Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O Canto da Sereia

por Lizardo, em 25.08.15

frase-as-sereias-porem-possuem-uma-arma-ainda-mais

 

 

Acabou a segunda jornada e estamos à porta do mais decisivo jogo da época com o CSKA.


Internamente tudo na mesma, e tudo na mesma sempre pelo diapasão do miserabilismo habitual.

Mau futebol, más emissões televisas, maus comentadores, maus dirigentes e maus empregados.

A juntar a tudo isto temos as redes sociais que continuam na ordem do dia pelas piores razões.

Não podemos defender a verdade desportiva e a profissionalização do dirigismo só por conveniência. As últimas novelas envolvendo o Presidente do Sporting, um empregado do Benfica e o Vítor Pereira, são um negro episódio, mais um, no vergonhoso mundo que é o futebol português.

Alimentar este clima é continuar a destruir o nosso futebol.

Ao Presidente do Sporting pede-se, uma vez mais, que compreenda a grandeza do cargo que ocupa. Que compreenda os valores da instituição que preside, que tenha a decência, a ética e a moral de ser uma referência pelos bons motivos e não uma criatura birrenta e mais um fraco imitador de Pinto da Costa.

Curiosamente, Pinto da Costa, o mais atacado dirigente do futebol nacional, é o dirigente mais copiado das últimas décadas.

A qualquer dirigente não basta parecer, é necessário ser, e Pinto da Costa só há um. Os outros, os que o imitam, têm de forma recorrente caído no ridículo. E estes episódios, os do presente, vão originar novamente esse desfecho. Está na cara!

Pela primeira vez na história do Sporting existe um treinador que corre o risco de ser Ele a despedir o Presidente se a bola continuar a não entrar.

Cabe a Jesus continuar a incentivar e a potenciar jogadores. Cabe ao Presidente trabalhar, não lhe peço 24 horas por dia, mas que consiga fazer bem, muito bem, durante 8 horas o que faz mal em 24. Jesus tem o poder, tem o apoio, representa na sua imagem a esperança que Bruno Carvalho não conseguiu apresentar e oferecer como prometido aos Sócios. E já vamos para a terceira época, três treinadores, dezenas de jogadores, vários milhões investidos, pouco retorno garantido, dois títulos, uma Taça de Portugal e uma Supertaça.

 

Em suma, estas guerras de alecrim e manjerona só alimentam o Futebol Clube do Porto. Que uma vez mais é nosso “parceiro”. Quando começar a vencer, como é hábito, nós vamos começar a atacar o FC Porto, como tem sido apanágio, e vamos juntar-nos ao Benfica. E assim vamos continuando, de guerra em guerra a acabar campeonatos na segunda ou terceira posição. Tudo com a conivência de José Maria Ricciardi e Álvaro Sobrinho. Exatamente os mesmos e o mesmo que se passou na última década.

Para ir à guerra é necessário sapiência. Tenho dúvidas que atualmente, no Sporting exista quem tenha poder para se movimentar nos meandros do futebol.

Continuar a atacar Vítor Pereira só vai trazer um resultado, ter um qualquer João Capela a arbitrar um jogo decisivo, onde vamos chorar novamente porque a bola não entrou e fomos encostados com mais uma arbitragem “limpinha”.

Não se pede ao Presidente do Sporting que invente a roda novamente. Basta olhar em seu redor, perceber quando falar é atingir um alvo e perceber, que atualmente, o silêncio vale mais que um soundbyte mal dado. Palavras, leva-as o vento!

 



 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:17



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Sobre

Sobre o Sporting, com verdade, exigência e espírito critico. Sem reverencias nem paciência para seitas!






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D