Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Os formados localmente

por Trinco, em 24.06.16

042_14-15_ml_jun_1jrburinhosa.jpg

A Federação Portuguesa de Futebol pretende impor pena de derrota aos clubes da Liga que apresentem mais de cinco atletas que não tenham sido formados localmente na ficha de jogo.

 

Escreve o Record, relatando o propósito assumido e votado em reunião entre FPF e clubes na qual apenas o Sporting votou contra.

 

Na realidade a regra de obrigatoriedade já existe.

 

No regulamento das competições está explicito que:

Os Clubes participantes no presente Campeonato têm obrigatoriamente de inscrever e fazer constar das fichas técnicas dos jogos pelo menos 7 (sete) jogadores formados localmente, independentemente do seu estatuto.

 

Estando a penalização do incumprimento no artº 103 do regulamento disciplinar da FPF:

O clube que não respeitar as disposições regulamentares relativas à inclusão e utilização de jogadores formados localmente na FPF nos respectivos jogos oficiais, é sancionado com a sanção de multa a fixar entre 5 e 10 UC [o valor do UC em 2016 é de €102], por cada jogador em falta

 

Ou seja, até este momento, era proibido apresentar mais que 5 jogadores não formados localmente mas era relativamente "barato" não cumprir e contornar a regra. €510 a €1020 por jogador, por jogo. O que muda agora, e que dói mais, é que poderá passar a custar pontos.

 

Pessoalmente, tal como o Sporting o era há dois anos, sempre fui favorável a esta imposição. Não faz sentido proibir por um lado e exercer um meio de sanção tão ridículo que faça compensar o ilícito. Obviamente que a penalização teria que ser desportiva. Questiono no entanto esta opção feita à medida, neste momento, para penalizar, e isso para mim é claro, o Sporting. Ou seja, a pouco mais de um mês do começo da época, com planeamentos, metas e planteis quase feitos o Clube, tendo assumido o reajuste dos seus objectivos internacionais, vê-se na contingência de ter tudo virado de pés para cabeça.

 

Também se pode dizer que esta regra, tal como escrita, não protege o futsalista nacional, mas sim o futsalista formado em Portugal. O que em termos de elegibilidade para ser jogador de selecção, está longe de ser a mesma coisa. Ou que se poderia impor a existência de determinado numero de jogadores portugueses e da formação própria nas fichas de jogo. Ou  impor a existência de determinado numero de jogadores S20 portugueses nas fichas de jogo. Agora que as alterações nesta altura para uma época que começa daqui a dois meses (um pouco mais este ano por causa da selecção) sem período de re-ajuste, parece-me claramente desenhada à medida para atingir um e beneficiar outro.

 

Por outro lado, também se poderia questionar a assimetria incoerente de tratamento entre o que acontece no futsal e no futebol, ambas as modalidades tuteladas pela mesma FPF.

 

Obviamente também, que o Sporting  sempre soube que esta opção caminhava no limite do ético e ultrapassava o do lícito. O que em si, já é algo que me custa muito a entender e aceitar. O Sporting que eu defendo, não entra em esquemas de contornar regras para daí retirar benefícios.

 

O Sporting tinha este ano 14 jogadores seniores no plantel. 8 eram formados localmente, 6 não ( e por isso mesmo já nesta época infringimos a lei várias vezes, nomeadamente para o fim). O Sporting tinha a trabalhar regularmente com o plantel 4 a 5 S20's, com várias chamadas e minutos de jogo.

 

O Sporting na preparação para 2016/2017, já perdeu 2 formados localmente (Lima e mais que provavelmente Ângelo que até fez a fase final de formação no clube), renovou com os outros e já apresentou 1 não formado localmente (Leo), sendo que são falados 4 ou 5 nomes, em que apenas um é formado localmente. E dos S20 mais próximos de fazer a transição, 2 deles fala-se também que poderão sair (e estamos a falar de jogadores de selecção).

 

E aqui se centra a linha de (des)equilíbrio que o futsal vive neste momento. Entre a vontade (será mais imposição tendo em conta um momento de Março?) superior de "comprar" vitórias quase à "sheik árabe" e o paradigma de estabilidade, planeamento e formação que norteava a secção. Entre o entrar no jogo dos grandes europeus, que convenhamos, não se faz com o pendor em jogadores nacionais mas sim gastando dinheiro em nomes fortes internacionais e o não perder o seu estatuto de maior contingente a cada convocatória de selecção e não desperdiçar anos de investimento em formação, aproveitando o produto final da mesma para alimentar a equipa de seniores, nomeadamente numa geração claramente capaz e superior a muitas anteriores.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:12


2 comentários

De Fernandes a 27.06.2016 às 23:54

Sabe-me indicar qual é o regulamento utilizado na Futsal Cup? Qual é o limite de estrangeiros, se é que existe?

De Trinco a 28.06.2016 às 09:23

Do que sei, funciona exactamente como as provas UEFA de futebol com a limitação a ser feita em relação aos extra-comunitários (no caso do Futsal do Sporting, neste momento 4 - Marcão, Japa, Diogo e Leo)

Comentar post



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Sobre

Sobre o Sporting, com verdade, exigência e espírito critico. Sem reverencias nem paciência para seitas!






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D