Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Nó cego.

por O 6º Violino, em 29.10.16

1_1PnGC_W3ObzIOWVnPubU8Q.jpg

Existe um tempo em que um Sportinguista não sabe quando deve falar. Poder, pode sempre.

Se após um mau resultado, dizem alguns que os critico são "abutres". Se é na véspera, é porque querem desestabilizar. Para os rapazes do "encosto" não há um "timing". Os críticos que se calem.

Entre 2011 e Março de 2013, Azevedo de Carvalho não se fez rogado a criticar a cada mau resultado, antes ou depois de cada jogo. Aqui temos uma diferença, não sou candidato a coisa nenhuma, ganho o mesmo com o Lopes ou com o Carvalho.

Feita a introdução, passemos ao que interessa. Tenho por hábito não escrever a quente, evito mesmo fazer após os maus resultados, ora por falta de paciência, ora por me deslocar com frequência a qualquer estádio do país e chegar tarde a casa.

Tínhamos hoje um jogo quase decisivo, tal como decisivo será o de quarta-feira em Dortmund.

Falhanço total, esta noite, na Madeira. Surpresa só para os mais crentes. Desde o jogo de Madrid, e retirando 60 minutos de Guimarães, a equipa bloqueou. Estava à vista de todos, os mais lúcidos, obviamente.

Uma equipa sem chama, sem fio de jogo, sem atitude, sem nada.

Jorge Jesus tomou conta do futebol do Sporting. Foram-lhe oferecidas condições (em teoria) nunca dadas aos seus antecessores. Um conjunto de jogadores caros, experientes, com o objectivo de fazer desta época, "a época". 

Obviamente, que para Azevedo de Carvalho é o tudo ou nada em vésperas de eleições. São, e ele sabe, os resultados da equipa principal do Clube que vão ditar o seu futuro no Clube e na sua vida pessoal. As duas coisas estão ligadas. 

Os custos globais com pessoal desta temporada rondarão, seguramente, os 70 milhões de euros, valor incomportável para as finanças da SAD leonina. Podem ser mascarados? Podem, com a venda de passes de jogadores, como Gelson, Rúben Semedo ou William, estando este em notória desvalorização.

Não preciso de dizer que isto é tudo contra o programa eleitoral sufragado em 2013 pelos associados. Já toda a gente sabe. Alguns, cada vez menos, ainda tentam esconder.

Jesus é e sempre foi um bom treinador. Nunca justificou, nem hoje, nem no passado, o alto valor do seu salário, não porque não valorize activos (o contrário também pode ser verdade), mas porque o que aufere está muito para lá da realidade do futebol português. Mas a culpa é de quem lhe paga e de quem lhe deu tanto poder. Azevedo de Carvalho e Jorge Jesus estão reféns um do outro,e quem paga é o Clube.

Jesus continua a não dar confiança aos laterais. Jesus continua a jogar no escuro com os jogadores contratados, para arranjar um companheiro para Bas Dost.

Alguns jogadores já mostraram que dificilmente serão importantes esta época. Petrovic, Alan Ruiz, Markovic, Meli, entre outros.

A qualidade apregoada no inicio da época está longe de corresponder à realidade dos factos.

A comunicação do Clube continua só e apenas a ver vermelho. Já não há paciência para o "Saraiva de Carvalho" nem para os aparvalhados blogs e estapafúrdias páginas de facebook que só falam de Benfica e que tentam branquear a miséria interna.

Os sócios e adeptos estão obrigados a acordar, a levantar o rabo da cadeira e deixarem as sessões de hipnotismo a que têm estado sujeitos. 

O Clube corre para um caminho perigoso, já aqui muitas vezes dito. 

Sobre as modalidades ditas amadoras, vamos pagar bem caro o despesismo desta temporada, independentemente dos resultados. Ou há petróleo, dinheiro sujo, ou isto vai dar raia. 

Tudo por causa das eleições. Tudo por causa de um emprego.

Que na quarta-feira fiquemos mais próximos de permanecer em prova na Liga dos Campeões. As finanças da SAD agradecem.

SL

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 00:00


5 comentários

De Rato Azevedo a 29.10.2016 às 01:14

Tudo dito.

Que os próximos 5 meses passem depressa.

SL

De Não me deixem cair a 29.10.2016 às 01:30

Eu quando ouvi o Bruno dizer que Jesus não era treinador para qualquer presidente fiquei logo descansado.

Muito mais a sério, depois de Jesualdo Ferreira nunca mais vi nenhum projecto para o futebol. Ao nível da formação, o mais bem estruturado que conheci no Sporting. Lamento sobretudo uma geração fantástica irremediavelmente perdida. E assim se continua a valorizar os muitos anos de trabalho na Academia. Como também ouvi ao Aurélio Pereira. Mas ainda concedo que um ser minimamente inteligente fazia logo de Leonardo Jardim o treinador para o mandato.

De Rato Azevedo a 29.10.2016 às 01:54

Por acaso aquela equipa B era uma mina de ouro, e o Jesualdo tinha tudo para fazer o Sporting crescer sem entrar em loucuras.

Mas o Jesualdo que andou lá dentro, cedo deve ter percebido com quem estava a lidar. Ou então foi o próprio Azevedo quem não quis a sua continuidade, visto que foi o Godinho Lopes quem lá o meteu!...

De José Dimas a 30.10.2016 às 10:35

Assino.
E se nos preocupássemos com os nossos problemas? Passamos a vida a criticar e a picar os lampiões e os frutas e eles somam e seguem. Não será tempo de discutirmos a má prestação da nossa equipa de futebol profissional e o nosso terceiro lugar, as bocas e as justificações do treinador que arranja sempre desculpas nas culpas de terceiros, os reforços que tardam em render, o clima de guerra permanente em que andamos, os desmandos da comunicação do clube, etc, etc, etc. - e de deixarmos os problemas dos outros? Chegaremos a algum bom porto a proceder desta maneira? Não aprendemos nada com a época anterior?
Viva o Sporting.

De Não me deixem cair a 31.10.2016 às 11:02

Parece que acabou oficialmente a margem de manobra do treinador que era perfeito para o Sporting. A nossa estrela, o nosso líder e a pessoa mais importante do grupo. Daqui para a frente ou ganha ou ganha. Até porque não há plano B…

1999/2000 não aparece agora por acaso. Muito menos para homenagear José Roquette. Quando a remontada do ano passado até foi maior. Até o Babalu - quando ainda era um grande empresário - deve ter ouvido falar da chicotada psicológica de 99/00. Logo no início da época, com Inácio! Que curiosamente também acabou finalmente de revelar o que Jesus quis dizer com aquela do “comigo no banco não perdíamos”. Afinal o João Pereira devia ter ficado a rebolar-se sozinho no chão… Para quem se queixa tanto do anti-jogo dos clubes pequenos. Só não digo que está aberta oficialmente a época dos recados porque já vai a meio.

Comentar post



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Sobre

Sobre o Sporting, com verdade, exigência e espírito critico. Sem reverencias nem paciência para seitas!






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D