Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A liberdade criativa

por Trinco, em 16.11.17

161118-Luckett-fakebook-news-tease_jj2510.jpg

 

Ficou ontem provado o que já há muito se sabia.

 

Com a publicação do acórdão do TAD a reduzir o castigo do director de comunicação, provou-se que a comunicação do Sporting é gerida em outsourcing e roda livre de liberdade criativa, por uma entourage de miúdos operacionais próxima de Azevedo de Carvalho que surge no Clube à pressão, assumindo e gerindo várias páginas e perfis, inclusive pessoais como é o caso do perfil publicou o texto que que originou o castigo.

 

E isto justifica muito do que tem sido esta comunicação. Quando se mete um pedreiro a fazer trabalho de ourives, o mais provável é a jóia resultante ser faiança.

 

Percebe-se também que, por interposta entidade, no principio de uma mão unta a outra, os tachos e regalias estão distribuídas e bem açambarcadas, por personagens que, com liberdade criativa, continuam a afirmar não trabalhar para o Sporting, mantendo acusações a terceiros daquilo que eles próprios o são: Tachinguistas, como o 6º Violino escreveu.

 

Criaturas estas de que se desconhecem as aptidões e capacidades para a função além da verborreia, maledicência e ataque soez em que infelizmente se tornou a comunicação (e vida) do Clube e dos muitos heterónimos e fotocópias que usam. Sejam eles zíngaros, cafeteiras ou outras variantes.

 

E esta liberdade criativa, aparentemente Trump faz escola, baseia-se na criação de factos, narrativas e verdades alternativas.

 

A liberdade criativa, extensível à gestão do Clube, que concebeu guerras com tudo e todos, confundindo combatividade com irascibilidade, que alinhavou aliança (já sei que não gostam da palavra, fiquemo-nos por "alinhamento estratégico") com o Benfica (cortesia do sr. PMAG) nos tempos iniciais e mais recentemente com o Porto, com os mesmos resultados dum prato de cebolada, que vendeu as contratações cirúrgicas numa realidade de contentores de jogadores, que faz "grandes" os jogadores mediocres, que nega mandados de negociação que aparecem escarrapachados nos jornais horas depois, que reclama uma reestruturação já previamente acordada, que procede a uma renumeração fantástica em que apenas os mortos (e nem todos) são limpos da base de dados, que pare o novo paradigma de AG com a muito "chavista" hora do presidente transmitida em canal aberto, que fabrica canais de comunicação para satisfazer as necessidades de protagonismo e presidento-centrismo, além de uma linhagem de "clientes" habituais, que inventa agentes desestabilizadores contra funcionários para depois os despedir com motivos criativamente criados, que faz equivaler na importância o seu líder ao pai do Clube, que adquire títulos a cada respirar,  que engendra novas funções na estrutura do Clube para empregar familiares e amigos, etc...(podia ficar aqui tanto tempo que até me assusto)

 

E é isto este Sporting. Um Sporting que cada vez mais expulsa de si o verdadeiro Sporting, o Sporting da verdade e dos valores, perante o adormecimento geral de quem prefere não pensar ou questionar e acreditar sempre na...liberdade criativa.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:38



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Sobre

Sobre o Sporting, com verdade, exigência e espírito critico. Sem reverencias nem paciência para seitas!






Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D