmar de forma cada vez mais envergonhada uma estratégia de comunicação e de ruído no universo do futebol.



Estes sete processos levantados contra o Benfica são de um lirismo completo. Como foi a entrevista de Bruno Azevedo de Carvalho à TVI. Estrategicamente pensada, sai para a opinião publica o nome Sporting numa fase onde somente Porto e Benfica lutam por títulos, tentando demonstrar uma falsa vitalidade do nosso Clube.

 

Estes primeiros tempos do segundo mandato não revelam qualquer mudança de paradigma. Os erros dos últimos anos que nos tornaram altamente despesitas, com orçamentos faraónicos e sem títulos, parece ser o caminho a seguir. E claro, a comunicação, que de dia para dia bate recordes de estupidez, reduzindo um Clube centenário a discussões com figuras mediáticas das revistas cor-de-rosa.

 

É realmente triste continuar a constatar a evidência, é triste assistir a um aumentar da ferida, é demasiado doloroso assistir ao debate Sporting e ao debate Futebol Português com os nossos comentadores nos mais diversos órgãos de comunicação social de Portugal.

A próxima época será decisiva. Não só para Bruno como para Jorge Jesus. Agora é tempo de lua de mel, tudo está bem, num cenário de guerra de completa destruição, onde vamos vencer zero títulos no futebol, e outros tantos nas modalidades ditas amadoras, onde somente temos esperança e muita no Futsal.

 

De Futsal, com o regresso de Cardinal e do grande Diva cada vez mais certo, a próxima época indica que será um novo “all in” em todas as modalidades. No Andebol espera-se a confirmação de um novo Treinador e no Hóquei, bem, aqui, é lutar com todas as forças para que a modalidade não perca cada vez mais representação no espectro europeu, tão pobre e com tão poucos adeptos como agora.

 

Que acabe rápido esta época, tão pobre, tão vazia, tão desprestigiante em tantos campos, conferências de imprensa, comentários, processos, eliminações precoces e perseguições. Que este novo elenco diretivo, e com o regresso de tantos ilustres ao Conselho Leonino, algo mude, e que mude no sentido de ter um novo posicionamento, um tom diferente, uma estratégia a longo prazo e a capacidade de resolver o presente.


Se vai mudar? Tenho as minhas dúvidas!.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:02

Merdas

por Lizardo, em 02.03.17

688924-7.jpg

 

 

Pois é, tenho feito um esforço para que neste período eleitoral o ruído fosse o menor possível e que existisse o maior dos focos no que realmente interessa: O Sporting, o seu presente e o seu futuro.

Infelizmente, não se debateu rigorosamente nada sobre qualquer assunto pertinente e fraturante. Seja qual dos candidatos o vencedor no próximo dia quatro, o Sporting já perdeu.

Mas se o nível baixo e até o ridículo não é de todo surpresa, afinal, foi esse o nível dos últimos quatro anos, não posso deixar de assumir a minha surpresa em relação à forma como a plateia leonina reagiu, catalogou, apontou e caluniou os seus pares, Adeptos e Sócios do Sporting Clube de Portugal.

E é sobre essa surpresa, sobre factos, atos, comportamentos e vários episódios que nasce o texto de hoje e a necessidade de o escrever a poucas horas das eleições.


Ora vejamos, quem presta no Sporting?

O Presidente é uma merda, dizem os opositores. Com a merda do atual Presidente existe uma pocilga de gente que chafurda diariamente, desde rapazes e outros yes mans que por lá ganham uns tostões para meter comida na mesa. Curioso que desta merda de gente há quem tenha moral desmedida nas redes sociais a defender esta merda de presente, mas depois de tornados públicos os Cadernos Eleitorais, pufff, que merda, a grande maioria desta merda de gente ou não existe ou não é Sócio. E um dia aqui faremos essa análise sobre essa merdice.

Por outro lado há os merdas do Pedro Madeira. Pedro Madeira é uma merda. Impreparado, aventureiro, com uma campanha pior que as maiores merdas de sempre, com uma lista plena de merdas que foram merdas bem próximas do Presidente de merda atual. O Mandatário da campanha é uma merda sem explicação, o seu Programa uma merda sem sentido e para cúmulo das merdas todas que já aconteceram, Pedro Madeira, o merdas, foi buscar um Boloni que é uma valente merda e um treinador que foi uma merda por todo o lado onde passou. Não há merda que se aproveite, a começar no apoio do Severino e a acabar na merda de debate que fez na Sporting TV.

Sporting TV essa que é uma merda sem precedentes. Nunca se viu merda tão amadora e tão dominada pela merda do sistema do Carvalho. Um só debate, que foi uma merda, com um conteúdo de merda, uma moderação merdosa e sem retorno algum. Mas a maior merda de todas foi o constante tempo de antena oferecido ao atual Presidente de merda, todos os seus discursos mereceram um direto, já o merdas do Madeira nem vê-lo ou ouvi-lo. Uma merda isto tudo.

 

Entre tanta merda, a merda do vídeo do Ricciardi e do Sikander, dois merdas que estão na merdosa Comissão de Honra do Presidente de merda e nas Listas para a merda do Conselho Leonino, um ninho de merdosos croquetes que voltam à merda de ontem sempre quiseram estar apesar de andarem constantemente a cuspir no prato/croquete que comeram.

 

Entre tanta merda de gente e de episódios não é de estranhar a nossa classificação de merda, não é de estranhar que existam muitas dúbias e complicadas dúvidas nas nossas contas, que a merda das despesas subiu para valores de gritar “que merda é esta?”.

Éisto, na merda, estamos na merda. Por muito que nos custe a assumir, é este o nosso estado atual. Fui, Sou e Sempre serei do Grande Sporting Clube de Portugal. Já superámos tantas tempestades, não serão uns merdas e mais uns episódios de merda que nos vão diminuir. Estamos doentes, feridos com gravidade, hipnotizados, crentes nas impossibilidades que se prometem.

Com tanta merda extra-Sporting nas nossas vidas, são as merdas do Sporting que nos custam mais. Porque o Sporting é nosso, pelo menos enquanto o verdadeiro Governo Sombra não conseguir levar avante a golpada que tem desenhada para o nosso grande amor.

Merda pá!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:31

O Pavilhão...Carlos Lopes

por Trinco, em 18.02.17

img_770x433$2016_09_29_19_56_23_1163363.jpgFoto: João Miguel Rodrigues/Record

 

 

A 11 de Março de 2013, a menos de 15 dias da data das eleições, é anunciada que a A Fundação de Solidariedade Social Aragão Pinto, presidida por Azevedo de Carvalho, iria reabilitar e explorar o Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa, com resultado de um concurso público internacional de concessão. Nessa altura, essa vitória foi usada como, mais que promessa, trunfo eleitoral, sendo usada à náusea pela máquina de propaganda essa relação potencial com o Clube, por mais que os pressupostos do concurso fossem outros.

 

A 14 de Março de 2013, a autarquia decide adiar a decisão relativa à concessão da exploração por dúvidas levantadas por um conjunto de vereadores, relativamente à capacidade financeira da fundação atrás referida. Esta noticia foi desvalorizada como sendo a CML a evitar tomar partidos nas eleições de um Clube, continuando a máquina a cavalgar na ideia do Pavilhão ser utilizado pelo Clube.

 

A 10 de Julho de 2013, a CML votava a exclusão da proposta apresentada pela Fundação Aragão Pinto por esta ter falhado a justificação da sua capacidade financeira com a apresentação uma garantia idónea para a reabilitação do espaço, numa obra estimada em cerca de €7M.

 

A 24 de Junho de 2015, a CML constitui um direito de superfície a favor da Associação de Turismo de Lisboa por 50 anos que assim ficou encarregue de o reabilitar para eventos de cultura, artísticos e desportivos com obras de reabilitação, que custariam €8,5M, com prazo de 2 a 3 anos.

 

A 29 de Setembro de 2016 a Associação de Turismo de Lisboa prevê que as obras estejam concluídas na data de celebração dos 70 anos do atleta que dá nome ao equipamento

 

Carlos Lopes faz hoje 70 anos (muitos parabéns Campeão) e o Pavilhão Carlos Lopes é também hoje reaberto.

 

Apenas mais um exemplo do conceito peculiar de rigor e transparência! E já agora dos fins justificarem os meios. Ou até das diferenças entre o parecer e o fazer e até das pós-verdades que eram conceito não existente à época mas habilmente utilizado por Azevedo de Carvalho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:51

Responsabilidades

por Trinco, em 16.02.17

BRD_06_RK0005_01_P.JPG

 

A equipa de Andebol, com Zupo Equisoain, um treinador reconhecido no mercado e com preço a condizer, no seu comando, classificou-se na época passada no 4º lugar, foi finalista vencido na Taça de Portugal e eliminada na 2ª Eliminatória da Taça EHF. O plantel contou com as caras novas de Carlos Carneiro, João Paulo Pinto, Aljosa Cudic, Daniel Svensson e Samvel Aslanyan. Foi uma época claramente abaixo das expectativas em que o treinador demonstrou por várias vezes fraco controle emocional que contaminava a equipa, com esta sempre em dificuldades em se demonstrar como um grupo coeso. Apesar disso, Zupo foi mantido no cargo e a época seguinte viu entrar Matej Asanin, Carlos Ruesga, Michal Kopco, Igor Zabic, Cláudio Pedroso, Janko Bozovic e Ivan Nikcevic, tudo jogadores de reconhecido valor e maior custo, naquela que foi uma forte aposta para este ano eleitoral. Neste momento, a equipa encontra-se no 2º lugar a 3 pontos do 1º, mas com mais um jogo, a disputar os 1/4 da Taça de Portugal com o SL Benfica e os 1/8 da Taça EHF. A equipa, apesar de a espaços apresentar algum brilhantismo teima em não se assumir como equipa, falhando recorrentemente nos momento decisivos. O Clube e Zupo Equisoain terminaram o contrato por mútuo acordo, o que geralmente equivale a dizer que o Clube se manterá apagar os seus encargos até ao momento que o treinador encontre novo clube.

 

A equipa de Hóquei com Nuno Lopes e os já sonantes reforços André Centeno, Luis Viana, Esteban Ábalos e Cacau, foi, na temporada passada 4º Classificado no Campeonato Nacional, eliminada nas 1/2 da Taça de Portugal, vencedora da Supertaça, finalista vencido da Supertaça Europeia e eliminado nas 1/2 da Taça CERS. Em Dezembro de 2015 é contratado um coordenador geral profissional, José Trindade, que se torna responsável operacional do edifício do Hóquei Leonino. Na nova época, dois dos reforços sonantes da época anterior são empurrados para fora e são contratados, em mais uma forte aposta, Sergi Miras, Caio, Ferran Font, Pedro Gil e Gonçalo Nunes, com Henrique Magalhães, recém campeão europeu, a ser contratado e emprestado. A equipa, dirigida por Guillem Pérez encontra-se em 4º lugar no Campeonato Nacional a 10 pontos do 1º, disputará os 1/16 da Taça de Portugal com o FC Porto e afastada na fase de grupos da Liga Europeia. A época fica marcada por dois erros técnicos incompreensíveis. Um que implica uma derrota com atribuição de falta de comparência devido à utilização irregular de um jogador e outro que implica a expulsão de treinador e jogador por entrada irregular no recinto de jogo no derbi. O Clube e José Trindade terminaram o contrato por mútuo acordo.

 

Na equipa B de Futebol, João de Deus comanda um plantel que já usou 38 jogadores que viu entrarem de novo, no que só pode ser entendido como forte aposta, nad amenos que 16: Federico Ruiz, Eduardo Pinheiro, Diogo Nunes, Ricardo Guimarães, David Sualehe, Fidel Escobar, Leonardo Ruiz, Budag Nasyrov, Liam Jordan, Ricardo Almeida, Bilel Aouacheria, Boubakar Kouyaté, Pedro Delgado e mais recentemente Gelson Dala, Ary Papel e Merih Demiral. Destes, alguns já foram emprestados a outros clubes e não menos de 4 estão emprestado por outros clubes ao Sporting. Dos 38 utilizados, apenas 18 vêm directamente da formação, mesmo contando com os que já são seniores do plantel A. A equipa encontra-se no 21º lugar, penúltimo a 33 pontos do líder. a 3 pontos da linha de playoff de despromoção e 5 da linha de água. O Clube e João de Deus terminaram o contrato por mútuo acordo e são insistentes os rumores da possibilidade de encerramento desta equipa.

 

3 exemplos de 3 equipas, de 3 modalidades, onde o custo e investimento há demasiado tempo não tem correspondencia nos resultados. Mas o trabalho é fantástico, pleno de rigor e competencia e claramente o melhor que poderia ter acontecido ao Clube, feito de planeamento a médio e longo prazo, com projectos desportivos profundamente sustentados, sendo que os adversários temem-nos cada vez mais.

 

Se o encerramento de equipas pelo falhanço desportivo fizer carreira, para o ano temos o Futsal...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:25


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Sobre

Sobre o Sporting, com verdade, exigência e espírito critico. Sem reverencias nem paciência para seitas!






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D