Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



As alterações

por Trinco, em 31.01.18

lei-da-rolha-chegou-aos-bombeiros.jpg

 

Ultrapassemos as ilegalidades, ou faltas de conformidade legal, presentes na convocatória e na tardia publicação das propostas constantes da mesma, que até poderão originar disputa legal que conduza à anulação e reversão do que for decidido no sábado.

 

Ignoremos até a ausencia de algumas propostas, na sua plenitude, na publicação que após pressão é  feita à pressa e a contra-vontade por aqueles que teriam obrigação de zelar pelo cumprimento das normas estatutárias e regulamentos e das quais, a omissão da proposta de regulamento disciplinar é de longe a mais evidente e preocupante.

 

A profunda alteração de estatutos que este conselho directivo se propõe fazer mais não é que uma tentativa de silenciar de forma permanente e sob ameaça, tudo e todos que ousem questionar, debater ou pensar o Clube de forma livre e sem dogmas ideológicos, numa inversão à prática de liberdade critica que desde há muito era identificadora do Clube.

 

É um atentado à liberdade funcional e intelectual, à participação democrática. Uma deriva para um totalitarismo quase ditatorial que pretende transformar os sócios em seres amorfos, formatados pela propaganda e meros clientes do Clube. É a lei da rolha e o assalto final à identidade do Clube.

 

São alterações que não sei como conviverão com os principios de pluralismo de expressão, dos direitos e liberdades fundamentais, da separação e interdependência de poderes, do direito de resistencia e dos direitos de liberdade de expressão, de informar e ser informado consagrados na Constituição Portuguesa.

 

Não sendo exaustivo, esta alteração propõe sancionar disciplinarmente a criação de grupos, dentro ou fora do Clube, que por qualquer modo possam perturbar o trabalho dos órgãos sociais. Esta sanção teria impedido a existência do Movimento Dar Rumo ao Sporting e provavelmente acabado com procedimento disciplinar sobre André Patrão e Miguel Paim.

 

Propõe a imposição da elaboração de listas globais a eleições, impedindo movimentos independentes de concorrer a apenas um órgão. Esta alteração teria impedido a eleição de conselheiros da (quase) extinta AAS que tiveram papel determinante em algumas mudanças de praxis dentro do Conselho Leonino ou a eleição de 11 conselheiros da Lista de Gonçalo Rodrigues, naquela que foi uma demonstração da vontade de pluralismo e independência dos associados.

 

Propõe que a eleição para o CFeD se deixe de fazer pelo método de Hondt, que proporciona a necessária pluralidade num órgão deste tipo passando a ser por vitória total. Esta alteração teria impedido a eleição do elemento independente ao CFeD em 2013 (que agora já nem se poderia candidatar tendo em conta a alteração atrás referida)

 

Propõe aumentar os poderes do Presidente do Conselho Directivo, nomeadamente com a criação e extinção à sua vontade de um Conselho Estratégico que substituirá na denominação o Conselho Leonino que entretanto será extinto. Esta alteração, mesmo sendo critico do funcionamento ao nível da feira de vaidades do Conselho Leonino, contribuirá para a vigência de pensamento único sem contraditório subordinado à ordem do Presidente do Conselho Directivo.

 

Definitivamente estas alterações levam um rumo de autoritarismo e absolutismo que parece pretender a cristalização e eternização do poder sem contraditório. E tenho muita curiosidade em perceber a reacção de muitos associados que durante muito tempo lutaram exactamente contra as tentativas de redução das suas liberdades, ainda que suspeito se venham a manter num cúmplice silencio.

 

E se estas alterações orientam-se por estes caminhos, será fácil depreender, e só isso o podemos fazer, o que será o proposto regulamento disciplinar.

 

Por mim, isto já começa a ter muito pouco de Sporting. Se me quiserem purgar...Força!

 

P.S. Cada vez mais esta triste realidade se assemelha à ficção contada no post sobre o Brunistão.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:41

O Regulamento das Assembleias Gerais

por Trinco, em 30.01.18

Imagem 001.png

 

O Regulamento da Assembleia Geral do Sporting Clube de Portugal existe.

 

Foi aprovado na Assembleia Geral de 24 de Abril de 2012, em proposta apresentada pela Mesa da Assembleia Geral em exercício, e eleita pela lista B, tendo como base uma proposta do associado Bruno Miguel Azevedo Carvalho que viu muitas das suas ideias vingarem e assumirem força regulamentar neste documento.

 

Esta proposta surge da percepção de um vazio que poderia originar situações de conflito legal e pretendia regulamentar todo o exercício de todas as Assembleias, fossem elas ordinárias, extraordinárias ou eleitorais, estabelecendo o padrão de funcionamento das mesmas.

 

Nela está incluído o artigo 7º que prevê que:

 

Anúncio Convocatório e Anexos

1. Do anúncio constarão os assuntos a apreciar, indicando-se a ordem dos respectivos trabalhos.

2. Os anexos ao anúncio serão publicados no sítio oficial e no Jornal do Clube.

 

Embora não sendo especialista, creio que Código Civil, refere que esta publicação prévia deve acontecer até 8 dias antes duma Assembleia.

 

Os anexos referidos são as propostas constantes da Ordem de Trabalhos

 

Isto deveria ser regra (e já foi) para que os sócios possam manifestar a sua vontade e decisão de forma informada e ponderada

 

Até ao momento, nenhuma das 8 propostas referentes aos 8 pontos expressos na convocatória se encontra publicada no site. Estamos a pouco mais de 98 horas da Assembleia Geral.

 

O caso é tão mais relevante quanto se prevê a aquisição de terrenos, a posterior autorização para conceder a 3ºs parte dessa aquisição e sobretudo uma alteração de Estatutos e a aprovação de um Regulamento Disciplinar dos quais não se sabe nada até ao momento.

 

O Presidente da Mesa da Assembleia Geral faz hoje saber que as propostas estarão no site. A proposta da ultima Assembleia Geral, de 29 de Setembro, foi publicada no site dia 2 de Outubro.

 

Pessoalmente, mesmo sendo leigo em leis, isto poderá acarretar a anulação e reversão das aprovações desta AG. Como aliás poderia e deveria ter acontecido com uma alteração de estatutos não constante na Ordem de Trabalhos de uma AG em 5 de Outubro de 2014.

 

P.S. Já agora, todas as alterações estatutárias promovidas desde Agosto de 2013 já foram escrituradas ou mantém-se numa "inexistência legal", navegando nós em mais uma realidade paralela à medida de quem quer?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:09

Ponham os olhos no palhaço

por Lizardo, em 29.01.18

27336241_854700821378407_8623611614254147549_n.jpg

 

 

Poucas horas depois de vencer, goste-se ou não, com mérito uma competição, o ambiente entre Sportinguistas está novamente a ferro e fogo. Este é o clima preferido pelo presidente, é neste ambiente circense e de conflito que se sente como peixe na água. Neste caso, o peixe palhaço no lodaçal que é o futebol português.

A gravidade deste clima já ultrapassou todos os limites. Por norma, as redes sociais e os blogues, eram espaços por excelência para se utilizar uma linguagem ligeiramente mais agressiva. Longe do frente a frente, só com o teclado pelo meio, todos são uns experts ou heróis para ter opinião e ameaçar. O nível é de esgoto.

Mas este nível começa a sair deste meio digital. Os meios impressos são uma vergonha, pejados de cartilheiros dos três grandes clubes, o que explica a pouca venda em banca, e as televisões com os seus programas desportivos conseguiram destruir os poucos valores associados ao desporto.

Ontem, Rui Santos referiu-se a Bruno Carvalho como um Palhaço. Termo que começa a ser utilizado várias vezes pelas mais diversas pessoas, nos mais diversos espaços, das mais diversas idades e das mais diversas áreas e disciplinas.

Quer-me parecer que o “Palhaço”, o artista, o criativo, o Homem que anima, não gostará de ver a sua profissão associada a Bruno Carvalho.

O “Palhaço” é uma pessoa séria, educada, que compreende que a sua profissão obriga a um comportamento, a um tom a um posicionamento. O “Palhaço” sabe que os seus atos têm sempre uma consequência. O “Palhaço” sabe que tem um objetivo, que é um elemento central e fulcral no espetáculo. Como se diz na gíria, “não há circo sem palhaços”.

Ora Bruno Carvalho, passados todos estes anos, continua a não compreender o cargo que ocupa. Lá no alto, bem no alto do seu andaime, todos os dias temos o “prazer” de ouvir o seu piropo nojento.

 

Posto isto, Palhaços de todo o mundo, uni-vos. Não deixem um “trolha” conspurcar a vossa nobre e importante profissão.

 

Não tenham medo, pois por mais processos em tribunal, por mais ameaças, telefonemas, e outras caganças, ao fim do dia, um trolha, sempre será um trolha. Mal vestido, mal formado, sem futuro. E o trolha meus amigos, não se esconde, revela-se.

PS: Todo este clima tem um propósito. Aquecer a próxima Assembleia Geral de dia 3. Aguardemos pois por mais um episódio de tábua de andaime.


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:56

A Ressaca

por O 6º Violino, em 28.01.18

lEyV4xdU_400x400.png

Um troféu é um troféu. A Taça da Liga também se fez para vencer. Sempre. Todos os anos, não quando nos apetece ou quando nos dá jeito. O Sporting e os Sportinguistas têm um trauma natural por causa de uma final disputada no Algarve. Passaram a chamar a esta competição "Taça Lucilio Batista". Os pormenores todos sabem.

Bruno Miguel quando entrou no Sporting, ávido de protagonismo, aproveitou esta competição para marcar território. Recordemos que tentou eliminar o F.C.Porto na secretaria, e ameaçou jogar na temporada seguinte com os juniores, mostrando um profundo desconhecimento pelos regulamentos. 

A Taça da Liga vale hoje o mesmo desde a sua criação, mas para Bruno Miguel esta deve ser a primeira edição desta competição. 

Sobre as suas reacções pós jogos, nada a dizer, é o mesmo das voltas olímpicas, que tenta capitalizar as vitórias para si, e nas derrotas ou empates vai "descascar" para a sua plataforma preferida e seu porto de abrigo, o facebook.

Desde há umas semanas a esta parte, o rapaz Bruno Miguel tem frequentemente desafiado os seus críticos a comparecer à Assembleia Geral de dia 3 de Fevereiro. Como se as Assembleias Gerais fossem a "última Coca Cola do deserto" desde 2013. Já aqui escrevi, que se é para ir para as Assembleias mentir sobre investidores, essa é a sua praia. Sobre a convocatória para a mesma, lá estão mais umas alterações estatutárias que ninguém conhece para serem aprovadas por uma centena ou duas de associados que ainda têm paciência para o aturar, ou que são convocados para lá estar. Para além dos estatutos, compra e venda de terrenos que ninguém sabe quais são. Mas, a cereja no topo do bolo. Alteração do Regulamento Disciplinar, no qual Bruno Miguel com o apoio do inenarrável Conselho Fiscal, pretende fazer uma "limpeza étnica". Alguém sabe o que vai aprovar? Por mim, pode expulsar todos os sócios que pretender e que não lhe prestam vassalagem. O resultado prático será o mesmo. O ruído será o mesmo. O Sportinguismo de cada um será o mesmo. Não se é mais Sportinguista por se ser sócio. Até porque muitos dos que batem hoje com a mão no peito são os mesmos que estiveram anos sem pagar quotas.

Servirá apenas para inchar o ego da criatura.

P.S.1 - "A ressaca" é uma série de filmes em que um grupo de 4 amigos adultos se tornam adolescentes por umas horas, vitimas de droga e álcool por onde vão passando nas suas festas de despedida de solteiro. Vivem numa realidade paralela durante várias horas/dias.

P.S.2 - As declarações de Jorge Jesus no final do jogo de ontem são desprezíveis. Nem a sua natural "labreguice" desculpa o menosprezo e "achincalhamento" ao Sporting. Bruno Miguel merece um treinador com um ego tão grande como o seu, e ambos vão terminar à "traulitada", como é óbvio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 17:14

Dependência

por O 6º Violino, em 21.01.18

atirar-pedras.jpg

A Organização Mundial de Saúde considerou há pouco tempo o vicio dos jogo como uma doença. Uma entre outras dos tempos modernos. 

A utilização de consolas de jogos, fenómeno com pouco mais de duas décadas, foi e ainda é, um problema transversal à sociedade ocidental, afectando maioritariamente crianças e adolescentes.

Mais recentemente, a utilização das redes sociais ganhou proporções gigantescas, atingindo uma camada de população com idade também superior. A utilização das mesma não encerra em si nada de pejorativo, é um meio de comunicarmos como outro qualquer, e à velocidade instantânea. Não pretendo correr o "risco" de fazer uma critica directa e contraditória da sua utilização. Para tudo há um tempo, e também eu recorro algumas vezes às mesmas para emitir opinião e/ou comunicar com amigos ou desconhecidos. Nada contra.

Viajemos no tempo até 2011, para chegarmos ao "cherne" da questão: Em 2011, um perfeito desconhecido do desporto em Portugal e no Sporting, aparece como alternativa à continuação daquilo a que se denominava o "projecto Roquette". Bruno Miguel, até então um desconhecido e pequeno empresário do ramo da construção civil, com apenas um funcionário, Luís Ferrão (hoje funcionário do Sporting), sem trabalho (basta ver o site da sua antiga empresa, Soluções Atelier) aparece como um fenómeno das redes sociais, em particular no facebook. Presidente de uma Fundação que lhe colocava pão na mesa, a mesma viria a ser encerrada pouco depois de assumir a presidência do Clube. Para quem dizia que movimentava centenas de crianças, no mínimo não lhe ficou bem o abandono das mesmas nem o manchar do nome Aragão Pinto, cujo filho parece ser hoje alguém ligado a transferências de jogadores, daí, provavelmente, o seu silêncio. 

Sejamos claros, Bruno Miguel é um viciado, também em redes sociais, em particular no facebook. Já tentou várias curas, mas tem sempre recaídas e não resiste. 

Ainda em 2011, Bruno Miguel começa a utilizar contas e perfis falsos para espalhar a sua "magia". Quem não se lembra do "Ricardo Cardoso",desaparecido desde as eleições de 2013, de "Bruno Gimenez (ou será Marioni)?

Nós lembra-mo-nos muito bem. Não nos deu nenhuma "branca". Corremos o "risco" de errar, mas a memória ainda não está má. Mente sã e limpa, até ver.

"Bruno Gimenez Ricardo Cardoso de Carvalho", iniciou esta sexta-feira, após um empate (apenas um empate) da equipa sénior de futebol em Setúbal. Agora responde a adeptos que mostram algum descontentamento por uma exibição, ou pela sua excessiva (problema dele) exposição. Adeptos esses, que lhe pagam o ordenado que em 2011 não fazia ideia do que era. Responde com insultos, com má educação, com o desespero de quem é inseguro e sabe que depende dos resultados, como todos os presidentes que por ali passaram. Nem mais, nem menos. Mais uma "branca" que teve, ele que depois de uma derrota em Guimarães fez o que fez...

Mas mais, como uma criançola de estatuto médio, para além de insultar, desafia os sócios descontentes a duelos ao vivo na Assembleia Geral de dia 3 de Fevereiro. 

Sobre as Assembleias Gerais, tenho a dizer o seguinte: servem as mesmas para apresentar fundos russos que desapareceram em 2013, ou anunciar um investidor americano de 70 milhões de dólares, que mais tarde se descobriu serem falsos? É esse o conceito de Assembleia Geral para Bruno Miguel?

Ou quer silenciar quem com ele discorda, convocando os mesmos a quem mandava fazer umas chamadas telefónicas para sócios descontentes, servirem, mais uma vez, de guarda pretoriana?

Quem é Bruno Miguel para apelidar alguém de "cobarde"? O mesmo que em cinco anos esteve numa Assembleia Geral da Liga por 10 minutos, saído vergado a uma derrota com o rabo entre as pernas?
O mesmo que espicaça adversários e fica em casa ou vai em cortejos folclóricos com protecção policial para os estádios adversários?

Quem preside às Assembleias Gerais não acha este comportamento degradante, alvo, no mínimo de uma chamada de atenção, ou é apenas mais um pau mandado? 

Quantas Assembleias o Bruno Miguel esteve antes de 2011? Ou está cansado de "vender peixe" para pouco mais de cem associados? Acha mesmo que alguém com dois dedos de testa está para aturar a sua verborreia e incontinência verbal, insultando tudo e todos?
Bruno Miguel depende do Sporting para viver, fazendo o seu pé de meia para o "day after", "day after" que quer que seja o mais distante possível. É que depois não há mais nada...

E não se esqueça de que há gente bem resolvida na vida, que, para já, não quer chafurdar no lodo por si criado. Isso é bom para os que dependem do Clube para matar a fome. Mas, tudo a seu tempo.

SL

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:21

dont-be-a-coward-quote-1-picture-quote-1.jpg

 

 

Hoje joga-se o mais interessante e sempre mais desejado jogo da história do futebol português. Juntar Benfica e Sporting no mesmo relvado é mais que unir dois rivais que durante uma centena de anos combateram por vitórias e por jogadores, é assumir que ambos os Clubes representam muito do que é o perfil do cidadão português. Hoje joga-se à mesa de casa, nos balcões de cafés e mesas de restaurantes, nas empresas, nos transportes públicos. Um Sporting x Benfica é o expoente máximo e o mais apetecido encontro de todos.

A noite já foi tremida, o nervo já se sente, as conversas entre vizinhos começaram logo muito cedo e por todo lado o tema é o jogo. E felizmente, e ainda bem, uma grande maioria continua a discutir o desaparecimento do Jonas nos jogos grandes ou os calamitosos erros do Coates nestes encontros. E assim, de forma saudável, o adepto comum, aquele que alimenta este negócio, que paga ordenados a presidentes, que permite que existam jornalistas desportivos e que se tenha evoluído a profissão de “cronista” para “paineleiro” nas televisões, continua a querer falar de fintas e remates, de posicionamento e de qualidade de jogo. O adepto quer e continua a sonhar com um golo à Eusébio ou com uma entrada à Balacov.

 

Infelizmente os últimos tempos não têm sido saudáveis para o nosso futebol. Ambos os grandes de Lisboa foram conquistados por bandos de incompetentes e gente mal formada, e pior que tudo isto, com vontades e missões ocultas que em nada valorizam ou defendem os princípios e valores do desporto.

Bruno Azevedo de Carvalho, o principal incendiário de todo este clima atual, um herói no Facebook, no seu canal de televisão ou rodeado pelos seus peixes comensais, tinha hoje uma grande oportunidade de impor a sua força e revelar a sua fibra. No banco, na central, num camarote ou na tribuna vip da Luz deveria marcar presença. Como é sabido e conhecido por todos, cobarde uma vez, cobarde toda a vida, e lá vai o Azevedo em alegre passeata a tirar selfies com os miúdos até ao Colombo. Vale e Azevedo teve o mesmo comportamento, exatamente pelas mesmas razões. Ladram ladram, mas morder está quieto.

Que hoje seja um grande jogo. Que o árbitro Hugo Miguel deixe somente o nome na ficha de jogo e não tenho interferência no resultado, e claro, que o rapazolas que ninguém percebe como chegou a árbitro de primeira categoria, tenha também uma noite santa no VAR.

Em resumo, um bom ano de 2018 a todos os nossos leitores, e que hoje se afirme a nossa força e que sejam mais três pontos para o tão desejado título de campeão nacional.

 

 



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:39


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Sobre

Sobre o Sporting, com verdade, exigência e espírito critico. Sem reverencias nem paciência para seitas!






Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D