Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Jorge Leão

por O 6º Violino, em 18.05.16

jorgejesus13.jpg

De há umas semanas a esta parte levantou-se a dúvida sobre o cumprimento dos restantes dois anos de contrato de Jorge Jesus com o Sporting.

Somos nós, Sportinguistas e humanos, especialistas a criar factos e heróis. 
Já endeusámos jogadores, treinadores, presidentes. Todos os anos. Quem consegue fazer de um qualquer "Tanaka", uma estrela, ou aplaudir um qualquer "Ruben Micael" em pleno Estádio de Alvalade, expõe-se ao ridículo. Nada contra os jogadores mencionados. São apenas meros exemplos. Isto a propósito do actual endeusamento de Jorge Jesus.

Jorge Jesus caiu nas boas graças da maioria dos Sportinguistas. Estou de acordo que técnica e tacticamente é o melhor treinador em Portugal desde a saída de Mourinho. E já o era, enquanto treinador do rival de sempre. Nunca tive por hábito, enquanto estava do outro lado de o insultar ou rebaixar enquanto treinador. Nem mesmo quando gozou mais do que uma vez com a instituição que agora serve. Fazia o seu papel, ainda que menos "limpinho" do que dizia na altura.

Defendia quem lhe pagava da mesma forma que faz agora. Em tudo igual. Para mim, nem era o Diabo em cuecas, como agora não é o Deus Sol.

O que estranho, é que seja visto agora como peça fundamental de um projecto. Mas qual projecto? O que se iniciou em 2013?

Os dois anos anteriores foram "anos zero", apesar de mais de 80 contratações? 

Durante dois anos, os fieis seguidores de Azevedo de Carvalho, ou Bruno Miguel, para quem não gosta dos anteriores nomes, colocaram o mesmo num pedestal, pedestal esse, que sendo o mesmo, tem agora que levar com dois "deuses". Nestes dias de incerteza, a estrutura leonina mostrou não estar apta a perder Jorge Jesus, pelo nervosismo demonstrado. Tudo isto é mau sinal.

Tudo isto prova que o "Rei vai nu" e está de calças na mão. Está dependente do prestigio que Jorge Jesus angariou junto de grande fatia da massa adepta do Sporting. Azevedo de Carvalho tem o seu salário mensal dependente da estadia do treinador que, e bem, escolheu.

Não fará certamente o que fez a Marco Silva. Pelo contrário.

Se Jorge Jesus não terá a mínima dificuldade em arranjar emprego a ganhar o mesmo, ou mais, já o mesmo não se aplica ao actual presidente. Jamais terá as actuais mordomias. Nem aqui, nem na sua terra natal. 

Azevedo de Carvalho, a cada espirro que Jesus der, vai ao consulado mais próximo solicitar um visto.

Hoje, pela fresquinha, e num cenário montado a preceito, Jorge Jesus deve ter acabado com as dúvidas sobre a sua continuidade. Aguardemos.

Dirijo-me agora a Jorge Jesus:

Mister, os Sportinguistas amam o seu Clube desde sempre, não é de agora. Já tiveram manifestações espontâneas de carinho e agradecimento a quem nos serviu bem muitas vezes.

Espontaneidade que não existiu em nenhuma das recepções à equipa, durante este ano, mesmo que merecidas.

Foram planeadas, todas. E se calhar nem era necessário esse planeamento, porque os adeptos do Sporting são sensíveis a quem nos faz sentir bem, mesmo não ganhando nada, como foi o caso, infelizmente.

Infelizmente, também, vivemos tempos de encenação. O futuro dirá quais os custos para si e para nós.

SL

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 13:41


2 comentários

De comentador desportivo a 18.05.2016 às 18:33

Excelente, meu caro, excelente👍

De Não me deixem cair a 18.05.2016 às 23:05

“Tudo isto prova que o "Rei vai nu" e está de calças na mão.”

A fazer lembrar a hashtag da vascaria na última semana do campeonato - #Todos borrados.

Comentar post



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Sobre

Sobre o Sporting, com verdade, exigência e espírito critico. Sem reverencias nem paciência para seitas!






Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D