Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Roda o palco...

por Trinco, em 09.05.15

SCP_466 (4).jpg

 

 

E hoje, o universo leonino acorda com a noticia que:

Pavilhão João Rocha muda de construtor

 

Primeiro de uma forma reservada, numa noticia premium de um jornal, depois com transcrições de um comunicado do Clube noutros sites. Comunicado esse que à hora que escrevo está presente, na integra em pelo menos uma página facebook, sem que se encontre no Site do Clube (nota: finalmente apareceu, às 11h depois de já estar nos jornais e páginas desde as 8h tendo até partes em versões impressas de jornais).

 

Neste comunicado, chega-se até a anunciar uma AG, sem que sequer tenha havido convocatória formal do PMAG. E dá-se essa AG como sendo de apresentação do novo projecto, como se ela não fosse estatutariamente obrigatória para apresentação da proposta de orçamento para 2015/2016...


Sempre a derrubar barreiras!

 

Do comunicado, percebe-se que o empreiteiro vencedor terá apresentado para assinatura de contrato adicionais no valor de quase 620.000€. 331.000€ de adicionais concluídos necessários já após a fase de concurso, com acordo do dono de obra (Sporting) e 289.000€ de adicionais reclamados pelo empreiteiro.

 

A ser assim, e não tenho razão para duvidar, obviamente que o Sporting se encontra com toda a razão para proceder desta forma. O processo exigia uma empreitada de concepção-construção, de preço global - chave na mão. Ainda assim aguardo resposta da Somague, para estabelecer juízos finais, uma vez que há sempre dois lados da mesma história.

 

Um processo concepção-construção implica uma proposta global de projecto e preço de empreitada, com cronogramas de pagamentos e preços determinados. Tendo respondido ao exigido no processo de concurso, não vejo como o empreiteiro possa exigir mais-valias adicionais ao seu próprio projecto, que ele próprio concebeu e orçamentou.

 

Aqui, quem me parece não ficar bem na fotografia é a Ficope que avaliou os processos a concurso e não detectou incongruências entre o preço proposto e o exigido no caderno de encargos do concurso e projecto apresentado.

 

Por outro lado, também pode querer mostrar que o dado fundamental da avaliação foi o preço. Quando assim é, raramente a melhor solução, no seu rácio custo-qualidade é a escolhida.

 

Mas outros factos também são estranhos. Que a solução tenha sido apresentada com grande estardalhaço e a 1ª pedra lançado com ainda mais estardalhaço sem que o contrato tenha sido assinado.

Como também é estranho que a 1ª pedra tenha sido lançada, com a presença da CML, sem qualquer projecto a licenciamento ou no limite com um projecto de licenciamento de movimentação de terras aprovado de um projecto que não será o executado.

 

E tudo isto soa fortemente a um deja vu do que aconteceu com Godinho Lopes e Somague na construção do estádio (sim eu sei que o processo é diferente e a margem para derrapagens não é tão livre, estando apenas a referir-me à susbstituição de empreiteiro)

 

Agora sai a Somague e a Quadrante (neste tipo de projecto projecto e construção são um elemento único) entra a Ferreiras e a Morschel. A 1ª uma empresa boa, com espaços desportivos construídos, onde se destaca o Multiusos de Gondomar, num processo semelhante de concepção-construção com Siza Vieira, a 2ª nunca ouvi falar.

 

Esta empresa, para os adicionais acordados mutuamente apresentou um valor de 297.000€ (menos 34.000€ que o equivalente Somague).

 

SCP_466 (1).jpg

 

O projecto será outro, os prazos também.

 

Sobre o projecto, um desvio no raciocínio para registar a estranha e inusitada publicação de fotografias deste em várias páginas há umas semanas atrás, algo que cataloguei de irrelevante e sem qualquer interesse que não fosse a curiosidade, mas que visto agora soa imenso a auscultação ao Universo Leonino sobre a nova proposta.

 

Sobre a qualidade do projecto, cada um saberá do seu gosto pessoal, mas nas poucas imagens vejo uma série de problemas...Além de me parecer ainda mais fraco que o vencedor.

 

Os prazos, passam a ser final de 2016 para conclusão da obra, Março de 2017 para inauguração. Relevante parecer-me-a dizer que coincide com final de mandato e eleições.

 

E isto tudo acontece a escassas semanas do 1º prazo apresentado para o começo da obra.

 

São lamentáveis estes arranques e paragens num processo que já há muito podia e devia estar em velocidade cruzeiro...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:07


3 comentários

De Anónimo a 09.05.2015 às 14:40

"E isto tudo acontece a escassas semanas do 1º prazo apresentado para o começo da obra."

Aqui é que está o cerne da questão. É preciso chutar para canto, senão começavam as perguntas sobre o arranque das obras. E daqui a uns tempos, se isto for tudo mentira, arranjam outra desculpa para continuar os adiamentos. Há muito que quem sabe um bocadinho sobre o processo de construção e licenciamento acha isto tudo muito estranho.

Mais. Se depois de andar a pedir dinheiro aos sócios se vier a saber que esta coisa da Missão Pavilhão era uma treta, é muito mais do que suficiente para expulsar o Bruno de Carvalho de sócio do Sporting. Mas nem tem conversa, porque é demasiado grave! Seria uma burla descarada aos sócios e com isso não se pode brincar!!

De Sócio a 12.05.2015 às 12:32

Pode sempre perguntar ás direcções anteriores porque que é que o Projecto ainda não está em velocidade de cruzeiro...

Somos os nossos piores inimigos!

De Trinco a 12.05.2015 às 12:54

Poderá ser porque o Plano de Pormenor que estabelece as regras urbanísticas para a construção do pavilhão só foi aprovado em Março de 2013?...

Comentar post



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Sobre

Sobre o Sporting, com verdade, exigência e espírito critico. Sem reverencias nem paciência para seitas!






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D